sexta-feira, outubro 16, 2009

Nuvens sob o luar

vida




O brilho das nuvens sob o luar é algo quase fantasmagórico. Gaze e algodão estendidos no céu, deslizando lentamente, mostrando-se frágeis e cheios de mistério.


O que se esconde além do azul profundo do céu? Quantos universos serpenteiam no oceano da vida? E que sou eu, perdida, encostada ao parapeito de uma janela a olhar para o alto e pensar em desvendar os mistérios da criação? Eu, simples criatura, que posso querer saber sobre o que se esconde, sobre o que está além de minha percepção? Mas o desejo de saber não é algo que importa? Se o ser humano deixar de querer ir mais adiante, de explorar o desconhecido, então que vida será essa? Miserável existência de uma porta: vai e vem, guincha e silencia. A porta não pensa, não sente, mas existe.


E as nuvens? São tão lindas, escondem e mostram, brincam com a imaginação formando desenhos, coloridas ou brancas, sempre no alto. Alto.


Invejo essas nuvens. Elas trazem beleza e sonho às vidas das pessoas. E eu? O que faço para colaborar com o processo de embelezamento do mundo? Mas, pensando bem, por que eu deveria fazer algo?


Ah, não sei de nada a não ser que o brilho quase sobrenatural das nuvens sob o luar é uma das mais belas manifestações do Mistério.
vida