quinta-feira, fevereiro 09, 2012

A Desinformação de Hollywood Sobre a Maçonaria


Crítica do filme A Lenda do Tesouro Perdido (National Treasure)

Por Margaret C. Galitzin
Traduzido por Andrea Patrícia

  A propaganda do filme se orgulha de abrir os segredos da Maçonaria


Talvez alguns leitores tenham ficado surpresos - como eu fiquei - pelas referências abertas a "segredos" maçônicos no filme A Lenda do Tesouro Perdido (National Treasure), que eu vi recentemente. Isso simplesmente nunca costumava acontecer nos filmes de Hollywood. Durante décadas nós temos ouvido sobre cada um dos segredinhos sujos - reais e imaginários - sobre a máfia, egípcios, astecas, índios, etc., mas quase nada sobre os ritos de iniciação e fraternidade da Maçonaria. Para todos os efeitos práticos, os ritos secretos e propósitos da Maçonaria simplesmente não existem para Hollywood, embora todos saibam que eles existem.

Estaria a Maçonaria experimentando uma "aproximação" com o mundo moderno, um “sair do armário” para revelar todos os seus costumes há muito escondidos e práticas de ocultismo? Eu não conseguia entender a nova tendência em filmes de grande sucesso como A Lenda do Tesouro Perdido e Anjos e Demônios.

Recentemente me deparei com um blog chamado “Vigilant Citizen” ["Cidadão Vigilante"] que forneceu uma resposta satisfatória em uma crítica dos dois filmes acima mencionados. Infelizmente, o nosso "cidadão vigilante" não tem nome para que eu possa creditar trechos de seu artigo que vou citar a seguir, por isso vou simplesmente me referir a ele como VC a partir de agora. Como VC não cedeu ao novo rosto amigável da Maçonaria, talvez ele queira permanecer no anonimato para evitar qualquer retaliação.

Eu não concordo com sua análise inteira, por exemplo, ele sustenta a noção errônea dos Cavaleiros Templários, uma ordem grande de Cruzados, como seguidores de uma doutrina gnóstica de ocultismo. Mas eu pensei que eu compartilharia vários de seus pontos mais interessantes para lançar luz sobre a nova estrada que Hollywood está trilhando, de modo que o nosso público Católico vigilante não siga adiante ingenuamente.


Uma abertura calculada

Por que as sociedades secretas de repente se encontram no centro de intrigas nos filmes, VC pergunta, especialmente porque muitas pessoas na indústria do cinema são notoriamente parte dessas sociedades secretas? Por que essas sociedades estão se expondo ao freqüentador de cinema comum, que na maioria das vezes mal possui conhecimento da sua existência? O segredo não é um requisito importante para a sobrevivência dessas organizações clandestinas?

Esta é a sua resposta:

Acredito que uma mudança importante está ocorrendo nas estratégias de comunicação dessas sociedades da elite. O advento da era digital, onde qualquer pessoa pode criar e publicar conteúdo tornou o sigilo de tais organizações impossível. Sites, livros, documentários, DVDs e outros meios de comunicação expuseram muitos segredos da Maçonaria e de outras organizações secretas.


Nicholas Cage carrega tocha de Lúcifer na busca da iluminação


Informações que só poderiam ser encontradas em livros raros e exclusivos estão agora dispostas para pesquisa no Google. Ouvi de alguns maçons que ficaram atônitos com o nível de conhecimento possuído pelo "profano". Esses tipos de estudiosos maçônicos, que não são realmente iniciados na Irmandade, eram muito raros, até há pouco tempo atrás. Como o interruptor digital é irreversível (e completo), as ordens ocultas adaptaram suas estratégias a este novo contexto (que provavelmente viu anos atrás o que estava prestes a acontecer). A estratégia é: "Se eles têm de saber sobre nós, nós vamos lhes dizer o que saber".

Através de Hollywood e livros best-sellers, as sociedades secretas estão sendo introduzidas para o homem comum, mas com uma condição importante: ao público é dado um retrato distorcido, caricaturado e romântico das sociedades secretas. Estamos introduzindo na cultura pop uma doutrina mítica em torno das sociedades secretas, associando-as com símbolos fascinantes, caça tesouros e aventuras exóticas. Os telespectadores acreditam que estão realmente aprendendo fatos sobre a Maçonaria ou os Illuminati, e eles saem do cinema com uma sensação de fascínio, maravilhamento e admiração.

Esses sentimento, no entanto, tem base em fatos totalmente errôneos, explicações dúbias e “Contos da Carochinha”. Depois de ver esses filmes, o espectador tem uma predisposição positiva em relação a essas ordens e estarão menos inclinados a acreditar e pesquisar sobre conspirações relacionadas a elas.

A Lenda do Tesouro Perdido - uma sessão de desinformação

A Lenda do Tesouro Perdido - produzido por Walt Disney Pictures - é talvez um dos melhores esforços conhecidos para oferecer a toda a família uma “agradável e benéfica sessão de desinformação maçônica". O filme gira em torno de uma caça ao tesouro com base em pistas deixadas por maçons de destaque na Declaração da Independência. VC explica:


Ao passo que o avô conta sua história seu olho é transposto sobre a Pirâmide de Gizeh


O filme começa com o personagem principal (interpretado por Nicholas Cage) como um pequeno menino, buscando informações sobre sua história familiar. O avô do rapaz chega e dá ao garoto (e ao público) uma história totalmente falsa e distorcida dos Cavaleiros Templários e dos Maçons.

Estas são algumas das reivindicações: Os cavaleiros templários encontraram sob o Templo de Salomão um grande tesouro de [manuscritos antigos, moedas de ouro, obras de arte e artefatos] que foi perdido por mil anos. Eles trouxeram o tesouro de volta à Europa.

Deixe-me inserir aqui uma observação de que este tesouro supostamente é uma lenda provavelmente espalhada pelos maçons, nunca apoiada por todos qualquer fato histórico.

Os Templários decidiram contrabandear o tesouro para os Estados Unidos e mudaram seu nome para Maçons.

Novamente, isto não é objetivo. Os templários nunca mudaram seu nome para Maçons, e a ordem foi fechada pelo Papa Clemente V em 1311, mais de 400 anos antes de os EUA ter sido fundado.

A Maçonaria não é uma instituição totalmente americana, como o filme insinua. É uma sociedade secreta européia que data da Idade Média, que abriu lojas na América do Norte para expandir seu alcance. O objetivo da Maçonaria não é "proteger um grande tesouro templário", é uma antiga ordem de construtores que incorporou aos seus ritos, ao longo dos anos, os ensinamentos dos Templários, Rosacruzes e dos Illuminati.

Como católicos sabemos, o objetivo real dessas sociedades ocultas é estabelecer uma república universal, uma nova sociedade que viva numa paz indiferente a Deus. Por esta razão, eles odeiam e lutam contra a Una, Santa, Católica e Apostólica Igreja Romana, o grande obstáculo que estava no caminho do seu plano.

O herói do filme está em busca de iluminação e os enigmas que ele deve resolver representam as iniciações pelas quais ele deve passar antes de acessar o conhecimento superior. Este tesouro mais importante é simbolicamente sepultado sob a Trinity Church [Igreja da Trindade], na Filadélfia, em uma caverna escondida que é escura e profunda.

Ben Gates tem de acender a tocha de iluminação para encontrar seu caminho para o conhecimento oculto. A tocha representa a doutrina luciferiana da Maçonaria Americana instituída por Albert Pike. No mais alto grau, Lúcifer é ensinado a ser o "portador de luz", o deus do Bem, que mostra a caminho para iluminação.

"Tal [alto grau do Rito Escocês] religião é o maniqueísta Neo-Gnosticismo, ensinando que a divindade é dupla e que Lúcifer é o igual de Adonay, com Lúcifer, o Deus da Luz e Bondade lutando pela humanidade contra Adonay o Deus das Trevas e mal" (Domenico Margiotta 33°, Adriano Lemmi).

"Quando o maçom aprende que a chave para o guerreiro no bloco é a aplicação correta do dínamo do poder da vida, ele aprendeu o mistério de seu ofício. As energias ardentes de Lúcifer estão em suas mãos e antes que possa ir avante e para cima, ele precisa provar sua capacidade de aplicar corretamente a (esta) energia". (Manly P. Hall, Lost Keys of Freemasonry).

Voltemos à história. Ben Gates, com sua tocha Luciferiana encontra o caminho para a iluminação e obtém acesso a uma fonte infinita de conhecimento. Durante a cena onde os heróis olham em torno da sala do tesouro, eles encontram itens muito importantes: Manuscritos da Biblioteca de Alexandria, estátuas egípcias e outros artefatos da Antiguidade. Todos esses objetos referem-se ao conhecimento oculto que foi comunicado através dos tempos por meio de sociedades secretas.


Anel maçônico do inspetor do FBI


No final do filme, Ben Gates fala com o inspetor do FBI e implora para ele não mandá-lo para a cadeia. Fazendo brilhar seu anel maçônico, o representante da lei diz que "alguém tem que ir para a cadeia" pelo roubo da Declaração da Independência. A próxima cena mostra os "caras maus" (os não-maçons) sendo presos, mesmo que eles realmente não tenham roubado a Declaração. Vemos aqui um exemplo gritante do juramento maçônico substituindo a lei. O agente do FBI deliberadamente ignorou a lei para ajudar o seu irmão maçônico.

O filme teve um final Hollywoodiano - os heróis se apaixonam (eu não tenho certeza que se casam já que isso não é necessariamente parte do final feliz moderno) e ficam ricos com sua parte do Tesouro Nacional encontrado. Como VC aponta: "Não há nenhum significado esotérico para isto, é apenas um fim bobinho ao estilo Disney". De qualquer maneira o enredo não importa realmente. Foi apenas uma janela para adornar a desinformação que está sendo espalhada sobre as Sociedades Secretas.


Original aqui.