segunda-feira, outubro 26, 2009

Culpa e penitência

vida



Quando uma vez se tropeça e cai é preciso ter cuidado para que isso não se torne um hábito. Comemos do fruto proibido e cá estamos todos enrodilhados até o pescoço. Por causa de caprichos abrimos feridas que parecem não cicatrizar nunca.

Viver a fugir da contemplação dos olhos de sangue da destronada, chorar por ter causado o amargor na juventude despreocupada de alguém.

Sentir doer o coração e a alma, lacerada pelo erro. A culpa pesa mais que chumbo. A dor do vencedor é leve para o que tudo perdeu.


Pensando em fazer o bem levamos o mal a tiracolo. Que remédio?


Misericórdia.