quinta-feira, julho 09, 2009

Mulher: recriar o mundo

Por Sheila Morataya
Traduzido e adaptado por Andrea Patrícia



Por suas qualidades próprias, a mulher pode transformar o mundo e fazer com que voltem o olhar para Cristo.

“A mulher tem uma atitude particular para transmitir a fé e, por isso, Jesus recorreu a ela para a evangelização. Assim aconteceu com a Samaritana que, depois de ter aceito a fé em Cristo, apressa-se a comunicá-la a outros”
João Paulo II


O apostolado é importante. Levar a mensagem do amor de Cristo a outros nunca é fácil, mas a mulher tem a dádiva de qualidades muito típicas dela para levar o apostolado. Vejamos algumas delas, do pensamento do Vigário de Cristo.

A iniciativa humilde

Mulheres como Teresa de Calcutá deixaram a muitas, o testemunho contundente do que pode chegar a obter uma mulher verdadeiramente humilde. Esta grande mulher, sempre dizia que seu coração pertencia inteiramente a Cristo e em suas conversações, ao lhe perguntar sobre a mulher, animava a todos a olhar à Virgem, pois Ela é o modelo por excelência para o desenvolvimento do feminino.

Aprofundando em Maria, cada vez que tenha seu tempo de oração, peça seu conselho para revelar a você o sentido pleno de sua feminilidade. A iniciativa humilde inata em ti como mulher, virá à luz ao sair ao encontro de maneira espontânea para fazer apostolado com seus amigos ou pessoas que vão chegando a sua vida.

Respeito às pessoas

Fixaste-te na forma como os menininhos jogam quando têm, por exemplo, um ano de idade, no máximo dois? E, o que dizer das meninas? Enquanto os meninos utilizam a força nos jogos, entre meninas o respeito sempre está presente. Trata-se de outra qualidade inata feminina. O respeito, a consciência dele, está ancorada no profundo do coração da mulher.

A mulher sabe, muito dentro de si mesma, que seu papel fundamental é unir, fazer paz, acolher ao outro e isto o manifesta desde muito menina, através de seus jogos. Como mulheres é muito importante que tomemos isto em conta na hora de educar, quer dizer, aproveitar esse potencial na menina enquanto ao mesmo tempo se vai educando aos filhos varões também neste sentido.

Forma de compartilhar a fé

Quando uma mulher conhece o amor de Cristo, não pode ficar calada. Deve sair correndo a compartilhá-lo tal como o fez a Samaritana ou Maria Madalena quando esteve frente a Cristo ressuscitado.

E é que a mulher que conhece O Senhor se apaixona, e esse amor é uma chama enorme que tem a capacidade de alcançar aos outros e iluminá-los. A forma de compartilhar a fé na mulher é distinta ao homem. É também um presente de Deus, pois não impõe nada, mas sim prova através de mudanças na conduta e paz no olhar, a transformação que somente o amor pode fazer no interior de uma pessoa.

Por isso a mulher é uma privilegiada na hora de orar por seu marido, por seus filhos, pelo mundo, porque é predileta aos olhos de Deus; porque escolheu a uma de nós, Nossa Santíssima Mãe, para trazer seu filho ao mundo.

Conclusão

É bom, então, que nos fixemos em como a Virgem orava, para que dela aprendamos tudo isso que nos falta para sermos mulheres completas, apóstolos para a paz e defensoras da família.

O apostolado é uma obrigação prazeirosa, e a mulher conta com um potencial enorme para realizá-lo com eficácia. Como pede a Igreja no Catecismo “os laicos cumprem também sua missão profética evangelizando, com o anúncio de Cristo comunicado com o testemunho da vida e da palavra. Nos laicos, esta evangelização ‘adquire uma nota específica e uma eficácia particular pelo fato de que se realiza nas condições gerais de nosso mundo’ (Lumen Gentium 35).

Este apostolado não consiste só no testemunho de vida; o verdadeiro apostolado procura ocasiões para anunciar a Cristo com sua palavra, tanto aos não crentes... como aos fiéis” (905 e 906).

Original em Sheila Moarataya