segunda-feira, maio 31, 2010

Difícil manter-se puro, mas é nosso dever tentar




É muito difícil manter-se puro ou se purificar quando voluntariamente damos ouvidos e olhos às impurezas várias que estão disponíveis em toda parte.

Há quem diga que é preciso ver de tudo - e alguns vão até mais longe e querem experimentar de tudo – para ser sábio, para ficar “esperto” e não ser um bobo. Mas como isso é ilusório!

Como podem pensar que macular a alma com todo tipo de baixeza pode ser bom? Como podem pensar que irão ter vidas saudáveis com aquelas imagens fixadas em suas mentes? Muitos nem mesmo se dão conta do quanto estão perdidos, do quanto a sua consciência moral está adormecida –talvez mortalmente – e julgam que os que buscam fugir das ocasiões de pecado, dos maus filmes, dos ambientes deletérios, são todos uns bobocas, uns fanáticos. Acham que são muito inteligentes por saberem que existe tal ou qual imoralidade de tal ou qual forma, pois assim estão prevenidos, estão mais instruídos e sábios.

Quanto vazio, quanta perda de sentido! Como podem pensar que é melhor se atirar na frente do perigo para ficar imune a ele? Não é isso o que dizem os santos. Eles dizem que devemos fugir sempre, não encarar o perigo, não deixar que a ocasião de pecado chegue tão perto. Não podemos confiar em nós mesmos. Nunca se sabe se vamos cair e qual vai ser o tamanho da queda. Então porque arriscar?

Essa vida passa tão depressa, tudo aqui é transitório, então porque beirar o precipício nessas brincadeiras mortais? Porque é tão difícil abrir mão de certos prazeres, de certos caprichos, se estes no fim das contas podem nos perder para sempre? Não será mais válido abdicar de algumas coisas para poder ter a vida eterna? Não será mais válido buscar a recompensa prometida por Deus aos puros de coração?

Somente os puros verão a Deus, então porque se entregar tão perigosamente aos maus divertimentos, às modas indecentes, aos costumes corrompidos dos homens descristianizados de nosso tempo? Vale a pena? Claro que não, pois o que está em jogo é a salvação das almas e com isso não se pode brincar nunca.

Nosso Senhor pode voltar a qualquer momento, a hora da morte de cada um só Deus sabe, então é importante que busquemos viver de forma a não nos envergonharmos – pelo menos não mais do que já devemos nos envergonhar por causa de nossa baixeza oriunda do pecado original – quando formos chamados à presença Dele. Imagine se o seu encontro com Ele acontece quando você está assistindo um programa imoral ou dançando de forma libertina? Como apresentar-se assim diante daquele que lavou suas vestes no Batismo, que deu Seu sangue para que você tivesse a vida eterna?

Já pensou nisso? Pense. E veja se vale a pena sujar a alma com as indecências que nos são apresentadas hoje como sendo coisas boas, normais, pois afinal de contas, todo mundo faz.