quarta-feira, dezembro 14, 2011

Movimento Carismático 'Católico'...

...Um livro que mostra por que isso não é católico

Por Marian T. Horvat
Traduzido por Andrea Patrícia




Crítica do livro Close-Ups of the Charismatic Movement [Close-Ups do Movimento Carismático] de John Vennari. (Los Angeles: TIA, 2002), 175 p.

Sete corpos humanos estão esparramados no chão. Uma senhora está de pernas para o ar, rindo histericamente. Um homem guincha como um porco. Uma mulher late como um terrier. "Goo-goo-ga-ga-dife, goo-goo-ga-ga-dife" berra um homem. "Fogo! Fogo! Unção fresca! Unção fresca!" grita um homem com o rosto vermelho no palco. Pessoas inesperadamente caem no chão, viradas para cima. Uma senhora caminha despreocupadamente sobre um corpo estendido. No fundo, uma música com um processo lento, num contínuo beat tribal: "Oom-pa, oom-pa, oom-pa..."
Onde estamos, você provavelmente estão se perguntando? Dentro da imaginação enlouquecida de um hippie em uma "viagem" de LSD? Assistindo a algum estranho espetáculo de circo? Um intruso em uma festa de pantomima onde um pouco demais de bebida foi servida?
Não, nós temos perambulado em uma sessão de uma celebração carismática, um movimento que está se tornando "popular" entre muitos católicos hoje. Que apresenta, à primeira vista, um espetáculo absolutamente absurdo no qual dificilmente se poderia imaginar que um católico racional cairia. No entanto, eles caem. Parece que o lumen rationis foi extinto nessas pessoas de certa forma inteligentes, que parecem ignorar a loucura absoluta da farsa neste show ridículo.
O que torna difícil o argumento lógico são os endossos que o movimento está recebendo de celebrados católicos e instituições. Por exemplo, Madre Angélica promove alguns dos oradores católicos do movimento carismático como o notório Babsie Bleasdell e "sacerdote rap" Pe. Stan Fortuna. Na verdade, Madre Angélica e suas irmãs professam seguir uma orientação carismática, como o faz a Steubenville University, que se apresenta como conservadora. O Presidente da Universidade Pe. Michael Scanlon já recebeu conferências de Lideranças Católicas  Carismáticas lá e defende abertamente o compromisso de Steubenville com o pentecostalismo e seu próprio "batismo no Espírito". Depois, há todos os Bispos que querem promover este movimento ou permiti-lo. Certamente é muito mais fácil na maioria das Dioceses de todo o país encontrar um evento de renovação carismática para participar do que uma Missa Tridentina.
O movimento, caprichoso em tantos círculos católicos de hoje, não é no entanto Católico. Finalmente apareceu um livro muito necessário que não só descreve o que está acontecendo, mas também explica por que é errado. Isto é o que John Vennari fez em seu livro recentemente lançado, Close-ups do Movimento Carismático.

O que está acontecendo e por que é errado

A metodologia Sr. Vennari é engenhosa e encaixa confortavelmente o problema. O que ele fez foi assistir a várias das grandes extravagâncias carismáticas pentecostais onde os oradores protestantes, agora lado a lado (literalmente) com os seus homólogos Católicos, dirigem auditórios de pessoas que eram, é triste dizer, principalmente católicas. Ele viu com seus próprios olhos, e tirou fotos, de pessoas crescidas balançando os braços, dançando e "repousando no Espírito". Os "close-ups" escritos que ele apresenta sobre os eventos revelam uma total idiotice e o absurdo absoluto da moda, e permite que o leitor veja o quanto é ridículo o espetáculo que se apresenta.
O que ele descreve são fenômenos que você deve ter ouvido falar, mas simplesmente não podia acreditar que realmente estão acontecendo com a aprovação e participação ainda ativa dos Bispos, sacerdotes e religiosos Católicos. Isto é, você vai ler sobre eventos (Eu não posso pensar em uma palavra melhor, certamente não são cerimônias!) Como:

• A Bênção de Toronto, onde "o Espírito" pega uma pessoa que acaba rolando no chão gritando de tanto rir, grunhindo como um porco, ou latindo como um cão (pg. 22-31);
• "Fogo Sagrado" sessões onde os pregadores protestantes oram por católicos, que caem no chão mortos no Espírito (pg. 47-53);
• "Orar em línguas", onde padres e pregadores lideram, como o Sr. Vennari descreve, "jargões indistinguíveis soando como o barulho medonho de um Ashram hindu" (pg. 59-67).
As descrições vívidas que ele faz junto com as fotos que acompanham (13 páginas) a estes revivals seria evidência suficiente para convencer muitos de que algo está errado com este movimento. Mas John Vennari não fica somente nisso. O que torna este livro tão valioso são os argumentos que ele dá para mostrar como e por que o movimento carismático está em confronto com o ensinamento milenar da Igreja. Por exemplo, depois de apresentar uma imagem colorida de pessoas orando em línguas, ele passa então a demonstrar o erro à luz da Sagrada Escritura e da Tradição. (pg. 62-7). Em uma palavra, ele torna evidente que o movimento "católico" carismático não é católico.
Eu estava conversando com uma senhora que costumava estar envolvida com o movimento carismático, que tinha lido recentemente o livro Close-ups. "Eu quero que você saiba", ela me disse, "que é direto ao alvo. Que é exatamente o que está acontecendo. Quanto mais eu entrava nisso, mais eu sabia que algo não estava certo. Mas ninguém estava explicando o que estava errado. Graças a Deus, este livro explica".

Na base, um erro protestante
A Igreja é distinguida por uma marca santa e sagrada. Este é o oposto do espírito do movimento carismático, que provoca erupções espontâneas de emoções e exibição. Há também uma "doutrina" errônea por trás de todo esse gritar e bater e dançar e cair no chão.
Este tipo de derramamento do "Espírito" é uma conseqüência de um erro básico protestante que nega qualquer intermediário entre a pessoa e Cristo. Neste caso, haveria um "Espírito", que é imanente e paira sobre a multidão de pessoas. Este é o "Espírito" que iria "libertar" o estímulo Pentecostal no povo. Uma vez liberado, o "Espírito" em cada pessoa seria libertado e se manifestaria - às vezes de maneiras bastante estranhas e extraordinárias (por exemplo, o "riso santo" da bênção de Toronto). O Espírito Santo desceria diretamente sobre as "comunidades" reunidas. Assim, não há necessidade da Igreja como instituição, com sua hierarquia, sacerdotes, sacramentos e cerimônias.

É, portanto, em essência, um movimento protestante, como o Sr. Vennari mostra muito claramente quando ele detalha as suas origens (pg. 10-15). Vindos de Kansas City, fiquei surpresa e um pouco envergonhada ao aprender que o movimento ganhou raízes nos Estados Unidos em uma conferência lá em 1977, com a participação de 50.000 pessoas de 10 denominações. (pessoas importantes como o Cardeal Leo Joseph Suenens participaram e palestraram no evento divisor de águas.) Foi lá, no chamado "Colapso do Espírito Santo", que o "Espírito" desceu e caiu sobre a multidão, que eclodiu em 17 "históricos" minutos de louvor e acenos exultantes.

A mensagem inter-denominacional por trás do Movimento Carismático também entra em confronto com o Magistério sobre os católicos participarem de eventos religiosos não-católicos. Os protestantes sempre gostam de dizer que eles estão voltando ao pensamento dos primeiros Pais da Igreja. Mas, como o Sr. Vennari assinala, desde seus primórdios a Igreja viu o perigo de reuniões inter-denominacionais  e condenou-as. Por dois mil anos a doutrina católica sobre o que é a Igreja de Cristo tem sido clara, e o Sr. Vennari fornece documentação suficiente para demonstrar isso. Então, por que toda essa confusão hoje?

Deixe-me citar esta breve explicação de uma das conclusões do Sr. Vennari:

"Ironicamente, praticamente a única coisa agora "evitado como víboras e escorpiões" é o consistente ensinamento da Igreja sobre o dever do católico de se opor aos hereges, bem como a condenação de 2000 anos da Igreja sobre participação em camaradagem religiosa com eles. "Comunhão religiosa" entre católicos e não católicos é a nova ordem do dia. Tudo isso pode ser rastreado, como o jovem progressista Pe. Ratzinger regozijou-se em 1966, sobre os novos ensinamentos ecumênicos do Concílio dentro de sua Constituição sobre a Igreja e seu Decreto sobre o Ecumenismo.

"Como tal, o ecumenismo do Concílio Vaticano II é uma colisão de frente com a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição. Isso de maneira blasfematória implica que é ele mais gentil do que Cristo. Ele briga com a Revelação Divina e alega fidelidade a ela. Não admira que o ecumenismo do Concílio gerou um confuso e mutante "Pentecostalismo Católico" (pg. 90-1).

O Cardeal Suenens carismático

Não posso concluir esta revisão sem uma palavra sobre a Parte III, "O Cardeal Suenens Carismático". Obviamente este falso movimento ecumênico não poderia ter se tornado tão profundamente enraizado no meio católico sem a ajuda de eclesiásticos de alto escalão. O Sr. Vennari, coloca parte da culpa sobre o Cardeal Suenens, um dos arquitetos da revolução do Vaticano II que claramente delineou que o ecumenismo era o princípio dirigindo o novo curso da Igreja.

Em um esboço de 25 páginas magistrais, John Vennari faz a melhor síntese que eu já li sobre as políticas, pensamento e objetivos de Suenens. Mesmo que eu já estivesse bem ciente da malícia desses "reformadores", ainda era chocante ver a arrogância e a ousadia de tais eclesiásticos que imaginam que eles podem reformular a doutrina e as instituições da Igreja. Virando as costas para seu rico e santo patrimônio, este príncipe da Igreja se inclinou em fazer todo o possível para implantar a revolução dentro da Igreja Católica e promover uma instituição igualitária. Foi Suenens que desempenhou um grande papel em "atualizar" a vida religiosa e destruir a vida do convento, e o Sr. Vennari não deixa de fora um resumo do papel que desempenhou a este respeito (pg. 163-66). Vale bem a pena a leitura.

Meu modesto conselho

Não se engane. Mais do que apenas uma moda, a "renovação" carismática é um movimento perigoso e herético que está instalando-se no meio católico. Primeiro, ele ataca o caráter de mediador exclusivo da Igreja entre Nosso Senhor e os homens, que ela possui por mandato divino. Em segundo lugar, este tipo de encontro ecumênico nega a natureza exclusiva dessa mediação através do incentivo de inter-comunhão com outras confissões.

Close-ups do Movimento Carismático dá uma imagem clara do que está acontecendo neste movimento estranho e por que isso é errado. Este é um livro que eu recomendo sem reservas - para que você mesmo leia, e para presentear a qualquer católico que você sabe que está flertando com esse movimento estranhamente sedutor.

Original aqui.