sexta-feira, novembro 27, 2009

Harmonia no relacionamento





Para que a haja harmonia entre o casal é necessário que ambos possam fazer reflexões sobre o estado emocional de cada um. Parar e pensar se aquele incômodo é mesmo com o outro ou se é algo interno que está sendo projetado no parceiro ou no relacionamento. Outra coisa muito importante é o diálogo. Conversar é essencial. Procure deixar seu parceiro a par do que acontece em sua vida, dos programas que você faz, das pessoas com quem você fala. Não estou dizendo que você tem que obrigatoriamente fazer relatórios de suas vivências diárias para ele ou para quem quer que seja. Apenas sugiro que estreite os laços entre vocês ou forme novos laços a partir de um companheirismo, de uma convivência sadia. Participar ao outro o que se passa conosco, mesmo que seja algo banal, termina por fazer com que o outro confie mais em nós e se sinta apto a contar o que se passa com ele também. Isso aumenta as chances do relacionamento ser bem sucedido. Os dois passam então a “vibrar” na mesma escala. Uma relação em que os dois podem conversar sobre tudo é muito positiva no sentido de fazer com que haja crescimento individual. Um auxilia o outro, um apóia o outro.

É muito fácil alguém dizer que ama a humanidade, mas não acorda todo dia com ela, não paga as contas com ela, não vê a cara feia, o mau humor...ou seja, fácil é amar o que está distante, o que não incomoda, o que é bonitinho. Desafio é amar no cotidiano, vendo os defeitos, brigando, pagando contas... Tem aquela estória de santo de casa não fazer milagre, né? Quantas vezes o parceiro (ou o pai, a mãe) chega e diz várias coisas necessárias ao nosso desenvolvimento e a gente não dá atenção, indo ouvir justamente um amigo que não convive conosco, alguém que está mais afastado do nosso cotidiano? Isso acontece muito, terminamos algumas vezes por não dar o devido valor àqueles que estão próximos demais de nós. E cometemos o erro de deixar de aprender e de deixar de valorizar o ente querido, que pode se sentir jogado para escanteio (e com razão!). Por isso o diálogo é importante, o respeito ao outro, o querer fazer bem, fazer o outro feliz. Claro que nem sempre é fácil, principalmente se nunca passamos por situações que pudessem desenvolver nossos sentimentos a esse respeito e se não estamos bem resolvidos com nós mesmos. Mas, quem é que está bem resolvido consigo mesmo? A vida é cheia de altos e baixos, um dia você está equilibradíssima, em cima do salto, outro dia você cai até de chinelo havaiana!

O desenvolvimento da empatia é muito importante e eu penso que se possa conseguir isso com algum treino. Procurar ouvir as pessoas, procurar entender o que se passa com elas, assistir a filmes e ler livros que tratem de relacionamentos, de sentimentos e emoções, lidar carinhosamente com animais de estimação, tudo isso ajuda a desenvolver nosso lado emocional (não estou tratando aqui de sentimentalismo). E o lado emocional bem resolvido, facilita nosso dia-a-dia, traz e leva conforto, além de fazer com que entremos em contato com o que há de mais belo e verdadeiro em nós: o amor! Somos seres de amor, o amor vive à nossa volta o tempo todo, só precisamos conectar com ele, destruir os muros que o egoísmo criou, muros estes que impedem nosso deleite no amor.

Deus é Amor!
vida