quinta-feira, março 08, 2012

Harry Potter e a "Ordem das Trevas"

Por Paul Girard
Traduzido por Andrea Patrícia



Divertimento bom para as crianças cristãs!
(Os pais cristãos perderam completamente o juízo?)

Vivemos em tempos perigosos, onde mais e mais coisas não são de todo (ou simplesmente não só) o que parecem ser. Muito fica escondido, oculto e mantido em segredo em cerca de todas as esferas da vida moderna, da política à cultura, e quando sai, é geralmente sob a forma de um escândalo. "Não julgue um livro pela capa" é uma palavra para o sábio que poderia realisticamente ser reinterpretada como "sopre a capa primeiro" e as coisas vão aparecer em uma luz inteiramente diferente.

Como a ponta de um iceberg é tipicamente cerca de um décimo de seu tamanho total, assim é a parte visível de muitos produtos de nossa cultura moderna, incluindo a série Harry Potter. Mas como nenhum outro produto cultural tem recebido enorme distribuição em todo o mundo (mais de 400 milhões de cópias em 62 línguas, incluindo latim), e uma vez que toca tão profundamente a vida de toda uma geração de crianças, os adultos responsáveis devem dar uma olhada mais de perto sobre a parte que está 'imersa' deste iceberg - um pedaço considerável de cerca de nove décimos do total - contra o pano de fundo do enorme tsunami oculto que varre todo o Ocidente cristão.

No momento, o presente escritor está trabalhando em uma análise detalhada demonstrando diretamente dos livros de J.K. Rowling alguns dos aspectos mais profundos da perversidade de Harry Potter. A palavra chave aqui é "detalhado", pois como diz o ditado, "o diabo está nos detalhes". Essa análise revela o fato surpreendente que os livros de Rowling estão em multi-camadas, fortemente codificadas e interativas. Na verdade, a série é tão cheia de linguagem dupla [ambigüidades] que poderia facilmente ser chamada de longas páginas de mensagem XXXX codificada. Para ler esta mensagem em seu significado original oculto, há duas chaves mestras sem a qual é praticamente impossível penetrar no texto e resolver os seus conteúdos fundamentais.

Essas chaves são o texto codificado e as imagens incorporadas.

Embora códigos e embutidos sejam conhecidos do público, tais geralmente não vão além do domínio dos computadores e da atividade baseada na internet. A pessoa comum não está psicologicamente preparada para encontrá-los na literatura escrita ou na indústria do entretenimento, porque estes são universalmente percebidos como sendo "ficção", ou seja, não real. Embora seja um fato incontestável que os produtos culturais tenham dado um claro mergulho na lama, ainda há alguma distância entre isso e classificar como prejudicial uma obra de ficção, e muito menos propaganda.

Ah! Se o público, especialmente o público cristão, fosse menos confiante e mais bem informado sobre as formas sorrateiras com as quais os manipuladores habilidosos podem penetrar a mente moderna e mudar sua visão de mundo para estabelecer uma nova ordem moral, teria sido possível conter a propagação dessa nova mentalidade altamente paganizada que vem se sobrepondo à sociedade cristã ao longo de décadas, mudando a mentalidade e o comportamento das pessoas. A nova mentalidade que tem tão radicalmente transformado o Ocidente desde os anos 1950 e mais visivelmente assim desde os anos 60, é claramente anticristã.

Mas as pessoas foram tão gradualmente sendo acostumadas à nova mentalidade que ela nunca é realmente percebida como uma ameaça potencial. É por isso que o público sucumbiu tão facilmente a tais produções pagãs como o filme Avatar. Tendo pouco ou nenhum conhecimento sobre o assunto do filme e estando geralmente despegadas de seu porto-seguro espiritual, elas ficam apenas com o visual deslumbrante e cantam seus louvores. Muitos cristãos ainda acham o filme compatível com a sua fé, sem saber ou simplesmente descartando o fato básico de que um avatar é a (re) encarnação de um deus hindu e que uma das cenas de clímax do filme realmente mostra nada menos que uma "transferência" de alma de um corpo para outro.

Hollywood é famosa por defraudar símbolos e crenças cristãs e virá-las de cabeça para baixo em um esforço para enfraquecer e paganizar o Corpo de Cristo. Apenas dez anos atrás, porém, muitos devotos cristãos que rejeitaram tais afirmações com desprezo e fizeram acusações de teorias da conspiração, desde então passaram a olhar seriamente para os fatos. Muitos examinaram o peso da evidência disponível para todos - ainda largamente despercebida pela maioria - e chegaram à conclusão de que uma perigosa propaganda subversiva está de fato em pleno andamento no Ocidente cristão. Tal propaganda é destinada a incutir o 'profano' nas multidões 'trouxas' de Harry Potter - por exemplo, o público em geral desavisado, com uma visão de mundo muito específica que é ao mesmo tempo anti-cristã e imoral.

Mas isso é muitas vezes demasiado para ser absorvido pelo cidadão comum cumpridor da lei, que tende a rejeitar tais "teorias da conspiração", recusando-se a considerar a possibilidade de que a subversão poderia ser exercida através de livros infantis, que são considerados inocentes e puros por padrão, portanto, absolutamente incompatíveis com manipulações mal-intencionadas. No entanto, a triste realidade tem estado conosco por algum tempo: livros infantis, filmes, música e jogos há muito tempo perderam sua inocência, e tornaram-se o que poderia ser chamado de "entretenimento agente de mudança". Na verdade, as crianças são vitais para o sucesso da chegada da "Ordem das Trevas". Programar suas mentes moldáveis para conter os princípios da nova era vindoura é uma questão de alta prioridade para os promotores dessa ordem.

Em uma nota diferente, um paralelo é feito com boa razão entre J.K. Rowling e Dan Brown, porque eles raciocinam e escrevem em grande parte com o mesmo espírito e com técnicas semelhantes, que também são utilizadas por sociedades secretas: por exemplo, tanto Brown quanto Rowling são mestres na arte complexa da manipulação de símbolos. No Código Da Vinci, Brown, mesmo brincando, menciona Harry Potter como um possível herói na busca do Santo Graal! Intrigado com essa referência em negrito e tendo observado repetidamente que Brown e Rowling tinham a mesma tendência para transmitir conteúdo sério através de piadas e conversa informal (ainda outra característica dos círculos esotéricos), segui a trilha e descobri que Harry Potter apresenta de fato numerosos sinais e símbolos embutidos apontando para a busca do Santo Graal.

Isso pode ser um choque para muitos, mas a busca do Santo Graal é tudo, menos cristã, embora tenha tomado um matiz cristã durante a Idade Média. É mergulhada em Magia Celta do mesmo modo que a lenda arturiana. Os cristãos ainda acreditam de boa fé que o Graal é uma história real ou semi-real do tempo de Jesus por causa da referência ao Santo Cálice usado por Cristo na Última Ceia. No entanto, muitos aspectos e até mesmo interpretações de toda a velha lenda contradizem a doutrina cristã de muitas maneiras, nomeadamente referindo-se a algum ensinamento secreto de Cristo, ao contrário das próprias palavras do Salvador: "Falei abertamente e não fiz nada em segredo".

Na verdade, foi parcialmente a exposição detalhada de Dan Brown em sua "análise simbólica", que confirmou o que várias outras fontes tinha me ensinado ao longo dos anos. Seus livros me ajudaram a entender como as facções inescrupulosas jogam com a ignorância do público para aprofundar uma agenda anticristã e Esotérica corajosamente oferecendo às multidões inocentes versões grosseiramente distorcidas dos acontecimentos históricos e religiosos. E quando dissidentes corajosos começam a expor o engano, eles são abertamente ridicularizados ou achatados com o martelo de Thor! Então eu meticulosamente tentei decifrar a floresta de mensagens subliminares encontradas na série Harry Potter e uma infinidade de outros produtos "podres até a raiz" projetados para atrair uma geração inteira ao reino perigoso e multifacetado do Esoterismo.

Desde a aurora dos tempos, os símbolos têm sido usados para representar o Invisível, porque poderosa e instantaneamente expressam o que as palavras não podem. Em seu próprio tempo, Confúcio afirmou que o mundo não era governado por leis, mas através de sinais e símbolos. Por milênios, eles carregaram e enriqueceram as tradições mais honrosas como a tradição bíblica, bem como as trevas, incluindo o ocultismo. Pequenos, discretos e extremamente potentes, os símbolos desempenham um papel importante em rituais, tanto religiosos quanto mágicos. Por eras, serviram também como sinais de reconhecimento entre os membros de uma comunidade, bons ou maus, e também foram usados como uma ferramenta subversiva. Mas nunca antes os sinais e símbolos tinham sido objeto de uso massivo, para formar crenças e valores corruptos nos corações dos homens.

Nossos tempos tristes dominados por mentirosos e manipuladores convincentes moldaram uma paisagem moderna, onde "enganar é uma tradição", como no Torneio Tribruxo de Harry Potter. Embora visualmente familiar com uma floresta de símbolos, as multidões raramente sabem o que significam ou representam esses símbolos e, conseqüentemente, não pode reconhecê-los pelo que são. Este fato é orgulhosamente afirmado por um Cavaleiro Templário* e Mestre de grau 32 em seu livro Freemasons for Dummies [Maçonaria para Iniciantes], feito para o público em geral:

"Se você está lendo livros, navegando na Internet, ou entrando em uma loja, você vai descobrir rapidamente que o simbolismo maçônico está, literalmente, em todos os lugares. Você vai ver ferramentas, relógios de areia, olhos, crânios, colunas, escadas, copas, espadas, letras e números. E cada um desses símbolos tem uma explicação ou uso em cerimônias maçônicas" (p. 132).

Símbolos mágicos também são amplamente exibidos em praça pública, como o famoso bruxo Oberon Zell-Ravenhart "um dos pioneiros do Paganismo nos Estados Unidos", afirma no livro que acompanha o seu Grimoire para o Aprendiz de Feiticeiro (2006):

“Hoje, você pode encontrar estes símbolos à vista, onde ninguém parece reconhecê-los. Pentágonos, por exemplo, são encontrados em quase todos os lugares como mera decoração, e poucos os reconhecem como poderosos símbolos de proteção e magia.”

Ravenhart também destaca o fato importante de que "o feiticeiro sabe a importância das histórias e mitos, e aproveita o poder de contar a história de uma forma que molde o futuro".

Os pais devem notar também que este famoso "pioneiro do paganismo" que se sente chamado a moldar o futuro é, de fato, o Professor Dumbledore da vida real que é diretor de uma escola on-line do tipo de Hogwarts criada em 2005, a Escola Cinza de Magia, e escreveu o Grimoire for the Apprentice Wizard [Grimoire para o Aprendiz de Feiticeiro] para seus alunos. Muito parecida com a série de sete livros de Harry Potter, essa ferramenta de ensino elaborada é "um curso de 7 anos de estudo de magia do nível primário até o secundário". Como um entusiasta descreve, o Grimoire de Zell-Ravenhart é "uma cartilha que irá apelar para os jovens de hoje adeptos do vídeo game". Não é de admirar que esta cartilha real projetada para os alunos reais em uma verdadeira (embora virtual) escola real de bruxaria e magia faça referências abundantes aos livros de J.K.Rowling.

Nas primeiras páginas do seu Grimoire, Ravenhart diz abertamente sua intenção de equipar a multidão de leitores de J.K. Rowling:

“Como eu tive muito trabalho para criar um livro que fosse acessível aos adolescentes (principalmente os fãs de Harry Potter), eu também queria ter certeza de que os (web)sites aos quais eu estaria me referindo seriam amigáveis aos adolescentes também. Mas no momento da escrita, como eu logo descobri, não parecia haver qualquer site on-line ou grupos de bate-papo dedicados seriamente à Feitiçaria ou Magia e que fossem adequados para os adolescentes.”

A primeira palavra que vem à mente ao ler isso é recrutamento.

A corrupção subliminar de símbolos na série Harry Potter fica sob a superfície, na parte invisível do iceberg, mostrando e glorificando o mundo esotérico da Alquimia, Bruxaria e da Maçonaria, enquanto sutilmente ridiculariza todas as coisas cristãs. Harry Potter é um bruxo, ou seja, um homem do mal cujo destino final, conforme declarou claramente a Palavra de Deus, é o inferno. Porém, através de manipulações e de uma intrincada trama de corrupção inteligente de símbolos, ele é feito nada menos do que um tipo de Cristo, o Cordeiro sem mancha. Os manipuladores ardilosos que atingiram tal emprego de força literário contaram fortemente com a ignorância geral do público sobre o tema da bruxaria e ainda mais com a ignorância bruta de sua própria religião.

Com praticamente nenhuma referência do sistema, o público de hoje é muito fácil de guiar em qualquer direção que uma mão forte deseje conduzir. Um escritor que carrega a agenda dos manipuladores pode seguramente contar com a linguagem silenciosa dos símbolos para transmitir mensagens ultrajantes, porque eles oferecem um nível de discrição quase perfeito e sugerem coisas que causariam escândalo imediato se declaradas abertamente. Por exemplo, muitos fãs cristãos de J.K. Rowling iriam certamente desenvolver uma erupção moral instantânea se soubessem que Harry Potter perdeu a virgindade quase debaixo de seus narizes! Quando símbolos fálicos continuam surgindo em uma configuração romântica aparentemente "inocente", isso só pode significar o que ela significa.

Trabalhando logo abaixo da superfície, os símbolos se baseiam fortemente no poder de sugestão e conteúdo implícito. No contexto oculto de Harry Potter, eles contam uma história completamente diferente, uma história tão mais obscura e suja do que a que é lida pela mente consciente, que é simplesmente terrível. A mensagem subliminar que ela carrega é, de fato, a mensagem central do livro, a autora infantil nunca pensaria em se manifestar em voz alta por medo de perder leitores provocando indignação entre os milhões de fãs. Para aqueles que trabalham duro nos bastidores para incutir na geração jovem a sua visão de mundo pagã, perder leitores não importa tanto por causa da perda de dinheiro, mas sim por causa da perda das mentes dos jovens que serão expostos a sua distorcida doutrina anti-cristã. Aí reside a perda real.

Em termos práticos, professores de muitas escolas públicas, tanto a favor quanto contra Potter, vão testemunhar o fato de que a série Harry Potter é uma ferramenta de ensino elaborado. Essa ferramenta de ensino é hoje amplamente usada em escolas públicas e católicas, bem como em escolas de Magia que estão surgindo em todo o Ocidente cristão, na sequência de Harry Potter. Estas escolas "especiais" com o mesmo currículo de Hogwarts creditam abertamente sua atividade explosiva às aventuras do adorável bruxo de olhos verdes. J.K. Rowling certamente produziu uma ferramenta de ensino de primeira classe habilmente embalada como ficção divertida. Claro, do público em geral não se pode esperar que veja através de tal enganação cuidadosamente projetada, ele não tem as ferramentas adequadas para isso e, o mais importante, não tem qualquer suspeita de que os livros infantis podem ser vasos de corrupção.

No entanto, o velho ardil foi enganar o público por décadas a fio, não só nos livros, mas em outros produtos culturais. Embora tenha sido usado localmente desde a Antiguidade, talvez até antes, hoje este ardil está sendo implementado em escala global. No entanto, é essencial diferenciar entre a manipulação maciça como a de produtos culturais, especialmente aqueles destinados a crianças e adolescentes, e a "fabricação orgânica" de obras que foram criadas para parecerem aceitáveis ao regime no poder, seja político ou religioso. Tradicionalmente, a ocultação de ideologias suspeitas sob um governo hostil decorre de uma abordagem protetora  passiva com o objetivo de tornar mais aceitável uma mensagem impopular de modo a deixá-la inofensiva, enquanto a tendência atual é uma reversão agressiva sem precedentes do paradigma cristão por meio de poderosas subversões subliminares.

De acordo com o escritor francês Nicolas Bonnal, Johnatan Swift, que era um humorista famoso, construiu o seu “As Viagens de Gulliver”, de modo a permitir mais de uma leitura da mesma narrativa (alegoria, sátira, iniciação esotérica). Da mesma forma, Diane Andrews Henningfeld lê três alegorias diferentes em “O Senhor das Moscas”, de William Golding, uma política, uma freudiana e uma cristã. No entanto, tal "cristianismo" pode desencadear dúvidas legítimas vindo de um autor cujos principais temas incluem a rebelião, bruxas e magia e cujo título "O Senhor das Moscas" é outro nome para Belzebu (Bel = Baal = senhor + zebube = moscas), cuja sangrenta estátua é toda coberta de moscas. Mais dúvidas são garantidas pelo fato de que “Charlie e a Fábrica de Chocolate”, de Dahl, é uma cadeia altamente simbólica de testes de iniciação.

Múltiplas leituras do mesmo texto também podem ser encontradas em "O Mágico de Oz", que é uma alegoria alquímica sob a superfície, e cujo autor, Frank Baum, também escreveu uma peça intitulada "The Uplift of Lucifer or Raising Hell" [“A Elevação de Lúcifer e o Erguimento do Inferno”] e era um teosofista confirmado. A Teosofia foi criada no século XIX pela ocultista russa e maçom Helena Blavatsky, que era ferozmente anticristã. Os pais vão ficar interessados em saber que as idéias profundamente ocultistas de Madame Blavatsky permeiam o tecido ideológico de dos livros de J.K. Rowling, onde ela é até mesmo mencionada sob o tenuemente velado anagrama de Cassandra Vablatsky...

Nossa Senhora de La Salette disse claramente: "Todos os governos civis terão um mesmo plano, que será abolir e acabar com todos os princípios religiosos, para abrir caminho para o materialismo, ateísmo, espiritismo e vícios de todos os tipos". O duplo movimento ao qual Nossa Senhora está se referindo é o modelo para todas as revoluções: primeiro, destruir a mentalidade cristã, principalmente usando todas as ferramentas disponíveis, a mais eficiente que é a zombaria; e então reconstruir em terra firme pagã. Esse duplo movimento, que na verdade é um movimento simultâneo, é expresso em um lema alquímico muito popular entre os neopagãos e maçons: "Solve et Coagula",  latim para "dissolver e coagular", destruir e reconstruir.

Os agentes da mudança que arquitetaram a revolução imoral dos anos 1960 e moldaram os princípios básicos da Cultura da Morte geralmente atribuem uma das duas partes deste programa revolucionário a cada uma das mega-produções que patrocinam. As muitas produções que abertamente ou sutilmente golpeiam e vilipendiam o Cristianismo e a Igreja em geral, servem a parte "Solve" (Destruir), enquanto outras, como numerosas publicações da Nova Era, servem a parte "Coagula", ou seja, a construção de uma nova visão de mundo em sua própria base ensinando a doutrina Esotérica publicamente.

No entanto, as produções mais perigosamente 'carregadas' são os best-sellers que geralmente se transformam em grandes sucessos de vendas e geram uma indústria de jogos inteiros, como Harry Potter e O Código Da Vinci, que servem a ambos os fins, ou seja, o programa completo indivisível do "Solve e Coagula": põem abaixo a estrutura de espírito cristão através da falsificação de seus valores, símbolos e instituições (Solve), enquanto mostram o básico do gnosticismo em um ambiente divertido (Coagula).

É assim que os manipuladores modernos estão corajosamente preparando as mentes dos jovens para a "Obscura (Nova) Ordem (Mundial)", que parece evocar muito mais sinais de iniqüidade com o espírito e o número da Besta do que as marcas do Cordeiro, que é manso e humilde de coração. A queda do Império Disney, que desde a década de 1990 produziu filmes altamente questionáveis cheios de mensagens subliminares, que exaltam abertamente a Maçonaria (National Treasure 2004 & 2007), e abriga uma vila Harry Potter em grande escala  em Orlando, provam amplamente este ponto.

* * *
Um Exemplo de Análise Simbólica

Como a "Festa do Aniversário da Morte" no Livro 2 é, na verdade, uma paródia da Santa Eucaristia


Na noite de Halloween, Nick Quase-sem-cabeça, o fantasma amigável, convida Harry para sua Festa do Aniversário da Morte em um calabouço. O lugar inteiro está vestido de preto como na preparação para uma missa negra (cortinas pretas, mil velas pretas, etc.) Na verdade, é uma paródia da Santa Missa, especialmente a mesa:

Do outro lado do calabouço há uma longa mesa também coberta de veludo preto. O cheiro era muito nojento. Grandes peixes podres foram colocados em belas bandejas de prata, bolos, queimados como carvão preto, estavam amontoados em bandejas; havia um grande prato de miudos de carneiro bichados, uma laje de queijo coberto de mofo verde peludo e, em lugar de destaque, um bolo enorme de cinza na forma de uma lápide, com uma inscrição em gelo que forma as palavras Sir Nicholas de Mimsy-Porpington morreu em 31 de outubro de 1492. Harry observou, espantado, como um fantasma corpulento se aproximou da mesa, se agachou e passou através dele, a boca larga aberta de modo que passou inteiro um dos salmões fedorentos.

- 'Você pode provar isso, se atravessá-lo'? Harry perguntou a ele.
- "Quase", disse o fantasma triste.

Este quadro é um altar com uma toalha de veludo preto, como em uma missa Requiem. Aqui o peixe, um símbolo de Cristo (IKTUS), não está apenas morto, mas podre, exatamente como os inimigos de Deus desejam que Ele seja (na verdade, há um grupo grego de Rock Heavy Metal que se chama 'Rotten Christ'!). O peixe representado com pão tradicionalmente se refere à Eucaristia. O "pão" aqui é o "bolo queimado como carvão negro", como os Mestres de Cerimônia usam em uma missa negra. A noite de Halloween é aquela na qual se acredita que o véu entre os mundos dos vivos e dos mortos está mais fino, mas esta mesa mostra o Cristo Vivo como um peixe morto e podre com hóstias queimadas (o que significa que a Eucaristia é o alimento morto para o cérebro de pessoas mortas), enquanto exalta fantasmas, que se acredita estarem mortos, mas que estão, alegadamente, muito vivos. O peixe (ou seja, Aquele que ele simboliza) está deitado, irremediavelmente horizontal enquanto lápide do bruxo está ereta, gloriosamente vertical "em lugar de honra", como uma promessa de imortalidade.

No lado esotérico, o peixe quase sempre significa salmão na tradição celta. Acredita-se que comer salmão dá clarividência e onisciência. Além disso, o simbolismo do salmão é o mesmo que o do javali, que é comparado ao Druida porque ele vive sozinho na floresta e é "o animal sagrado da ciência", isto é, o conhecimento divino, Gnosis. A tristeza do fantasma que tenta comer o salmão não é apenas a do fantasma que não pode comer mais nada, mas também o profundo pesar da alma que é também privada da ciência gnóstica sagrada.


Original aqui.
    

 _______________________________________________________
Notas da tradutora:

*Há grupos de maçons e ocultistas que se intitulam Templários, mas estes nada tem a ver com a Ordem Católica dos Templários, que foi extinta. Eles afirmam que são parte da mesma ordem dos Cavaleiros Templários Católicos, mas nada disso é verdade. Esse tipo de informação é na verdade parte de uma estratégia de desinformação.

Artigo que traduzi sobre Maçonaria e Holywood:

Outros artigos que traduzi sobre Harry Potter: