sexta-feira, novembro 03, 2006

Lizzy e a essência do amor




“Não é a distração daquilo que nos rodeia a própria essência do amor?”

Lizzy, em Orgulho e Preconceito, de Jane Austen.



Esta frase é tão bela que me deixou a pensar nela por um bom tempo. Quando o amor existe na vida de alguém, o que mais importa? Claro que não vamos esquecer de escovar os dentes e pagar as contas, não é disso que estou falando, mas sim da verdade que existe no amor, do quanto o mundo torna-se adereço simplesmente.

É aí então que se vê a força do ensinamento cristão: “ama ao próximo como a ti mesmo”. Quando se ama, o objeto amado é digno de atenção, de carinho, apreço e respeito. E cada vez que eu magôo quem amo eu sofro. Dói mesmo.

Já pensou em cada um buscando amar o próximo? Nem que seja só um pouquinho: respeitando o outro, fazendo um cafuné, oferecendo um copo d’água, dando um presente de aniversário, alertando sobre mentiras, dedicando um poema ao amado ou aos amigos e a família...enfim, são muitas as maneiras de demonstrar amor.

Creio que amar ao próximo é também não fazer a ele aquilo que não gostaria que fosse feito a mim. Isso passa desapercebido muitas vezes quando se fala nesse ensinamento. Amar ao próximo não é sair por aí distribuindo beijos e abraços em estranhos ou encobrir erros alheios simplesmente para posar de bom moço. É saber que cada um tem seu espaço e buscar respeitar a individualidade e a essência de cada um. Não dá para amar a humanidade, pelo menos não se não souber amar o próximo mais próximo. Dizer que ama o planeta, a humanidade, e não ter o mínimo respeito a vontade e ao espaço do outro, é hipocrisia, não confio em quem age assim. Gente que atua desta maneira faz o que ela acha melhor para o outro sem perguntar se ele quer que isso seja feito ou não. Isso é egoísmo, transforma-se em megalomania até: só o que ele pensa e propõe é o melhor e todos os outros devem se curvar a sua “imensa sabedoria e boa vontade”...é assim que se instalam os tiranos no poder.

Ame e jogue fora a burrice, o entorpecimento das coisas do mundo. Ame e perceba a força desse sentimento e o poder do Ser de se manifestar com beleza e sabedoria.

Na frase de Lizzy percebo que quando se ama tudo o mais é efêmero. O que vale mesmo é o sentimento puro, belo e rico que invade ou que vai se construindo na alma, no coração do ser.

Aqueles que amam sabem do que estou falando.