quarta-feira, julho 11, 2007

Frases de Nelson Rodrigues



Nelson Rodrigues foi uma figura e tanto. Li pouca coisa dele, vi alguns filmes baseados em suas obras e acho um tanto quanto esquisito que ele tenha usado temas tão fortes de maneira tão, como direi, sugestiva, e fosse contrário àquilo mesmo que mostrava...


“Na minha obra está clara, transparente, uma violenta nostalgia da pureza”.


Muito esquisito esse jeito dele de mostrar a nostalgia da pureza! Com aquela imoralidade toda? Não recomendo a obra dele, de jeito algum.

Agora, o que eu gosto mesmo é das frases
dele. Algumas escolhidas para hoje:


“Na velha Rússia, dizia um possesso dostoievskiano: — “Se Deus não existe tudo é permitido”. Hoje, a coisa não se coloca em termos sobrenaturais. Não mais. Tudo agora é permitido se houver uma ideologia”.

“Antigamente, o defunto tinha domicílio. Ninguém o vestia às pressas, ninguém o despachava às escondidas. Permanecia em casa, dentro de um ambiente em que até os móveis eram cordiais e solidários. Armava-se a câmara-ardente num doce sala de jantar ou numa cálida sala de visitas, debaixo dos retratos dos outros mortos. Escancaravam-se todas as portas, todas as janelas; e esta casa iluminada podia sugerir, à distância, a idéia de um aniversário, de um casamento ou de um velório mesmo”.

“Antigamente, o silêncio era dos imbecis; hoje, são os melhores que emudecem. O grito, a ênfase, o gesto, o punho cerrado, estão com os idiotas de ambos os sexos”.

“Eu considero a ONU uma delinqüente da pior espécie”.

“Outrora, os melhores pensavam pelos idiotas; hoje, os idiotas pensam pelos melhores. Criou-se uma situação realmente trágica: — ou o sujeito se submete ao idiota ou o idiota o extermina”.

“Qualquer indivíduo é mais importante que toda a Via Láctea”.

“A grande tragédia da carne começou quando o homem separou o sexo do amor. Como não somos vira-latas, nem urramos no bosque, o sexo sem amor é um progressivo suicídio”.

“O mundo é a casa errada do homem. Um simples resfriado que a gente tem, um golpe de ar, provam que o mundo é um péssimo anfitrião. O mundo não quer nada com o homem, daí as chuvas, o calor, as enchentes e toda sorte de problemas que o homem encontra para a sua acomodação, que aliás, nunca se verificou. O homem deveria ter nascido no Paraíso”.

“O verdadeiro Cristo? É o Cristo verdadeiro. O falso cristo é o cristo dos padres de passeata. Há um cristo de passeata que é mais falso do que Judas. É a igreja dos padres de passeata. Eu sou cristão, mas não me venham falsificar Cristo como uísque nacional”.
falou e disse

5 comentários:

  1. Tbem não li nada dele,mas existem muitas pérolas que são mesmo imperdiveis.

    beijos!!

    ResponderExcluir
  2. A primeira vez que vi um filme de Nelson Rodrigues, tinha 18 anos e fiquei chocada, mas me fez pensar. Ele foi um inovador certamente. Com o passar dos anos tive a certeza de que esse dramaturgo era um gênio sem dúvida alguma, todos os seus personagens chocam porque fazem com que enxerguemos a realidade da sociedade brasileira, que por anos esteve escondida pela capa da ditadura.
    Beijinho e um bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  3. O Nelson Rodrigues buscava mostrar nas obras dele justamente aquilo que não deveríamos fazer em nossas vidas. Por isso ele dizia: “Na minha obra está clara, transparente, uma violenta nostalgia da pureza”. Bom, eu não aprovo de jeito nenhum essa forma de arte. Não é preciso mostrar tanto da feiura e do pecado para exortar os homens às boas ações, creio que muitas vezes o resultado é o oposto. Ele mostrou algumas coisas do que havia de pior que o humano poderia fazer com seu livre-arbítrio. As histórias dele chocavam porque eram o retrato da feiura que todos nós devemos repelir.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Adoro o cara!

    ResponderExcluir
  5. Mas, Babu, é graças a arte - a deste caso especificamente a que me refiro - que enxergamos as nossas possíveis transgressões e a partir dela podemos nos defender. A vida não é cor-de-rosa neste plano espiritual em que vivemos, temos (infelizmente) que esperar tudo do nosso próximo, inclusive o impensável. É triste, mas é assim que vivemos neste século. Claro, que não não quero dizer que devamos agir deste modo ou nos tornarmos permeáveis ao mal. Mas que devemos ter consciência de sua existência e tentarmos ao máximo sermos diferentes.
    Beijo

    ResponderExcluir

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.