quinta-feira, fevereiro 23, 2012

É pecado ter televisão em casa?

Por Pe. Peter R. Scott
Traduzido por Andrea Patrícia





Eu não acredito que a pergunta esteja sendo feita da maneira correta, que seria: É a vontade de Deus que uma família católica tradicional tenha televisão em casa? Eu acho que simplesmente ao reformular a pergunta, a resposta torna-se muito mais evidente. No entanto, vamos responder à pergunta colocada.

É manifestamente óbvio que, em si, a televisão não é nada mais que um aparelho eletrônico, e o fato de possuir tal dispositivo não é nem moralmente bom nem moralmente mau. É indiferente. A moralidade vem do fim para o qual existe a televisão em casa, e das circunstâncias associadas que acompanham inseparavelmente a existência de tal dispositivo no lar.

É igualmente óbvio, e todos os católicos tradicionais vão admitir isso, que crianças assistirem regularmente televisão é uma ocasião de pecado, e isso não apenas por causa dos pecados de impureza óbvios, mas especialmente do materialismo, da concupiscência dos olhos, da perda da Fé e da perversão da mente pelo desfilar dos falsos ideais do subjetivismo e do liberalismo sempre diante dos olhos dos jovens. Aquele que se expõe deliberadamente a uma ocasião próxima de pecado comete um pecado, e vai ser um pecado mortal se a ocasião próxima a que se expõe é de um pecado mortal. Quão mais grave é a culpa dos pais que expõem seus filhos indefesos às perversões apresentadas como ideais pelo mundo da televisão!

No entanto, há muitos católicos tradicionais que admitem os princípios acima, mas que ainda sentem que podem manter uma televisão em sua casa. Afinal, eles são pessoas inteligentes, e são perfeitamente capazes de controlar o uso da televisão para assistir apenas programas bons e aprovados, e que lhes permite assistir a vídeos que estão inteiramente sob seu controle. Por que isto não seria lícito [?], eles mantêm.

Tal consideração abstrata do uso da televisão deixa de considerar uma circunstância essencial que modifica substancialmente a moralidade do uso da televisão. É profundamente viciante, pois estimula o nosso desejo de auto-satisfação visual e nossa preguiça inata. Qualquer pessoa que alega que pode controlar suas incursões em sua própria vida, sem falar a vida de sua família, está, infelizmente, enganando a si mesmo. Ela nega a realidade feia das feridas do pecado original, com a qual todos nós temos de conviver. Além disso, a televisão, no uso prático que o homem faz, necessariamente provoca o vício capital da preguiça. Por isso preocupa o homem com coisas materiais, transitórias, visuais, paralisa a sua capacidade de pensar e de elevar sua alma para as coisas espirituais, e impede-o de ter alegria nas coisas de Deus, na verdade divina, e nas aspirações celestes. Assim é precisamente como São Tomás de Aquino define o pecado capital da preguiça. Ao promover a preguiça, a televisão destrói a lembrança, a vida interior de oração e união com Deus. Quão rara é, na prática, a situação em que não é, pelo menos, uma imperfeição ou pecado venial para um homem católico tradicional permitir que uma televisão permaneça em sua casa!

Algumas pessoas objetam a esta conclusão radical, afirmando que elas só usam seus televisores para assistir a vídeos, e vídeos especialmente religiosos, e que não há pecado nenhum em assistir esses vídeos. Isso tudo é perfeitamente verdadeiro, e pode ser de fato que existam algumas famílias em que exista uma disciplina tão rigorosa que não há tentação de usar a TV se não for para tais vídeos edificantes, e em que tais meios audiovisuais são mantidos tão cuidadosamente sob controle que não há perigo de provocar preguiça. Em tais circunstâncias, não há manifestamente nenhum pecado de forma alguma, mas todos nós sabemos como raras e frágeis são tal situações.

Além disso, uma família que é verdadeiramente centrada em Deus, uma família que se esforça para manter uma vida interior, uma família que deseja se distanciar do mundo vai ter horror deste instrumento muito eficaz para a perversão da sociedade moderna. Ela vai perceber que a televisão é uma destruidora de toda a vida familiar, de atividades compartilhadas de todos os tipos, bem como da vida sobrenatural. Vai ver que o pouco benefício a ser ganho por um vídeo ocasional é largamente ultrapassado pelo grave perigo de colocar tal ocasião do mundanismo em seu meio, e vai rejeitá-la completamente.

É precisamente por esta razão que a televisão é proibida nas comunidades religiosas, que, além disso, tem a disciplina que poderia impedir o seu abuso. O Arcebispo Lefebvre foi um grande exemplo a este respeito. Depois que ele lutou contra a introdução da televisão nos Padres do Espírito Santo durante a década de 1960, ele teve a sabedoria de incluir esta receita muito categórica nos Estatutos da Fraternidade Sacerdotal São Pio X:

"Devem tomar cuidado para romper com os hábitos do mundo, que se tornou escravo do rádio, da televisão, das férias e do lazer caro. Assim, não haverá aparelho de televisão em nossas comunidades... Nossa televisão é o verdadeiro Tabernáculo, onde habita Aquele que nos coloca em comunicação com todas as realidades espirituais e temporais." (VI, 7)

Note-se que o Arcebispo não apenas proíbe a televisão em nossas casas, mas também dá a razão. Se tal regra é suficientemente boa para a família espiritual da Sociedade, por que não seria boa o suficiente para famílias católicas tradicionais, em que há perigo muito maior de abuso?

Nosso santo fundador tinha também a mesma sabedoria quando chegou a escrever a regra da Terceira Ordem da Sociedade de São Pio X. Não só ele lista "se abster de televisão" entre as obrigações pessoais de membros da Ordem Terceira. Ele também lista isso novamente sob as obrigações do casamento, quando ele descreveu como sua casa deve ser, e quando ele lista a televisão como um dos dois exemplos de coisas que podem prejudicar as almas das crianças. Aqui está a regra completa:

"Fazer da casa da família um santuário consagrado aos Corações de Jesus e Maria, onde as orações da noite são recitadas em família e, se possível, o Rosário. A vida litúrgica deve ser primordial aos domingos e dias de festa. Evite tudo o que poderia prejudicar as almas das crianças: televisão, revistas imundas."

Certamente, isso significa que os televisores não devem mesmo estar presentes no lar, da mesma forma que um homem católico detesta a idéia de ter revistas imundas em algum lugar escondido em sua casa.

É este aspecto da regra da Terceira Ordem da Fraternidade que mais tem desencorajado os fiéis de participar. Eles consideram que é muito difícil, muito radical, muito diferente dos caminhos do mundo. Eles consideram que seria muito mais fácil aderir a uma das outras mais velhas Ordens Terceiras, que não têm isso em sua regra, como a dos Carmelitas, Franciscanos ou Dominicanos.

[Nota do editor na edição da Angelus de Outubro de 2003: Foi trazido à nossa atenção que, ao contrário de uma resposta nesta coluna em julho de 2003, não é só a Ordem Terceira da FSSPX que tem nos seus estatutos a exigência de que seus membros abstenham-se de televisão. A Terciária Dominicana anexada ao Convento de la Haye-aux-Bonshommes em Avrillé, França, também tem a mesma regra em seus estatutos: "Na medida em que estão em autoridade, eles não têm televisão em suas casas" (Cap. IX, não. 43 sob "a obrigação de evitar passeios e diversões mundanas"). Deve ainda ser observado que as outras tradicionais Ordens Terceiras estão atualmente sob a direção de padres da Fraternidade, e não de sacerdotes de suas respectivas Ordens (i.e., Carmelitas, Franciscanos). Como estas Ordens de forma semelhante proíbem "passeios e diversões mundanas" em suas constituições de Ordem Terceira, certamente, se o respectivo regulamento tem sido atualizado para os problemas modernos (o que os Tradicionais Padres Dominicanos de Avrillé fizeram), eles também teriam proibido a televisão nas casas de seus Tertiaries ].

Eles enganam a si mesmos seriamente, pois se a exclusão da televisão não faz parte dessas regras de Ordem Terceira, não é que isso seja menos importante para estas Ordens Terceiras do que é para a Terceira Ordem da Fraternidade São Pio X, mas simplesmente porque a televisão não existia quando as regras foram escritas. Qualquer pessoa que é séria sobre sua própria vida espiritual e a de sua família, e quem deseja participar de uma Ordem Terceira, terá um grande desejo de livrar-se da televisão, e irá considerar que o pouco ganho de poder assistir vídeos não é nada em comparação com o grave perigo de ter um instrumento desse tipo de perversão no meio de sua família.

Esta eliminação da televisão das casas de membros da Ordem Terceira é de fato uma ilustração do grande valor da Terceira Ordem da Fraternidade. Não só é adaptada para os tempos reais em que estamos vivendo atualmente, mas, além disso, une os leigos aos sacerdotes nas suas Missas diárias, vida espiritual e sacrifícios, para que eles possam compartilhar a graça especial da Sociedade de lutar pelo Reinado Social de Nosso Senhor Jesus Cristo, e contribuir com seus próprios méritos para este combate. Pode haver muitas famílias generosas dispostas a livrar seus lares da televisão, impedimento grave para sua vida espiritual como é, a fim de viver a vida sobrenatural da graça mais profundamente. 

Original aqui.