terça-feira, fevereiro 19, 2013

A cultura de morte cega as pessoas


Pobres almas! Já não tem nenhuma fé no Criador, já não esperam por Sua Providência. Elas creem que podem fazer o que querem, creem que Deus não provê, que elas é que tem que “se cuidar” para sobreviver neste mundo. Claro que cada um deve cuidar de si, mas sem esquecer que Deus provê.
Uma vez conversando com duas mulheres, elas me perguntaram se eu quero ter mais filhos (por enquanto eu só tenho um). Eu disse que sim, que eu gostaria de ter um monte de filhos. Elas ficaram assustadas, coitadas, perguntando “como assim um monte de filhos?” “tem que ter dinheiro, né?”. E eu respondi “Deus provê”. Então elas disseram “ah, tá bom, vai nessa, vai acreditando nisso para você ver o que acontece”. O interessante – e triste – é notar as caras de consternação das pessoas. Uma delas me olhava como se o que eu disse fosse uma brincadeira, depois viu que era sério e passou o olhar para mim como se eu fosse algum tipo de maluca.
É a cultura da morte. As pessoas acham que responsáveis são as que fazem esterilização e tomam pílula, enquanto que as que fazem aquilo que Deus planejou - ou seja, ter filhos – são irresponsáveis, loucas, fanáticas religiosas. Pobres almas! A mentira satânica (redundante? Toda mentira vem de Satanás. Mas só para reforçar, deixemos assim.) de que o mundo está abarrotado de gente, de que não há mais lugar para tantos, de que é preciso “ser responsável e não ter tantos filhos”, essa mentira pegou as pessoas de tal maneira que elas ficaram cegas para o dom da vida. Elas se enternecem com bebês, mas ao mesmo tempo defendem que outros bebês não venham ao mundo. Que mundo louco é esse?
Pobres almas! Elas se esqueceram de Deus, não tem mais sacerdotes para guiá-las, pois estes em sua maioria já não creem no Reinado de Nosso Senhor Jesus Cristo, e que, portanto, TUDO deve estar sob as ordens Dele; são vários os padres que fecham os olhos para suas paroquianas que usam anticoncepcionais, e outros tantos que dizem que sim, elas podem usar a pílula! Ah, e ainda há os que dizem que não há crise alguma, que não existe o tal estado de necessidade, que não é bem assim, e por aí vai. Os próprios padres ensinam a pecar, o que poderia ser pior do que isso? Não há estado de necessidade? O que mais falta acontecer para que os católicos acordem?
Pobres almas! Elas escarnecem das Leis do Criador, elas pisam no sangue dos mártires com seu louco ecumenismo, afrouxam a resistência ao andar junto com os lobos, perdem-se no seu democratismo, no seu evolucionismo, no seu progressismo, no seu cientificismo. Já não são de fato católicas! Já não tem a Fé. E pior, muitas nem mesmo querem buscar ter a Fé. Elas não dão importância a Deus, por mínima que seja, preferindo criar um deus para elas, um deus “bonzinho” que perdoa tudo. Tal deus não existe e quando elas acordarem para a realidade poderá ser tarde demais.
Pobres almas!