segunda-feira, dezembro 27, 2010

Algumas vezes seremos antipáticos


É algo natural do ser humano querer pertencer a um grupo, querer ser aceito, querer ser querido. Mas quando mais nós nos aprofundamos na religião, mais enxergamos a superficialidade das coisas e das pessoas (inclusive a nossa) e mais ainda percebemos a fragilidade de tudo isso que nos rodeia. Como tudo é efêmero! Como aquilo que construímos hoje se desfaz tão facilmente no dia seguinte!

Quando passamos a viver assim, entendendo que a vida passa depressa e que o tempo que temos é curto para fazer o bem que devemos fazer, então nos damos conta de que algumas vezes precisaremos ser antipáticos e anti-sociais. Nem sempre vai dar para participar de todas as conversas, de todas as festas; nem sempre vai dar para rir de todas as piadas. Sabemos que a maldade do ser humano contamina tudo e é difícil ter uma vida pura em meio a tanta podridão, a tanta devassidão, a tanto afrouxamento dos costumes. Com essa consciência é difícil mesmo ser querida, é muito mais fácil ser tachada de fanática. Mas este é o mundo no qual vivemos.

É difícil ser católica. Mas se tantos venceram, então temos que ter esperança de que iremos vencer também, temos que confiar em Deus e seguir em frente.

Este mundo não é um lugar fácil para quem quer viver em Cristo. Mas já fomos avisados de que o mundo jaz no Maligno então não temos porque nos surpreender quando somos tachados disso ou daquilo. O que temos que fazer é entregar tudo a Deus: nossas vitórias e nossas derrotas, nossas alegrias e nossas dores. Deixemos tudo nas mãos Dele.