quarta-feira, agosto 17, 2011

Pecados de Palavra nos Atos Ordinários da Vida



Um texto maravilhoso sobre o que diz Santo Tomás de Aquino a respeito dos "Pecados de Palavra nos Atos Ordinários da Vida", foi publicado no blog do SPES. leia:
O que publicamos aqui é parte do Catecismo da Suma Teológica de Santo Tomás de Aquino, do R. P. Tomaz Pègues O.P. Iremos publicando outras partes dele à medida que se façam necessárias. A obra como um todo, porém, parece padecer especialmente de dois defeitos de entendimento ou de explicação com respeito à doutrina do Aquinate:
• de entendimento, quanto às relações entre poder civil e poder eclesiástico;
• de explicação, quanto à tese da predestinação.
Ao longo do tempo, trataremos estas duas questões da maneira devida.

Lembremos sempre: Como disse o Papa Pio XII, Santo Tomás de Aquino éo mais sábio dos santos, e o mais santo dos sábios”.

*  *  *

PECADOS DE PALAVRA NOS ATOS ORDINÁRIOS DA VIDA:
INJÚRIA, DIFAMAÇÃO (MALEDICÊNCIA E CALÚNIA),
MURMURAÇÃO, IRRISÃO E MALDIÇÃO

Quais são as injustiças de palavra que na vida se cometem contra o próximo?
São as de injúria, difamação, murmuração, irrisão e maldição (LXXII-LXXVI).

Que entendeis por injúria?
Entendem-se por injúria, insulto, ultraje, e às vezes por menosprezo, censura e repreensão, as palavras que se usam para qualificar excessos ou injustiças, o fato de afrontar a alguém por palavra ou obra, agravando-o tanto na honra, como no respeito e consideração que se lhe merece (LXXII, 1).

A injúria é pecado mortal?
Quando as palavras ou fatos constituem por sua natureza ultraje grave, e existe intenção formal de ofender, sim, senhor; porém será venial, apesar do exposto, quando a honra do ofendido não fica seriamente comprometida, ou falta no agressor intenção de injuriar (LXXII, 2).

Têm todos os homens obrigação estrita de justiça de tratar os outros, quaisquer que sejam, com a devida consideração e respeito?
Sim, senhor; visto que este respeito mútuo é de grande importância para a boa harmonia nas relações sociais (LXXII, 1-3).

Em que se funda e qual é a importância desta obrigação?
Funda-se em ser a honra um dos bens que os homens têm em maior estima, e, por consequência, há obrigação de tratar com as devidas considerações até os mais humildes e pequenos, sempre em harmonia com a sua condição; afrontá-los, deprimi-los, humilhá-los com olhares, gestos e palavras é mortificá-los naquilo que mais amam (Ibid.).

Logo, estamos obrigados a evitar, em presença de outros, qualquer palavra ou fato que possa mortificá-los, humilhá-los ou entristecê-los?
Sim, senhor (Ibid.).

A ninguém é permitido afastar-se desta regra?
A ninguém, exceto os superiores com o fim exclusivo de corrigir os seus súditos, quando realmente o mereçam, ainda que, neste caso, jamais devem fazê-lo alucinados pela paixão, nem com formas e modos arrebatados ou indiscretos (LXXII, 2 ad 2).

Como devemos portar-nos com os que nos injuriam e ofendem?
A caridade e a mesma justiça podem exigir que não deixemos impunes os atentados diretos ou indiretos contra a nossa honra ou de outras pessoas que nos estão confiadas. Porém, ao reprimir a audácia do ofensor, devemos guardar a circunspecção precisa e sobretudo o modo de não devolver novo agravo ou injustiça (LXXII, 3).

Que entendeis por difamação?
No sentido estrito, consiste em atentar por meio de palavras contra a reputação e bom nome do nosso próximo, ou em fazer-lhe perder, total ou parcialmente, e sem razão nem motivo justificado, a estima e consideração dos outros (LXXIII, 1).

É a difamação um pecado muito grave?
Sim, senhor; porque arrebata ao próximo bens mais estimáveis que a riqueza, objeto do pecado do roubo (LXXIII, 2, 3).

Quantas classes há de difamação?
Quatro diretas: imputar ao próximo culpa ou delito que não cometeu; exagerar os seus defeitos; divulgar segredos que lhes sejam desfavoráveis; e atribuir-lhe intenções e propósitos torcidos, ou, ao menos, suspeitos, nas suas melhores ações (LXXIII, 1. ad 3).

Existe alguma outra maneira de difamar o próximo?
Há outra, indireta, que consiste em negar-lhe as suas boas qualidades ou silenciá-las com malícia ou diminuí-las dissimuladamente (Ibid.).

Que entendeis por murmurar, ou semear cizânia?
O pecado do que diretamente se propõe, por meio de frases ambíguas e pérfidas insinuações, introduzir a discórdia entre os que se acham unidos com laços de amizade e mútua confiança (LXXIV, 1).

É pecado muito grave?
É o mais grave, odioso e digno de reprovação perante Deus e os homens, de quantos de palavra se cometem contra o próximo (LXXXIV, 2).

Que entendeis por irrisão?
A irrisão, zombaria ou chacota injuriosa é um pecado de palavra contra a justiça, e consiste em ridicularizar o próximo em sua presença, encontrando nele defeitos e torpezas que lhe façam perder o domínio de si mesmo, nas relações com os outros (LXXV, 1).

É um pecado grave?
Sim, senhor; porque envolve desprezo da pessoa, e o desestimar e ter em pouco a outrem é ato detestável e digno de reprovação (LXXV, 2).

Confunde-se a ironia com o pecado de irrisão, e tem a mesma gravidade?
Pode a ironia ser falta venial, quando, com ela, a modo de diversão, se criticam defeitos leves, sem desdenhar nem ofender as pessoas. Pode acontecer que não seja falta quando não passa de travessura e passatempo inocente, nem haja perigo de mortificar nem contrariar a quem dela é alvo. De qualquer modo, é um sistema de diversão muito delicado e melindroso e convém usá-lo com extrema prudência (LXXV, 1 ad 1).

Pode ser a ironia, em alguma ocasião, ato de virtude?
Manejada com habilidade e delicadeza, é um meio de que pode utilizar-se o superior para admoestar e repreender os súditos, e também pode empregar-se entre iguais, a modo de caritativa correção fraterna.

Que precauções devem tomar-se nestes casos?
Antes de tudo, deve usar-se com grande tacto e discrição, porque, se bem que às vezes pode ser útil abater, até limites justos, a vã opinião que de si mesmo têm os propensos à jactância, é preciso também não destruir a segurança e confiança legítima que cada um deve ter em si mesmo, sem a qual se paralisa toda iniciativa e espontaneidade, convertendo a vítima da ironia em um ser tímido e irresoluto, degradado e envilecido aos seus próprios olhos.

Que relações têm a injúria, a difamação, a murmuração e a irrisão com o hábito vicioso de maldizer?
Têm de comum estes vícios o serem pecados de palavra contra o próximo e diferenciam-se em que os quatro primeiros consistem em proposição ou enunciados com que se imputam males ou se negam bens, e a maldição em invocar o mal para que caia sobre os nossos semelhantes.

É a maldição ou praga ato essencialmente mau?
Sim, senhor; porque é desejar o mal pelo mal; por consequência, é sempre, e por sua natureza, falta grave (LXXVI, 3).

*  *  *

É pecado a porfia ou contenção? 
É pecado quando se porfia pelo prazer de contradizer; também o é, com maioria de razão, quando se prejudica o próximo, ou os foros da verdade; também o é, finalmente, quando, ainda que se defenda a verdade, se faz em tom imoderado e com palavras mortificantes (XXXVIII, 1).