terça-feira, outubro 02, 2012

Católico e vegetariano?




Nesse mundo de hoje em que as pessoas estão confusas, onde está tudo misturado nas mentes, vemos posturas erradas vinda mesmo de gente que aparenta ter algum conhecimento.

Uma postura dessas é a do católico vegetariano em geral. Digo em geral porque um católico pode ter uma dieta vegetariana, mas por mortificação, para levar uma vida ascética, por causa da Ordem a qual pertence, ou talvez, em algum caso mais raro, por motivo de saúde (pode ser que existam pessoas que fiquem prejudicadas com o consumo de carnes de origem animal, pode ser que as carnes de determinada região sejam de má qualidade, etc.).

Mas o problema aparece quando o católico torna-se vegetariano porque tem pena dos animais, porque acha que de alguma forma deve-se “evoluir” para o vegetarianismo, enfim, quando isso é parte de um sistema ideológico, e pelo que tenho visto é assim que acontece com todas as pessoas que se tornam vegetarianas nos dias de hoje (já citei as
exceções acima).

Há nessa atitude um cheiro forte de gnosticismo. É como se houvesse algo mau na carne, algo que não permite que a pessoa “se espiritualize”. Vemos nessa atitude uma dicotomia “espírito X matéria”, mas não como algo do tipo “a matéria é boa, mas devo evitar algumas coisas boas para me mortificar, para fortificar a alma espiritual”. A atitude que tenho percebido nesses “católicos vegetarianos” é a mesma existente em outros vegetarianos não católicos: “tenho pena dos bichinhos, portanto não me alimento deles”. Será que eles desconhecem a Tradição Católica? Será que desconhecem a Bíblia Sagrada, onde aparece o próprio Deus mandando que Pedro coma as carnes que Ele criou? E Nosso Senhor provendo de peixes os pescadores e o povo faminto? O que dizer disso?

Alguns chegam mesmo a dizer que o Cristianismo deve “evoluir”, pois essas prescrições de carne eram para aquela época, não para hoje! Gente, essa é a mesma conversa que eu ouvia no meu tempo de esotérica! A mesma conversa evolucionista, progressista! Isso não é católico!

Deus criou o homem para governar a terra, criou os animais para uso dos seres humanos, mas nunca para o abuso, claro. Hoje os ecologistas confundem o uso com o abuso e ditam regras que são logo seguidas por muitos católicos, sem que esses desconfiem que esses grupos ecologistas não tem nada de bonzinhos, e tentam substituir a religião verdadeira pelo culto a “mãe Natureza”, Gaia, ou o que seja. Terminam por instilar o veneno da blasfêmia nas pessoas que chegam a julgar que Deus é mau (misericórdia, Senhor!) por permitir e até mesmo mandar que se coma carne animal. Sim, já ouvi coisas desse tipo no meio vegetariano do qual fiz parte por mais de dez anos.

Deus é o mesmo ontem, hoje e sempre! Ele mandou comer carne ontem, os santos comiam carne, não há problema em fazer isso, a não ser nos dias de jejum e abstinência prescritos pela Igreja.

Se comer carne fosse algo ruim, a Igreja teria ensinado sobre isso. E como não ensinaria, se Ela manda que nos abstenhamos de carne algumas vezes? Manda que façamos isso algumas vezes somente porque comer carne é algo bom. E temos que deixar de lado algumas coisas boas de vez em quando para nos mortificar, para nos penitenciar, para nos desapegar das coisas do mundo e nos voltar para Deus. Portanto, deixar de comer carne totalmente (excetuando caso de saúde) só poderia acontecer por algum desses motivos, e mesmo assim deveria ser somente com autorização de um bom diretor espiritual.

Católicos, voltem-se para a Tradição Católica, para o ensino da Igreja, e não para novidades que não estão em consonância com o Cristianismo!

______________________

Nota:

-São várias as seitas que pregam o fim do consumo de carne, que prescrevem dietas vegetarianas para seus adeptos. Há aquelas com sabor mais oriental, mas há também aquelas que se dizem cristãs como a Adventista, por exemplo. Que o fim do consumo de carnes e de alimentos de origem animal seja pregado por seitas e grupos ecologistas (os mesmos que pregam proteção a tartarugas e aborto de humanos!) deveria servir como sinal de alerta para o católico.