segunda-feira, dezembro 02, 2013

Padre Bouchacourt: “O povo judeu não cometeu o deicídio”

Por SPES
 
 
 

 

Em nova entrevista (http://www.clarin.com/edicion-impresa/Fraternidad-San-Pio-catolicos-Francisco_0_1039696144.html) a respeito do sucedido na Catedral de Buenos Aires (cf. O que aconteceu na Catedral de Buenos Aires – pura irresponsabilidade), o Padre Bouchacourt, o Superior local da FSSPX, diz algo acertado: “Não [apoiei o que se deu na Catedral]. Soube de algo na vigília. Pediram-me apoio, e eu lhes disse que não. Foi um ato estúpido, estéril”. Acertado ainda que cheire a traição... Pois, com efeito, é difícil crer que ele se tenha oposto efetivamente: porque como aqueles sacerdotes e fiéis iam desobedecer-lhe a este ponto?

Quase todo o restante da entrevista, todavia, é mais uma demonstração de a que ponto ruiu doutrinalmente a FSSPX. Após mostrar, aqui com toda a clareza, a iníqua razão da expulsão de Dom Williamson, o sacerdote francês diz certas coisas que obrigarão a todos os que continuam na FSSPX a escolher: ou permanecer aderindo a tal ruína doutrinal, ou afastar-se dela como de uma lepra espiritual. Uma delas: O povo judeu não cometeu o deicídio. Creio que a religião judia não aceitou a Nosso Senhor como o Redentor e pediu a morte de Nosso Senhor”.

Não bastasse porém essa negação de algo evidente pelos próprios Evangelhos e sempre repetido pelo magistério infalível, note-se que a afirmação do Padre Bouchacourt ainda implica um verdadeiro nonsense histórico: quando se deu a condenação de Nosso Senhor, com efeito, a religião judia praticamente não se distinguia do povo judeu. Se porém o sacerdote francês pensa no exíguo número de seguidores de Nosso Senhor como não fazendo parte da religião judia, então incorre em paralogismo: desse modo, não teria sido o povo judeu quem condenou a Nosso Senhor porque os seguidores de Nosso Senhor, participantes já, incoadamente, de uma nova religião, não o condenaram... Talvez, contudo, o Padre Bouchacourt se tenha esquecido de que o indiferentismo religioso é coisa moderna...

Ademais, que dizer das palavras do Superior acerca de Francisco? Afirma ele: “Nós rezamos cada dia pelo Papa Francisco. Reconhecemos a autoridade da Igreja Católica [!!!!!]. Há homilias que me parecem excelentes [????????]. É um pároco que dá conselhos a seus fiéis [oh!!!]. Não está mal [não????]. Mas queremos que o Papa esteja mais acima. Não é um pároco [mas ao menos como pároco não está mal...]. É o chefe da Igreja. E todos esperamos que nos comunique a Verdade e nos ajude a viver como bons católicos [mas a FSSPX não existe exatamente para ensinar os fiéis a viver como bons católicos porque o Magistério conciliar depôs a autoridade que tem para tal????]”.

Lamentável.