quarta-feira, junho 04, 2008

Sobre a crise do mundo moderno





Estamos vivendo uma fase de plena decadência. Hoje está tudo cada vez mais humano, mas no pior sentido. O humanismo, que tomou força lá com os renascentistas – estou excluindo a Antiguidade, falando apenas da nossa civilização cristã - trouxe uma visão, digamos, rasteira sobre o ser.

Hoje, depois de tanta discussão sobre “o humano”, os cientistas passam a se interessar mais pelo social e pelo biológico. Cada vez mais caímos! De Deus passa-se ao homem (o homem despojado do que possui de melhor, do espiritual) e daí para o social (como se o social fosse um ente ou algo assim) e para o biológico. Do vertical passamos ao horizontal e eu fico aqui me perguntando se isso pode piorar. Será que piora? Qual o limite para essa decadência?

Observo no pensamento humanista um orgulho muito grande. Vejo por aí pessoas que parecem perdidas, navegando nos mares do humanismo, do sentimentalismo, do individualismo. Pessoas que são adeptas daquele modo de pensar moderno no qual cada um faz sua religião ou não faz nada. Alguns não conseguem nem mesmo aceitar a existência de Jesus ou a criação da nossa civilização pelo Cristianismo. Para estas pessoas tudo é muito humano, o homem é quem faz seu caminho, quem constrói tudo. Não há muito papel para Deus nisso aí.

Parece que hoje reina a soberba. E foi esse pecado que originou a queda.