sexta-feira, janeiro 22, 2010

A modéstia para governar as paixões


“Esta segunda virtude, a modéstia – a própria palavra “modéstia” vem de modus, uma medida ou limite – provavelmente exprime melhor a função de governar e dominar as paixões, especialmente as paixões sensuais. É o baluarte natural da castidade. É a sua muralha eficaz, porque seus atos moderados estão estreitamente relacionados com o próprio objeto da castidade." (Papa Pio XII. Problemas morais em Design de Moda. Discurso dirigido ao Congresso da União Latina de Alta Costura. Em 23 de maio de 1948) 

A modéstia é "o baluarte natural da castidade", segundo o saudoso Papa Pio XII. Se a castidade é algo obrigatório para aqueles que buscam a vida espiritual, então temos que estar atentos à questão da modéstia. 


A modéstia é pudor. Quando somos modestos nos resguardamos das impurezas. Buscando a pureza nos tornamos mais próximos daquilo que Deus quer de nós. 


Devemos buscar a virtude da modéstia sempre, em todos os ambientes e situações em nossa vida diária através das palavras, das ações, das vestimentas, dos pensamentos, dos modos. 

O cristão deve ser o sal da terra. E para isso deve saber dar o exemplo. Que exemplo estamos dando aos outros quando nos permitimos certas atitudes impuras, quando damos ouvidos a certas piadas e fofocas, quando deixamos que nossos olhos se maculem ainda mais com certos programas e leituras? 

A virtude da modéstia busca a moderação. Mas moderar não quer dizer se equilibrar entre dois opostos buscando o caminho intermediário. Para sermos realmente moderados devemos buscar o mais alto e não simplesmente nos conformar com o que o mundo oferece como sendo equilibrado, razoável. 

"Os atos moderados [da modéstia] estão estreitamente relacionados com o próprio objeto da castidade". O que não estiver em conformidade com a castidade não pode ser moderado. Logo, com certas coisas não podemos contemporizar. 

Busquemos a modéstia sempre. Oremos pedindo a Deus que nos conceda esta virtude.
vida