quinta-feira, setembro 12, 2013

Freud e o Talmud: pecando por causa do Céu

Por Michael Hoffman
Traduzido por Andrea Patrícia 


 
Sigmund Freud


O Talmud Babilônico (TB) no tratado Kiddushin 40a começa com um ensinamento do Rabino Chanina que: "É preferível que uma pessoa cometa um pecado em privado e não profane o nome de Deus em público".

O Talmud, em seguida, afirma o ensinamento: "Se uma pessoa vê que a sua inclinação para o mal está vencendo ela deve ir para um lugar onde não é conhecida e cobrir-se com roupas pretas e fazer o mal lá".

Muitas autoridades rabínicas clássicas (Tosafot Toch e Tosafot Harosh) reconhecem que esta passagem tolera o pecado.

“Pecado por causa do Céu” 


O significado desta terminologia rabínica é fazer algo que é claramente errado (pecado), mas com uma boa intenção (por causa do Céu) (Veja Steinsaltz Iyunim em Kiddushin 40a ad.loc).

Este ensinamento rabínico de um pecado por causa do Céu reconhece que o pecado pode ser necessário, por vezes, e se for feito com sinceridade, tem legitimidade.

Este dogma miserável permeia a cultura judaica e foi herdado até mesmo por aqueles judeus que não eram religiosos. Observamos essa mentalidade talmúdica refletida na atividade judaica em muitos campos tais como política (os "ateus" judeus bolcheviques) e em psiquiatria, como iniciado por Sigmund Freud, que é conhecido por ter representado um afastamento de forma liberal e esclarecida das tradições sóbrias do passado.

Freud, no entanto, de fato, absorve as tradições talmúdicas de sua cultura nativa, incluindo a imoralidade sem escrúpulos que lhe deu um mandato "celestial" para mentir e enganar por causa de um bem mais elevado (pecado por causa do Céu). 

O falecido Dr. Frank Cioffi, professor de filosofia na Universidade de Essex, na Inglaterra, afirmou que Freud impôs suas ideias sobre sexualidade e neuroses aos seus pacientes, ao dar voz a elas através das histórias de seus pacientes, independentemente de seus pacientes terem contado realmente essas histórias.

Cioffi: "Quando ele decidiu que a neurose estava enraizada nas fantasias sexuais com nossos pais, por exemplo, Freud determinou que seus pacientes "lembrassem" tais fantasias, quer eles realmente lembrassem delas ou não."

Cioffi fornece evidência da desonestidade de Freud ao citar a própria descrição de Freud de sua justificação para "construir" as declarações de seus pacientes A descrição pode ser encontrada na biografia em três volumes autorizada pelo famoso psiquiatra, que contém a seguinte declaração dele:

"Muitas vezes nós não conseguimos levar o paciente a recordar o que foi reprimido. Em vez disso produzimos nele uma convicção segura da verdade da construção, que alcança o mesmo resultado terapêutico que uma lembrança recapturada" (Ernest Jones, The Life and Work of Sigmund Freud, Basic Books: 1981).

Em outras palavras, Freud se justificava por enganar seu paciente a acreditar que a fabricação de Freud era a própria realidade do paciente, porque conseguia um "resultado terapêutico". Embora Freud não empregasse termos teológicos, o espírito de sua desonestidade intelectual emanava de uma cultura mergulhada em dissimulação rabínica, no "pecar por causa do céu". Por este meio Deus é feito de cúmplice na impostura.

Para saber mais sobre Freud e Judaísmo leia Judaism'sStrange Gods (2011), p. 295-296.

Original aqui.