quinta-feira, agosto 01, 2013

Missa Tradicional e obediência


Jorge,

Se eles obedecem à ordem atual e cessam o oferecimento da Santa Missa Tradicional, então se tornarão desobedientes ao Concílio de Trento que promulgou o Missal de São Pio V e ordenou que todo sacerdote rezasse missa diariamente. E também desprezarão o indulto permanente da Bula Quo Primum Tempore, que é uma lei geral para todo sacerdote de rito latino, e que diz de forma claríssima e inequívoca:

“9 – Da mesma forma DECRETAMOS e declaramos que os Prelados, Administradores, Cônegos, Capelães E TODOS OS OUTROS PADRES SECULARES, designados com qualquer denominação, OU REGULARES, DE QUALQUER ORDEM, não sejam obrigados a celebrar a Missa de outro modo que o por Nós ordenado; nem sejam coagidos e forçados, por quem quer que seja, a modificar o presente Missal, e a presente Bula NÃO PODERÁ JAMAIS, EM TEMPO ALGUM, ser revogada nem modificada, mas permanecerá sempre firme e válida, em toda a sua força.

E não acaba aqui: mais adiante o papa São Pio V OBRIGA o uso do missal tridentino:

11 -Queremos e, pela mesma autoridade, decretamos que, depois da publicação de Nossa presente Constituição e deste Missal, TODOS OS PADRES SEJAM OBRIGADOS A CANTAR OU CELEBRAR A MISSA DE ACORDO COM ELE: os que estão na Cúria Romana, após um mês; os que habitam aquém dos Alpes, dentro de três meses; e os que habitam além das montanhas, após seis meses ou assim que encontrem este Missal à venda”.

Ou seja: se levássemos à risca, rezar a Missa de São Pio V seria mais que uma opção: seria uma ordem inquestionável, visto que não oferece brechas para subterfúgios.

E veja o final da Bula:

14 – Assim, portanto, que a NINGUÉM absolutamente seja permitido infringir ou, por temerária audácia, se opor à presente disposição de nossa permissão, estatuto, ordenação, mandato, preceito, concessão, indulto, declaração, vontade, decreto e proibição.

Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bemaventurados Apóstolos Pedro e Paulo”.
Perceba que o Santo Papa escreveu esta bula de forma tão perfeitamente blindada, que torna impossivel que mesmo um papa posterior se levante contra a mesma sem criar uma crise institucional. Você pode procurar o texto da bula em sua íntegra, é fácil de encontrar na Internet. E pode ler com muita calma. Perceba o final da Bula: quando o papa fala que a ninguém é permitido alterar a permissão da Bula, fala de forma tão absoluta, que pode se ler aí que nem mesmo outro papa poderia ir contra. Ele diz ninguém se admitir exceção. Do jeito que a Bula foi escrita, e da maneira como foi imposta, sugere uma lei IMUTÁVEL e IRRETOCÁVEL.

Pois então: se os papas dos últimos 50 anos não tiveram até o presente momento a audácia de desdizer esta bula de maneira direta, mas na prática trabalham de maneira contrária, isso é problema da consciência deles.Como disse São Pio V, eles que se se vejam com Deus Todo-poderoso e com São Pedro e São Paulo.

Só esta bula é suficiente, não necessitaria nem sequer de documento algum de Bento XVI. Por isso bato na mesma tecla: Bento XVI não nos deu nada que não fosse nosso direito. O motu proprio é tolerável no sentido que confirma uma verdade há séculos declarada. E também é benévolo no sentido de ajudar a desbloquear o medo psicológico que tantos e tantos “obedientes” tinham em relação à missa.

Agora perceba: quem obedece aos decretos atuais concernentes ao não uso do missal tradicional, desobedece automaticamente ao magistério anterior, que no parágrafo 11 da Bula diz (…) que todos os padres sejam obrigados a cantar ou celebrar a missa de acordo com ele (…).

Cismático ou sectário aqui, pelo visto é uma questão de posicionamento. Porque são na prática ordens diversas. Se obedecemos a um, desobedecemos a outro. Então consultemos a Tradição, consultemos o que dizia há mais de 2600 anos o profeta Jeremias:

“Assim fala o Senhor: sustai vossos passos e escutai; INFORMAI-VOS SOBRE OS CAMINHOS DE OUTRORA, VEDE QUAL A SENDA da salvação; SEGUI-A, e encontrareis a quietude para vossas almas”.

E Qua a resposta a esse versículo não seja a mesma que deram ao profeta:

” Responderam, porém: Não a seguiremos!”

E veio o castigo…