terça-feira, julho 06, 2010

Males se espalhando pela internet



Achei muito interessantes as colocações de Carlos Eduardo Maculan, do blog Ultrapapista Atanasiano sobre grandes males que ele vê se espalhando pela internet, referindo-se ao mundo católico. Podemos refletir sobre suas palavras. Vejam:

"Se for preciso usar o velho bordão "sei que não sou santo e muito menos exemplo para qualquer um", pois bem usado está, mas de forma tão desgraçada (no sentido verdadeiro da palavra desgraça, ou seja, sem a graça de Deus) vejo que grandes males se espalhando pela internet. Enumero alguns:

1) Satanás - aquele mesmo que ninguém mais acredita existir - possui uma grande arma em seu benefício, que é o grande vício de inúmeros católicos passarem horas infindáveis e contínuas conectados. Em nome de "defender a fé" querem justificar o vício de não se afastarem do computador e com isso não primam por seus deveres de estado. Os fóruns se multiplicam, os blogs se multiplicam - nada contra! -, mas as orações, as mortificações, a vida regrada, cada dia se esvai. Onde isso vai terminar? Em que encruzilhada chegarão? Defender a fé sim! Todavia, de forma moderada. Missa todo domingo, para aqueles que ainda se dignam ir, não salva e jamais salvará ninguém. Rezem, crucifique-se com o Crucificado em solidão e abandono de si. Mais oração e menos "bytes" gastos; mais fervor com as obrigações de estado e menos vícios "on-line". Nenhum "defensor" da fé se salvará por tempo gasto na rede, e quer agrade ou não, não conseguirão nenhum fruto eterno, somente e se existirem, frutos efêmeros.

2) Os "istas" inventados e propagados, como se ser católico fosse "ideologia" para ter algum "ista" ou "ismo" no nome. O carismático luta contra o tradicional; o tradicional com o neo-conservador, o neo-consevador contra sedevacante, o sedevacante contra o modernista; o modernista contra o reformista; o reformista contra o carismático, e todos, todos indistintamente se rotulam da mesma forma, como "defensor da ortodoxia". Cresçam, isso é enfadonho demais! Se a ortodoxia está com todos, não há ortodoxia.

3) Qualquer pessoa que ame a Missa Tridentina é - e não adianta negar - suspeito de lefebvrismo (mais um "ismo" criado e incensado) até que se prove, à muito custo e suor, que não é. E mesmo depois de provar, viverá com uma marca no peito de constante receio e vigia: ele que ouse falar qualquer palavra "mais dura" que o alerta de "excomungado" acende imediatamente.

4) Cansei do termo "plena comunhão", dizem: este ou aquele não está em plena comunhão! Ora, qual é a extensão jurídio-canônica do termo "plena comunhão"? Ela não existe, então menos arrogância ao dizer que "fulano não está em plena comunhão", porque quem acusa não sabe se ele mesmo está em tal situação plena.

5) Há coisas positivas na rede, não a estou demonizando. Sim, estou dizendo que Satanás encontrou nela ambiente mais do que propício, por isso, menos competição, menos performance, menos furor dialético e mais mística e ascese. Um terço por dia não matará ninguém e salvará muitos, afinal, qualquer oração bem rezada logra mais frutos do que mil sites juntos num só propósito.

Antes que esse ou aquele se tome por ferido, afirmo que falo isso de forma impessoal, e por dever de justiça sei que existem pessoas - raríssimas - que passam boa parte de seu tempo na rede, mas que cumprem com seus deveres de batizado, portanto, está fechada a possibilidade de me imputarem o erro da "generalização". "