segunda-feira, março 08, 2010

Amamos nossa própria vontade, mas temos que mudar



“Eu, deveras, quis que meu reino estivesse dentro do homem, e por direito, Eu deveria ser Rei e Senhor para ele, porque Eu o fiz e o redimi. Entretanto, agora ele quebrou e profanou a fé que me prometeu em seu batismo, e quebrou e desprezou minhas leis e meus mandamentos, que Eu prescrevi e revelei a ele. Ele ama sua própria vontade e se recusa a ouvir-me.” (Palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo à Santa Brígida)


Senhor, quantas vezes recusamos ouvir a Vós e damos preferência aos chamados do mundo? Quantas vezes desperdiçamos nosso tempo precioso vendo programas impuros, lendo futilidades, jogando conversa fora? Quantas vezes, Senhor?

Não consigo lembrar o quanto Vos ofendi com minha indiferença, mas sei que fui contra Vossos divinos mandamentos e depois de muito tempo caí em mim conseguindo perceber o buraco no qual estava afundada.

Antes eu pensava Senhor, que para sair daquele buraco eu podia criar asas e subir sozinha, mas na realidade tais asas - negras - cavavam o buraco mais fundo. Como eu sofria sem saber! Como eu dava nós de marinheiro em minha mente tentando a todo custo ser algo que não poderia ser nunca por minha própria conta. Como tentei me esconder de meus próprios pecados em vão, sem dar atenção ao teu perdão, esse bálsamo que cura as maiores feridas!

Mas acordei, Senhor. Senti em mim Vosso sopro santo me renovando e começando meu processo de conversão. De lá para cá caminho cada vez mais confiante em Vós, tropeçando vez ou outra, mas aprendendo e querendo Vos conhecer e amar.

Senhor, penso agora se estou fazendo ouvidos moucos ao teu chamado de conversão mais profunda. Fico cismando, pensando no que vivo agora, tentando descobrir se estou fazendo mal a mim mesma e se Vos ofendo de alguma maneira com meus hábitos, pensamentos, ações e palavras.

Devagar certas coisas vão ficando com que embaçadas, vão perdendo o seu brilho para mim. Já não consigo ver em certas coisas a graça que via antes, já não consigo ter o mesmo contentamento que tinha, porque hoje já vejo um pouco melhor. Mas fico cá me perguntando no que mais eu Vos dou desgosto. Não quero amar a minha própria vontade, Meu Deus, eu quero ter toda a disposição para Vos ouvir. Quero me libertar dessa escravidão do pecado, das sombras do meu amor-próprio, do visco de minhas vontades desregradas.

É difícil. O mundo tem seduções várias e às vezes são tão insidiosas que chegamos a confundi-las com brincadeiras inocentes, como se não tivesse nada de mais em perder tempo com tal ou qual atividade, sem ver que na realidade tais atividades podem nos perder. O que pode me perder, Senhor? Outro dia li que o Senhor disse a Santa Teresa que tudo o que não Vos agrada é mentira. Quero descobrir em quais mentiras eu vivo hoje, porque quero mesmo saber como Vos agradar. Eu sei que vai ser difícil, mas eu tenho que tentar.

Eu quero fazer a Vossa vontade, Senhor. Preciso focalizar meu coração nisso.
vida