terça-feira, dezembro 04, 2012

O castigo de Saul

Ele morre por ser desobediente e consultar necromantes



Uma das objeções dos espíritas ao argumento que não devemos chamar os mortos é o de que na própria Bíblia Sagrada isso acontece, quando Saul consulta a pitonisa de Endor.
O que eles se esquecem de dizer, ou não leram a história até o fim, é sobre o fim de Saul, que é castigado por desobedecer a Deus. Logo depois que ele consulta essa “médium”, ele morre em desgraça. Vejam lá em I Cr 10,13-14 (grifos meus):

“Saul morreu por causa da infidelidade, pela qual se tornara culpado contra o Senhor, não observando a palavra do Senhor e por ter consultado necromantes. Não consultou o Senhor e o Senhor o fez morrer, transferindo assim a realeza para Davi, filho de Isaí”.


 

Está claro que Saul foi castigado por Deus por ter desobedecido a Ele e consultado a pitonisa, a médium da época. É isso o que a Igreja ensina. Somente Ela tem o depósito da Fé, guardado desde o tempo dos apóstolos por ordem do próprio Senhor. Lembre-se que Ele disse aos apóstolos "quem vos ouve a mim ouve". Portanto não valem as interpretações de espíritas sobre o caso de Saul ou sobre nada no cristianismo, pois eles não são sucessores dos apóstolos.
Saul não é exemplo de fiel, não é exemplo de conduta para o cristão. Muito pelo contrário, pois com suas contínuas desobediências ele mostra que aquele que não ouve o Senhor tem um triste fim.
Não importa se há versões diferentes para o modo como Saul morreu, o que importa é o sentido, a lição, da história. Ora, uma coisa é dita em todas as versões: Saul morreu e de morte desgraçada. Se ele se matou ou se foi morto a pedido dele, não importa. Isso só demonstra que os homens quando veem um episódio podem contá-lo de formas diferentes. Mas porque Deus deixou que essas narrações fizessem parte da Bíblia, porque elas são consideradas Sua Palavra? Porque o que vale aqui é a lição: Saul morre porque desobedece a Deus. É interessante como acontece esse tipo de coisa na Bíblia, há narrações com detalhes, versões, diferentes, mas no fim dizem a mesma coisa. É isso que os que odeiam a Escritura não conseguem enxergar.

E as ditas versões podem apenas ser partes de uma narrativa cronológica (isso aqui já é um palpite): Saul comete (ou tenta cometer) suicídio com a espada, mas não chega a morrer logo, e o amalecita vendo seu estado termina de matá-lo. Os filisteus pegam o seu corpo e o suspendem na corda, “enforcando-o” (ou seja, quem viu a cena pensa que os filisteus o mataram). Seja como for, o importante é que Saul morreu e de morte horrível e desonrosa.
É um problema sério o dos espíritas que terminam fazendo o mesmo que os protestantes ao tentarem interpretar a Escritura segundo suas próprias ideias, sem que estas estejam de acordo com a Tradição. Por não seguirem a Igreja, perdem-se em divagações vazias, que só demonstram seu imenso orgulho.Consultar os ditos mortos, evocá-los, esperar que eles apareçam como os espíritas fazem através de suas sessões, reuniões, nada mais é do que desobedecer a vontade de Deus. Não adianta querer usar a Bíblia para justificar seu procedimento, pois a própria Escritura mostra o que acontece com quem age da forma que Saul agiu, da forma que os espíritas agem.
Não querem crer na Igreja, na palavra de Deus? Não creiam, mas também não inventem coisas sobre ela, não distorçam Sua Palavra.
Busquem a Verdade.




*