segunda-feira, janeiro 18, 2010

Falta de honestidade e acomodar-se ao mundo




A verdadeira honestidade não é simplesmente dizer o que se pensa. Quando nós vivemos em um certo automatismo sem pensar bem naquilo que estamos defendendo, e sim buscando manter a posição confortável na qual nos encontramos - que pode estar errada -, então não há honestidade.

O amor à verdade faz com que nos mantenhamos dispostos a enxergar a realidade. Quando queremos confirmar nossas idéias somente sem buscar nos aprofundar em um assunto e ainda assim teimamos em dizer que nós estamos certos e que os outros é que estão errados, que os outros é que possuem "mente fechada" e são fanáticos, então não estamos buscando entender a realidade pois não há amor à verdade nesta atitude. Há sim apego desordenado às próprias opiniões e talvez medo de desapegar de certas facilidades que o mundo proporciona. Podemos estar tão acostumados a certas experiências mundanas que não queremos abrir mão delas em prol da santidade e então acusamos o outro de ser fanático ou de ser um chato por querer tolher nossas vivências.

Quando nos voltamos com raiva para este outro que diz coisas diferentes do que pensamos, então é o momento de parar para pensar com seriedade. Porque quando nós estamos realmente buscando a verdade não é uma opinião contrária que vai nos afastar do outro julgando-o como louco. Quando estamos realmente querendo aprender nós buscamos compreender o que o outro tem para dizer e por mais que discordemos, ainda assim iremos deixar aberto o espaço para o diálogo, para tentar entender porque o outro defende as idéias que defende. Agora, se damos as costas ao outro somente porque ele pensa diferente então deveríamos nos perguntar se este afastamento não é na verdade uma fuga. Será que não há nesta atitude de afastamento o medo de descobrir que na realidade nós estamos errados e o outro pode estar certo? Será que não estamos mornos e acostumados a vida como estamos vivendo? Queremos mesmo mudar ou estamos apenas nos amoldando e tentando contemporizar com o mundo cedendo um pouquinho aqui, um outro tanto ali? Já pensou nisso? Já parou para pensar que tal atitude pode ser uma fuga da realidade? Tal atitude é desonesta.

Não vire as costas para o outro somente porque ele pensa diferente de você sem antes avaliar bem a situação. E se tal situação envolve a vida espiritual então o cuidado deve ser dobrado. A raiva ou a impaciência que você sente por causa disso pode esconder algo importante e ser a chave para uma mudança real em sua vida; talvez o empurrão que falta para que você dê um passo largo no caminho da santidade.

Não se acomode tão facilmente aos seus gostos e hábitos. Dê uma chance ao diferente, ao que parece difícil de viver. Santidade dá trabalho e não contemporiza. Quem quer ser santo não deve se acomodar no mundo.
vida