sexta-feira, junho 18, 2010

Uma liberdade sem controle faz libertinos

vida
(Santo Agostinho. Epist 157,16)

Vejamos se não é isso o que vivemos hoje: uma sociedade de libertinos. Parece forte o termo “libertino”? Então é porque já estamos com as mentes tão nubladas pelo pecado à nossa volta que não conseguimos mais perceber com clareza o mal da libertinagem eu tomou conta de nossa sociedade.

Parece que é fim de civilização, pois todo tipo de imoralidade está cada vez mais presente na vida cotidiana no cidadão comum, seja em bancas de revistas, seja na televisão, seja no comportamento de seus filhos e netos furados por piercings e tatuagens, seja no seu próprio comportamento que há muito perdeu a decência nos gestos, nas palavras, nos modos enfim.

As conversas mais banais são show de horrores, pois se fala do pecado como algo muito normal e até mesmo bom. Cultua-se o sexo livre, mesmo que disfarçado sob o nome de “relacionamento” ou “namoro”. Apóia-se todo tipo de impureza, pois o que importa é que as pessoas vivam do jeito que lhes aprouver, que sejam elas mesmas, que sejam felizes. “Carpe Diem”, repetem os neo-pagãos disfarçados de cristãos até mesmo dentro das igrejas. Como pode haver felicidade em agir de forma contrária ao seu fim, ao fim para o qual se foi criado? Não existe. Mas o mundo vive como se assim o fosse e nesta armadilha caem velhos, jovens e crianças. Todos unidos pelo bem...de “Gaia”, do “amor”, da “qualidade de vida”, contra o cigarro, pela lei seca, etcétera e bota etcétera nisso, que o politicamente correto não se cansa de inventar slogans. E depois os católicos é que são uns puritanos. Ora essa, só rindo mesmo!

Vivemos hoje a sociedade da liberdade sem controles, que como sabiamente disse Santo Agostinho, faz mais que liberais simplesmente, faz libertinos! Hoje se defende cada vez mais abertamente o assassinato de idosos e crianças, os eugenistas de plantão estão todos muito bem acordadinhos na defesa de seus ideais inferi. Os fazedores de cabeça para um mundo melhor editam livros para crianças com instruções pecaminosas, pornográficas; passam por cima dos direitos dos pais de educarem seus filhos, colocam na cadeia os que querem livrar suas crianças das maldades ensinadas nas escolas. São contra o ensino católico, mas estão afeitos a todo tipo de doutrinas mandinguentas e pseudo-científicas, são todos assim muito livre-pensadores unidos todos, vociferando contra a Igreja malvada (SIC!!!) que quer controlar os instintos. Ah os instintos que são tão naturais...então por assim o serem são bons, ora! Afinal de contas titio Rousseau não ensinou isso? Não se deve cultuar a natureza? O natural não é o bom?

Mas, ao falar de natureza humana deve se acender uma luz na cabeça do cristão: “ora, a nossa natureza é decaída, então como podemos cultuá-la? Como podemos viver de acordo com os nossos “instintos” se nossa natureza foi corrompida pelo pecado? Não podemos!”. Mas ai de quem ousa dizer com todas as letras que essa vida de culto a natureza decaída, de “relacionamentos” onde todos são de todos e ninguém é de ninguém, é vida libertina, é vida que conduz à morte! Levantam-se todos os humanistas, os amantes da natureza bradando a plenos pulmões: “reacionários!”, “caretas!”, “beatos!”, “puritanos!”, “ o que importa é a verdade de cada um”, “cada qual com sua opinião”... Todos muito unidos contra a moral católica. Todos andando de mãozinhas dadas pela estrada larga que conduz ao Geena.