quarta-feira, dezembro 09, 2009

Lidar com a cegueira auto-imposta




Às vezes é muito difícil, para mim, ter que lidar com a cegueira auto-imposta. Percebo claramente em algumas pessoas uma resistência firme à verdade. Uma falta de docilidade, de humildade, que é gritante.

Por mais que você apresente provas e mais provas, documentos, argumentos demonstrando que o pensamento deles está equivocado, que as fontes onde eles conseguiram determinadas notícias não são idôneas, que há gente muito mais inteligente e capaz que já se debruçou sobre aquelas questões e chegou a conclusões que estão provadas como certas, não adianta. Só vale para elas aquilo que elas querem acreditar, aquilo que elas querem ver. Não importam os fatos. Não importam os historiadores sérios. Importa para eles os programas do Discovery, os livros do Dan Brown ou de qualquer ateu raivoso ou pseudo-profeta new age.

E o pior é que aqueles que apresentam as provas e argumentos são tidos por essa gente como fanáticos, fechados em sua religião, iludidos ou o que seja. São respostas tão pueris que eu custo a acreditar que sejam sinceras ou que venham de gente que parou para pensar.

Acredito que o ódio nessas pessoas é tão grande que elas ficam cegas. O orgulho tomou conta de suas almas a ponto de fazê-las teimar e bater o pé rechaçando tudo aquilo que não condiz com suas próprias crenças cegas eivadas pela mentira. Aos poucos com se fosse uma erva daninha, a soberba se apossa desses corações. Eles não se importam com a autoridade de quem quer que seja, a não ser a de suas próprias mentes nubladas, deformadas pelo niilismo, pelo materialismo mascarado de espiritualidade.

É um espetáculo triste de assistir. Rogo a Deus para que pessoas assim acordem, saiam de seus mundinhos raivosos, cresçam e parem de falar sobre o que não sabem e não compreendem.
vida