terça-feira, novembro 06, 2012

Com acordo ou ainda sem acordo: as pessoas devem usar a razão





É interessante como ouvimos coisas estranhas nos dias de hoje. Ouço por aí que D. Fellay não vai fazer acordo, que a Fraternidade está reunida novamente (???), que não há verdade nessa história de acordo com a Roma modernista, etc. É mesmo? Então por que D. Fellay pede mais tempo para pensar a questão? Como perguntou Andrea Tornielli: “Se Monsenhor Fellay vai dizer não ao acordo, por que pediu mais tempo?
E por que a Comissão Ecclesia Dei comunicou que tudo continua caminhando para um acordo?

Toda essa demora em chegar a um acordo final – sim, porque quem pensa que a expulsão de D. Williamson foi por causa de “desobediências” e não por causa do acordo, está vivendo num mundo de ilusões – não é à toa. Nesse meio tempo os tradicionalistas vão sendo cozidos do jeito do sapo: colocado na panela com água ainda fria e sem que perceba, ao esquentar da água, vai sendo cozido!

Então, por ainda não haver nenhuma assinatura oficial, alguns dizem que toda essa história sobre o acordo não passa de “teorias conspiratórias”. Sim, eles usam esse termo criado pelos orquestradores da Nova Ordem Mundial para desacreditar todos aqueles que descobrem algo sobre seus planos. Eles criam o termo, jogam na mídia e as pessoas, já acostumadas a não pensar, repetem como ovelhinhas treinadas.

Deus nos deu a razão por um motivo: pensar! Não abdiquem de pensar, não se entreguem a emocionalismos, a “certezas vindas do coração”, não se apeguem a família e amigos, pois nesse mundo tudo passa. O que fica é a Verdade, é Deus. E é a Ele que devemos prestar contas não só do que sabemos, mas também daquilo que não quisemos saber. Não fuja da verdade, encare, busque, questione, pare, pense, reflita!

Não confie cegamente em ninguém!!! Observe, reze, reze e reze. E pense!

E que a Virgem Santíssima, que avisou-nos sobre essa apostasia em La Salette, rogue por todos nós!