segunda-feira, janeiro 31, 2011

Novo blog: Modéstia Masculina

2 comentários

São Domingos Sávio: exemplo de castidade

É com alegria que apresento a vocês um novo blog sobre modéstia, e desta vez é especializado em modéstia masculina! Viva! Afinal de contas a modéstia é assunto para homens e mulheres, não é coisa de mulher somente.

O nome do blog é Modéstia Masculina, e promete trazer postagens muito interessantes para nós que buscamos a modéstia.

Visite!

sexta-feira, janeiro 28, 2011

O pó que somos

3 comentários


“Entre o pó que fomos e o pó que havemos de ser, há um pó muito mais difícil de perceber — o pó que somos.” (Pe. Antônio Vieira)


Que esta mensagem ajude a todos nós a perceber que tudo nesta vida passa, e passa rápido. Somos o quê perante Deus?

Somos pó, bem disse o famoso padre. Meditemos nisso.

quarta-feira, janeiro 26, 2011

Padres inventores

3 comentários


Descendo das alturas teológicas e filosóficas para o campo das ciências e das descobertas, os padres ocupam, de novo, o primeiro lugar.

Entre centenas, citemos os mais conhecidos:

Os padres Oton e Ardoíno inventaram o alfabeto.

O padre Rogério Bacon inventou o telescópio.

O padre Zeucchi aperfeiçoou-o, em 1652.

O padre Humberto, o grande, inventou a bússola.

O padre Flávio, de Nápoles, aperfeiçoou-a.

O padre Tiago, de Vitry, aplicou-a à navegação.

O padre Cassiodoro, em 505, inventou o relógio.

O Papa Silvestre II fez o primeiro relógio de rodas.

O padre Pacífico, de Verona, inventou o relógio de bolso.

O padre Welogord, em 1316, fez o primeiro relógio astrológico.

O padre Alexandre Spina, dominicano, no 13º século, inventou o óculos.

O padre Magnon inventou o microscópio.

O padre Embriaco descobriu o hidro-cronômetro e o sismógrafo.

O padre Bertoldo Schwartz inventou a pólvora.

Dom Galeno, bispo de Munster, descobriu as bombas.

São Boaventura a teoria da termodinâmica.

Os padres Lona e Becaria descobriram as leis da eletricidade.

O padre Secchi, jesuíta, descobriu a análise espectral.

O padre Procópio Divisch, em 1759, descobriu o pára-raios, e não Franklin, que fez apenas aplicá-lo à proteção das casas.

O santo padre Beda descobriu as leis das marés.

O padre Gilbert introduziu os algarismos arábicos.

O padre Guido d’Arezzo inventou as notas musicais.

O padre José Joaquim Lucas, brasileiro, inventou o melógrafo, ou modo de escrever as notas e sinais que correspondem à escrita musical.

O padre Alberto, saxonio, imaginou as leis da navegação aérea.

O padre Bartolomeu de Gusmão, em 1720, fez a aplicação destas leis aos aerostatos, 60 anos antes de Mongolfier.

O padre Amaro, monge, foi o desenhador da célebre carta marítima, em 1456, que inclinou Colombo às suas explorações.

O padre Gauthier, em 1753, aproveitando as experiências de Papin, Dickens, Watt, inventou o moderno funcionamento da navegação.

O padre Nollet inventou as máquinas elétricas e descobriu a eletricidade nas nuvens.

O padre Raul, vigário de Sfax, é o verdadeiro inventor do submarino moderno.

Um padre dominicano, italiano, é o inventor das máquinas de compor, ou linotipia.

Os padres jesuítas são os descobridores do gás.

O padre Duen fundou, em 1715, a primeira fábrica de gás.

Foi um padre brasileiro quem inventou a máquina de escrever.

O padre Painton inventou a bicicleta, em 1745.

O padre Barrant, monge, descobriu o freio das locomotivas.

O padre cavalieri, jesuíta, inventou a policromia.

O bispo Regiomontanos, de Ratisbona, descobriu a teoria da imobilidade do sol e do movimento da terra em redor dele (em 1470). Isto é, 10 anos antes do padre Copérnico.

O padre Copérnico, polaco, achou o duplo movimento dos planetas sobre si mesmos e em volta do sol.

Os padres Ponce e Epée, beneditinos, estabeleceram o método da educação dos surdos-mudos, etc., etc…

O padre J. B. de La Salle foi o primeiro a fundar escolas livres.

O padre Fegenece foi o primeiro a praticar a gravura nas vidraças.

O cardeal Mezzofanti foi o maior conhecedor de línguas do século passado.

O bispo Virgílio, de Salzburg, foi o descobridor da existência dos antípodas.

O padre Alberto Magno, dominicano, descobriu o zinco e o Arsênico.

O cardeal Régio Fontana inventou o sistema métrico.

O padre Lucas de Borgo é o inventor da Álgebra.


Complementando:

O Bispo Niels Stensen (1638-1686) considerado o fundador da geologia e mineralogia;
O padre Athanasius Kircher (1602-1680) erudito em inúmeros campos científicos;
O padre Giovanni Batista Riccioli (1598-1671) autor de uma enciclopédia astronõmica que marcou época;
O padre Francesco Maria Grimaldi (1618-1663) descobridor da difração da luz;
O padre Ruggero Boscovich (1711-1787) considerado o criador da física atômica fundamental;
O Monsenhor Georges Joseph Lemaître era astrônomo e foi o criador da teoria do Big Bang da origem do Universo.

________________
Fonte: Associação Cultural Santo Tomás

terça-feira, janeiro 25, 2011

Tragédia em Friburgo (RJ): ajuda aos necessitados

3 comentários

Vejam abaixo como ajudar os necessitados da tragédia na região serrana do Rio de Janeiro. O texto foi retirado do Contra Impugnantes.

***

Por Sidney Silveira

Uma das sobrinhas de D. Tomás, prior do Mosteiro da Santa Cruz, em Friburgo, envia-me o email cujo texto segue abaixo:

“Queridos,

como vocês sabem, minha cidade de Nova Friurgo foi uma das assoladas pelas últimas fortes chuvas. Minha família passa bem, meu bairro não foi afetado. Porém, temos vários amigos que tiveram suas casas completamente inundadas pela água barrenta e, conseqüentemente, perderam todos seus pertences: roupas, móveis, utensílios. Alguns amigos morreram.

Muitas famílias perderam a casa completamente, levada pela chuva ou soterrada. Estas pessoas estão em abrigos especiais que as acolheram, onde recebem comida, roupa e água. Porém, aqueles que não perderam a casa completamente não vão para os abrigos, pois ainda têm casa. Estão pouco a pouco tirando quase 1 metro de lama que ficou dentro da casa.

É para estes amigos que venho pedir a ajuda de vocês. Estão chegando bastantes doações, mas elas vão todas para os desabrigados, fazendo com que essa última categoria de pessoas fique um pouco "abandonada" à ajuda de amigos e familiares para reconstituirem sua casa. Essas pessoas não têm roupas, não têm utensílios, não têm nada. A comida conseguem comprar, mas é impossível reconstituir uma casa inteira de uma hora pra outra.

Se cada um pudesse doar pelo menos uma muda de roupa (1 blusa + 1 calça + 1 meia, por exemplo, masculina ou feminina) já seria de grande valia e ajuda. Se tiverem utensílios de cozinha, ou do dia-a-dia que não estejam mais usando, passem para quem está precisando muito. Eu fico encarregada de recolher e entregar pessoalmente a estes amigos que tiveram somente a parede de suas casas poupadas. As doações oficiais não chegam até eles.

Se puderem doar algo, respondam-me para combinarmos como recolher. Estou indo para Friburgo hoje, volto na 2a. feira de carro para buscar mais donativos.

Agradeço desde já, abraços a todos”.

Portanto, quem (sobretudo no Rio de Janeiro) puder e quiser ajudar, por favor, envie email para leticiafcosta@yahoo.com.br.

segunda-feira, janeiro 24, 2011

Oração pelo clero

1 comentários


Deixai, ó Jesus, que em Vosso Coração Eucarístico, depositemos nossas mais ardentes preces pelo nosso Clero e sede propício nos nossos pedidos.

Multiplicai as vocações sacerdotais em nossa Pátria; atraí ao Vosso altar os filhos do nosso Brasil; chamai-os com instância ao Vosso Ministério. Conservai, na perfeita fidelidade ao Vosso serviço, aqueles a quem já chamaste: afervorai-os, purificai-os, santificai-os, não permitindo que se afastem do espírito da Vossa Igreja.

Não consistais, ó Jesus, nós Vos suplicamos, que debaixo do céu brasileiro sejam por mãos indignas profanados os Vossos mistérios de amor. Também Vos pedimos com instância: deixai que a misericórdia de Vosso Coração vença a Vossa Justiça divina por aqueles que se recusaram à honra da vocação sacerdotal ou desertaram das fileiras sagradas.

Atendei, ó Jesus, a esta insistente oração, vo-lO pedimos por Vossa Mãe, Maria Santíssima, Rainha dos Sacerdotes.

Ó Maria, a Vosso Coração confiamos o nosso Clero; guiai-o, guardai-o, protegei-o, salvai-o.


(100 dias de indulgência aos que recitarem esta oração, antes ou depois da comunhão sacramental ou espiritual - Rio 27-X-1922)


Coração Eucarístico de Jesus, modelo do Coração Sacerdotal, tende piedade de nós.


(300 dias de indulgência. - Pio X)


sexta-feira, janeiro 21, 2011

Separando o trigo do joio: 20 sinais de problemas em um novo grupo religioso

3 comentários
Por Peter J. Vere, J.C.L., M.C.L.
Traduzido por Andrea Patrícia


vida

Resumo

O autor descreve uma apresentação em uma convenção de Direito Canônico pelo padre Francis Morrisey e discute razões para a proliferação de novos grupos e os sinais de alerta indicando que novos grupos podem estar violando os padrões da Igreja.

Desde o encerramento do Concílio Vaticano II, uma série de novos grupos surgiu dentro da Igreja. Considerando que muitos dos novos grupos começam com o pé direito e mantém a base sólida, outros caem no esquecimento. Isto pode ser devido à doutrina pobre ou práticas questionáveis.

Bandeiras vermelhas e sinais de alerta

Como canonista, muitas vezes me perguntam o que a Igreja procura quando faz a avaliação dos novos grupos que se formam dentro da Igreja. Enquanto o que vem a seguir não é de nenhuma maneira exaustivo, apresenta uma lista muito boa de bandeiras vermelhas e sinais de alerta que pudesse dar qualquer pausa canonista ao examinar uma nova associação.

Pe. Francis G. Morrisey, OMI é bem conhecido de todos os estudantes da lei religiosa. Como um membro ao longo da vida dos Oblatos de Maria Imaculada, Pe. Morrisey possui muita experiência de vida na comunidade religiosa. Ele também é professor de Direito Canônico na Universidade Saint Paul e ex-consultor da Congregação para os religiosos - o Dicastério da Cúria, em Roma, que supervisiona as várias formas de vida consagrada na Igreja. Isso lhe deu muita experiência em análise e avaliação de diversas ordens religiosas e novos grupos dentro da Igreja.

Vários anos atrás, o Padre. Morrisey propôs 15 critérios, ou sinais de alerta, para a avaliação de novas associações no seio da Igreja. Embora esses sinais não sejam lei, por si só - isto é, a lei no sentido da legislação - a maioria dos canonistas aceita estes critérios como um guia sólido quando examina e avalia novas associações dentro da Igreja. Para aqueles com acesso a uma boa biblioteca eclesiástica, o Pe. Morrisey apresenta e explica esses quinze critérios em seu artigo "Canonical Associations...", publicado em Informationes, vol. 26, (2000), pp 88-109.

Para aqueles sem acesso a uma biblioteca eclesiástica, ou para aqueles que procuram uma explicação mais acessível ao leigo médio, aqui estão os 15 critérios do Pe. Morrisey, juntamente com a minha explicação sobre o que eles significam:

Os 15 Sinais de advertência de Pe. Morrisey

1. Obediência "Total" ao papa

Muitos vão achar este primeiro sinal de alerta surpreendente. Como católicos, não somos todos chamados a obedecer ao Santo Padre? Na verdade, nós somos. Quando uma nova associação busca sinceramente obedecer e seguir os ensinamentos do Santo Padre, canonistas ficam na maior parte satisfeitos que o grupo está fazendo o que grupos católicos devem fazer.

No entanto, algumas novas associações abusam da sensibilidade católica a este respeito. Esses grupos citam "a total obediência ao Santo Padre", quando o que eles realmente querem dizer é obediência parcial aos ensinamentos selecionados do Santo Padre, sem abranger toda a mensagem papal. Além disso, quando desafiado por sua obediência parcial, esses grupos irão apelar para sua confiança "total" sobre o Santo Padre, em uma tentativa de contornar a autoridade do bispo diocesano. Isso nos leva ao segundo sinal de alerta do Pe. Morrisey.

2. Nenhum sentimento de pertença à igreja local

Como católicos, nós pertencemos à Igreja universal. No entanto, também pertencemos à comunidade da igreja local, o que significa uma paróquia local e uma diocese local. Até mesmo o Santo Padre não é isento neste sentido, ele é, afinal, o Bispo de Roma e, portanto, pertence à Igreja Romana local. Assim, o ministério e o apostolado de qualquer associação devem centrar-se na igreja local. Se uma nova associação ou ordem religiosa não tem sentido de pertença à igreja local, então isso se torna motivo de preocupação.

3. A falta de uma verdadeira cooperação com as autoridades diocesanas

Para pertencer à igreja local, deve cooperar com as autoridades diocesanas locais. Afinal, Cristo instituiu a Sua Igreja como uma hierarquia. Dentro desta hierarquia, nosso Senhor instituiu o cargo de bispo para supervisionar uma parte dos fiéis. Assim, o bispo local, e não um determinado grupo religioso ou associação, tem a responsabilidade final com o cuidado das almas dentro de uma determinada localização geográfica. Se uma nova associação se recusar ou impedir a cooperação entre si e as autoridades diocesanas locais, então a sua fidelidade à Igreja é questionável.

4. Fazendo uso de mentiras e falsidades para obter aprovação

Como católicos, temos de nos preocupar em falar a verdade. Afinal, nosso Senhor denuncia Satanás como o "Pai da Mentira." Portanto, qualquer nova associação deverá ser verdadeira na maneira como ela se apresenta aos seus membros, às autoridades da Igreja e do mundo exterior. Isso não é apenas uma questão de honestidade básica; qualquer grupo ou associação que recorre a inverdades para obter a aprovação é provável que esconde um problema mais profundo.

A Igreja entende que cada associação, em especial quando a associação é nova, comete erros quando se envolve no ministério ou apostolado. Quando uma associação é honesta, porém, esses problemas são facilmente identificados e corrigidos rapidamente. Isso por sua vez aumenta a probabilidade de que a nova associação tenha sucesso dentro da Igreja.

5. Bem cedo mostra uma insistência em colocar todos os bens em comum

Enquanto a Igreja tem uma história de associações e ordens religiosas em que os membros colocam todos os seus bens em comum, a decisão de fazê-lo deve vir depois de um período razoável de discernimento cuidadoso. Colocar os bens em comum não é para todos, e as conseqüências dessa decisão são vitalícias. Além disso, o potencial de abuso por parte de todos aqueles que administram os bens comuns é grande. Portanto, os canonistas desaprovam qualquer insistência por uma associação que os seus membros novos ou potenciais coloquem seus bens em comum.

Devido ao fato de que os tempos modernos vêem menos estabilidade na vida comum, com os membros algumas vezes optando por sair depois de certo número de anos, o tratamento mais prudente dos bens em comum é colocá-los em custódia até que um membro morra. Dessa forma, se o membro parte, os bens estão disponíveis para atender suas necessidades fora da comunidade.

6. Reivindicação de revelações especiais ou mensagens levando à fundação do grupo

Embora isso represente um sinal de alerta, não é absoluto. A Igreja reconhece a presença de muitas aparições e revelações privadas legítimas ao longo de sua história. No entanto, nem todas as alegadas aparições ou revelações especiais são verdadeiras. Portanto, a Igreja deve continuar a investigar qualquer alegação de revelações especiais ou mensagens - especialmente quando elas se tornam o elemento catalisador para fundar uma nova associação. Se, no entanto, uma nova associação se recusar a divulgar ou apresentar as suas alegadas revelações ou mensagens especiais para a Igreja, esta imediatamente põe em causa a autenticidade tanto da associação quanto da suposta aparição.

7. Status especial do fundador ou fundadora

É claro que o fundador ou fundadora sempre desfruta de um papel especial na fundação de uma nova associação ou comunidade. No entanto, em todos os outros aspectos ele ou ela deve ser um membro como todos os outros. Isso significa que ele ou ela é igualmente vinculado aos costumes, às disciplinas e às constituições da comunidade. Se o fundador ou a fundadora demanda refeições especiais, alojamentos especiais, dispensas especiais em relação às regras impostas aos demais membros da comunidade, ou qualquer outro tratamento especial, então este é um sinal de aviso claro. É motivo de especial preocupação, se o fundador ou fundadora reivindica isenção das exigências da moral cristã devido ao seu estatuto (ver ponto 15 abaixo).

8. Penitências especiais e severas impostas

Como ensina São Tomás de Aquino, a virtude é encontrada no meio, entre dois extremos. Portanto, qualquer penitência imposta aos membros da comunidade deve ser tanto moderada quanto razoável. Penitências especiais e graves não são sinais de força - em vez disso, são sinais de extremismo.

9. Multiplicidade de devoções, sem qualquer unidade doutrinária entre elas

O objetivo dos sacramentais e outras devoções é nos aproximar de Cristo e dos sacramentos. Portanto sacramentais não são superstições. Uma nova associação ou comunidade deve assegurar que qualquer devoção especial ou sacramental una seus membros a Cristo, aos sacramentos, e a missão da associação. Por exemplo, rezar três Ave-Marias, em frente à estátua de São José, enquanto o Santíssimo Sacramento está exposto, não oferece tal unidade. A adoração eucarística, a devoção mariana e devoção a São José são boas em si mesmas, no entanto devem ser oferecidas individualmente ou coletivamente como devoção à Sagrada Família. Elas não devem ser oferecidas simultaneamente.

10. Promoção de elementos "marginais" na vida da Igreja

Como mencionado anteriormente, cada associação ou organização dentro da Igreja deve existir para servir as necessidades dos fiéis. Portanto, os canonistas vêem qualquer associação que existe unicamente para servir a elementos marginais - sejam esses elementos aparições especiais, revelações privadas, ou agendas sociais ou políticas extremas, etc. - com desconfiança.

Isso não é negar que os eventos extraordinários podem algumas vezes ser o elemento catalisador para uma nova associação ou ordem religiosa. Por exemplo, São Francisco de Assis, fundou os franciscanos depois de receber uma locução do nosso Senhor para "Reconstruir a Minha Igreja." Entretanto, São Francisco não fundou os franciscanos com a intenção de promover a sua locução interna. Pelo contrário, a locução interna inspirou São Francisco a fundar uma ordem para servir a Igreja.

11. Votos especiais

Dentro da Igreja encontram-se os três tradicionais votos de pobreza, castidade e obediência. Votos adicionais ou especiais prometem apresentar muitos problemas. Muitas vezes, votos especiais são reduzidos a meios através dos quais superiores indevidamente controlam os membros da comunidade ou associação. O perigo é particularmente incisivo em um voto especial não pode ser verificado externamente. Pegue "alegria", por exemplo; pode-se geralmente apelar para a evidência objetiva de que alguém não está vivendo uma vida de pobreza, castidade e / ou obediência, mas como um sentimento, "alegria" é algo muito subjetivo para ser julgado de forma objetiva.

12. Sigilo absoluto imposto aos membros

Apesar de que alguma discrição e privacidade sejam necessárias dentro de qualquer comunidade eclesial ou associação, o segredo nunca deve ser absoluto, a não ser se é um confessor preservando o sigilo da confissão. Portanto, qualquer associação ou organização que impõe o segredo absoluto sobre seus membros deve ser abordada com cautela. Os membros devem ser sempre livres para abordar agentes diocesanos e a Santa Sé se alguns problemas surgem no seio da comunidade que não são tratados de forma adequada. Da mesma forma, uma vez que estas associações existem para servir a Igreja, todos os membros devem ser autorizados a conversar livremente e honestamente com os membros da hierarquia da Igreja, quando solicitado.

13. O controle sobre a escolha dos confessores e diretores espirituais

Confissão e direção espiritual concernem ao foro interno - ou seja, aquelas coisas que são particulares a consciência de uma pessoa. Dentro de limites razoáveis, uma pessoa deve ser livre para escolher o seu confessor e diretor espiritual. Por outro lado, a obediência aos seus superiores na realização de um apostolado ou ministério concerne ao foro externo. Em outras palavras, estas são ações públicas que podem ser verificadas externamente.

Os papéis do confessor e diretor espiritual não devem nunca ser confundidos com o papel do superior. Nem mesmo pode ter aparência de confusão. De particular interesse aos canonistas é quando um superior impõe-se como confessor e / ou diretor espiritual de um membro a seu cargo. Afinal, um superior vai ter que tomar decisões sobre o futuro de um membro - e ao fazê-lo, existe uma forte tentação de fazer uso das informações recolhidas no âmbito do segredo de confissão.

14. Descontentamento com o instituto anterior do qual faziam parte alguns membros

Como algumas das outras bandeiras vermelhas apresentadas, este sinal de alerta não é absoluto. Às vezes, existe uma boa razão para o descontentamento de um membro com o seu instituto anterior. No entanto, o descontentamento sério com um instituto anterior deve ser cuidadosamente examinado. Na maioria dos casos, tal descontentamento aponta para alguns problemas mais profundos com o indivíduo, especialmente se ele ou ela tem uma história de "conflito de personalidades".

15. Qualquer forma de má conduta sexual, como base

O sinal de alerta é bastante auto-explicativo. O ensinamento da Igreja é claro quando se trata de moral sexual. Se a imoralidade sexual é a base para um novo grupo ou associação, então a associação deve ser evitada. Além disso, a pessoa deve imediatamente comunicar esse fato à autoridade competente da Igreja.

Cinco Sinais de alerta adicionais do International Cultic Studies Association

Além dos quinze sinais de alerta apresentados pelo Pe. Morrisey, o Dr. Michael Langone fez uma lista de treze critérios pelos quais muitos especialistas em seitas julgam um grupo como sendo um culto. Dr. Langone é um psicólogo conselheiro e Diretor Executivo do International Cultic Studies Association (ICSA). Ele passou quase 30 anos pesquisando e escrevendo sobre os cultos, e há 20 anos foi o editor do Cultic Studies Journal. Os seguintes cinco critérios foram adaptados a partir de treze critérios do Dr. Langone e aplicados ao contexto das associações católicas. Alguns advogados canônicos acham que são úteis na avaliação da legitimidade de uma nova associação no seio da Igreja.

1. O grupo está preocupado em trazer novos membros

Claro que cada nova associação, se quiser crescer, vai procurar aumentar a sua adesão. Esse crescimento, no entanto, deve acontecer porque os potenciais membros se identificam com a missão de apostolado ou da associação. Além disso, os membros só devem se associar depois de um período razoável de discernimento. Assim, qualquer associação cujo foco principal é trazer novos membros, com exclusão de outros atos de apostolado ou ministério, deve ser cuidadosamente examinada.

2. O grupo está preocupado em ganhar dinheiro

Como o critério anterior, não há nada errado em si em angariar dinheiro para uma associação ou apostolado. Afinal, Cristo e os Apóstolos usaram dinheiro. No entanto, o dinheiro deve ser um meio de realizar o ministério legítimo e o trabalho apostólico. Levantar o dinheiro nunca deve ser um fim em si. Além disso, os meios utilizados para levantar o dinheiro devem ser honestos e transparentes.

3. Elitismo

A Igreja Católica reconhece que, em virtude de seu batismo, existe certa igualdade entre os fiéis, independentemente de pertencer aos leigos, religiosos ou ao estado clerical. Além disso, entre as ordens religiosas e as novas formas de vida consagrada, a Igreja reconhece diferentes tipos de carismas. Alguns são ativos, em que eles tendem fortemente para o ministério ativo e trabalho apostólico. Outros são contemplativos, na medida em que tendem mais para a oração e a contemplação. Claro, você encontra tudo entre os dois. Portanto, qualquer associação da Igreja que reconhece apenas vocações para a sua associação não pensa com a mente da Igreja. Nem são as associações com uma mentalidade polarizada que dividem suas vocações daquelas do resto da Igreja.

4. A liderança induz a sensação de culpa nos membros para controlá-los

Uma vocação dentro da Igreja deve ser livremente escolhida. Da mesma forma, a obediência é algo que um superior deve inspirar entre aqueles sob seu encargo. Enquanto acontece por vezes que um superior pode impor sua vontade sobre um determinado membro, a obediência nunca deve ser forçada através de meios ilícitos ou abusivos. Além disso, se um superior deve constantemente impor sua vontade sobre a maioria dos membros através de meios coercitivos, então isso se mostra problemático para a saúde a longo prazo da associação ou grupo religioso.

5. O grupo que separa completamente seus membros do mundo exterior

Concedido, é preciso ter cuidado aqui. Afinal, a Igreja tem uma longa e honrada tradição de ordens de clausura e contemplativas que se separam das atividades do dia-a-dia do mundo exterior. No entanto, mesmo essas ordens do mais estrito cumprimento promovem algumas formas de comunicação externa com amigos, família e o mundo. Portanto, é motivo de preocupação quando uma associação, especialmente se a associação é leiga*, encoraja seus membros a cortar completamente os laços com amigos, família, e o mundo exterior. Além disso, deve-se tomar cuidado com essas associações que encorajam ou exigem que os seus membros vivam e / ou apenas socializem com outros membros do mesmo grupo ou associação. É preciso também tomar cuidado se a associação ou amizades com pessoas de fora do grupo são incentivadas somente quando elas são usadas para promover os objetivos do grupo.

Concluindo Pensamentos

Cada nova associação no seio da Igreja tem o seu carisma próprio e único. No entanto, o objetivo de cada nova associação deve ser satisfazer uma necessidade particular dentro da Igreja. Uma associação torna-se perigosa se for permitido colocar seus próprios interesses, ou de seu fundador e / ou líder, antes do bem comum da Igreja - em nível local e universal.

Se mais de um par de sinais de advertências acima são encontrados ao avaliar uma associação particular, então os católicos devem ser cautelosos sobre se envolver com o grupo em questão. Tal associação é susceptível de encontrar várias dificuldades com as autoridades legítimas da Igreja e, eventualmente, até mesmo degenerar em um culto - um grupo destrutivo que causa danos psicológicos e representa um perigo espiritual para seus membros.

Original aqui.

_________________________________
Nota da tradutora:
No original “lay-based”. Não consegui decifrar o significado deste termo. Traduzi para “leiga” por que é um dos significados da palavra “lay”. Mas não estou certa. Aceito correção.

segunda-feira, janeiro 17, 2011

sexta-feira, janeiro 14, 2011

O homem está pronto a deturpar intencionalmente a verdade

0 comentários
vida
Em "Memórias do Subsolo" Dostoivesky reconheceu que "o homem está pronto a deturpar intencionalmente a verdade, a descrer de seus olhos e seus ouvidos apenas para justificar a sua lógica".

Fonte: Adversus Haereses

sexta-feira, janeiro 07, 2011

Em 2011? Perseverar!

3 comentários


E no início de 2011...temos que pensar em perseverar!

Oremos pedindo a Deus a graça de permanecermos firmes na Fé.

Peçamos a Nossa Senhora, tesoureira dos Céus, que nos conceda as seguintes graças:

  • amar a Deus sobre todas as coisas;
  • orar todos os dias;
  • ter e perseverança final.
Peçamos sempre a proteção de nosso Santo Anjo da Guarda.

E assim façamos deste novo ano um período de busca pelo crescimento na vida espiritual!

A Paz!

quarta-feira, janeiro 05, 2011

O aviso da Irmã Lúcia: os últimos tempos do mundo

0 comentários



Os últimos tempos do mundo


A Irmã Lúcia de Fátima avisou-nos que estamos nos últimos tempos. Apresentamos aqui extratos das suas declarações ao Padre Agustín Fuentes, na última vez em que pôde falar livremente, antes de funcionários do Vaticano lhe terem dado ordem para não falar sem autorização prévia.

____________________________________________



«Senhor Padre, a Santíssima Virgem não me disse que estamos nos últimos tempos do mundo, mas fez-mo compreender por três razões.»

O combate final. «A primeira razão é porque Ela disse-me que o demónio está travando uma batalha decisiva contra a Santíssima Virgem. E uma batalha decisiva é a batalha final, em que um lado será vencedor e o outro lado sofrerá uma derrota. Assim, a partir de agora devemos escolher o nosso lado. Ou somos por Deus ou somos pelo demónio. Não há outra possibilidade.»

Os últimos remédios. «A segunda razão é porque Ela disse aos meus primos, como também a mim, que Deus está a oferecer os dois últimos remédios ao mundo. São eles o Rosário e a devoção ao Imaculado Coração de Maria. São os dois últimos remédios, o que significa que não haverá outros.»

O pecado contra o Espírito Santo. «A terceira razão é porque, nos planos da Divina Providência, Deus esgota todos os outros remédios antes de castigar o mundo. Mas quando Ele vê que o mundo não presta qualquer atenção, então – como dizemos na nossa maneira imperfeita de falar – oferece-nos com ‘temor certo’ o último meio de salvação, a Sua Santíssima Mãe. E é com ‘temor certo’ porque, se desprezarmos e repelirmos este último meio, não teremos mais nenhum perdão do Céu, porque teremos cometido um pecado a que o Evangelho chama pecado contra o Espírito Santo. Este pecado consiste em rejeitar abertamente, com pleno conhecimento e consentimento do ato, a salvação que Ele nos oferece. Recordemos que Jesus Cristo é um Filho muito dedicado, e que não permite que ofendamos e desprezemos a Sua Santíssima Mãe. Ao longo de muitos séculos da história da Igreja, recolhemos o testemunho certo que demonstra, através dos castigos terríveis que caíram sobre os que atacaram a honra da Sua Santíssima Mãe, como Nosso Senhor Jesus Cristo sempre defendeu a honra da Sua Mãe.»




Oração e sacrifício, e o Santo Rosário



«A Irmã Lúcia disse-me: Os dois meios para a salvação do mundo são a oração e o sacrifício.


«Sobre o Santo Rosário, a Irmã Lúcia disse: Repare, Senhor Padre, que a Santíssima Virgem, nestes últimos tempos em que vivemos, deu uma nova eficácia à recitação do Rosário. E deu-nos esta eficácia de tal maneira que não há problema temporal ou espiritual, por mais difícil que seja, na vida pessoal de cada um de nós, das nossas famílias, das famílias do mundo ou das comunidades religiosas, ou mesmo da vida dos povos e nações, que não possa ser resolvido pelo Rosário. Não há problema, afirmo-lhe, por mais difícil que seja, que não possamos resolver rezando o Rosário.


Com o Rosário, salvar-nos-emos. Santificar-nos-emos. Consolaremos a Nosso Senhor e obteremos a salvação de muitas almas.»



Devoção ao Imaculado Coração de Maria




«Finalmente, a devoção ao Imaculado Coração de Maria, nossa Mãe Santíssima, consiste em considerá-La como fonte de misericórdia, de bondade e de perdão, e como a porta segura pela qual entraremos no Céu.»



A urgência da conversão


«A Irmã Lúcia também me disse: Senhor Padre, não devemos esperar que venha de Roma, da parte do Santo Padre, um apelo ao mundo para fazer penitência. Nem devemos esperar que o apelo à penitência venha dos nossos Bispos nas nossas dioceses, nem das congregações religiosas. Não! Nosso Senhor já usou muitas vezes esses meios e o mundo não prestou atenção. É por isso que agora é necessário que cada um de nós comece a reformar-se espiritualmente. Cada pessoa deve não só salvar a sua alma como também todas as almas Deus lhe colocou no caminho ...»


«O demónio faz tudo o que pode para nos distrair e nos levar o amor à oração; seremos salvos todos juntos ou seremos condenados todos juntos.»




A missão da Irmã Lúcia



«Senhor Padre, a minha missão não é indicar ao mundo os castigos materiais que decerto virão sobre a terra, se antes o mundo não fizer oração e penitência. Não! A minha missão é indicar a todos o perigo iminente em que estamos de perder para sempre a nossa alma, se persistirmos em continuar agarrados ao pecado.»


«Ninguém presta atenção»

«Senhor Padre, a Santíssima Virgem está muito triste por ninguém fazer caso da Sua Mensagem, nem os bons nem os maus: os bons, porque continuam no seu caminho de bondade, mas sem fazer caso desta Mensagem; os maus, porque, não vendo que o castigo de Deus já paira sobre eles por causa dos seus pecados, continuam também no seu caminho de maldade, sem fazerem caso da Mensagem. Mas creia-me, Senhor Padre, Deus vai castigar o mundo, e vai castigá-lo de uma de uma maneira tremenda. O castigo do Céu está iminente.»


Extraído daqui.