segunda-feira, setembro 30, 2013

Campobasso, Itália


Acima a pintura e abaixo a fotografia:




sábado, setembro 28, 2013

Comentários Eleison: Segredo de Fátima

Comentários Eleison – por Dom Williamson  
CCCXXIV – (324) – (28 de setembro de 2013): 

 SEGREDO DE FÁTIMA


Mais uma vez uma reconstituição da terceira parte do Segredo de Fátima vem à tona, revelada pela Mãe de Deus à Irmã Lúcia de Fátima em 1917, no mês de julho. A Santa Virgem quis que ela fosse publicada no mais tardar em 1960, mas os pérfidos prelados no controle de Roma fingiram que a Virgem havia permitido que ela fosse publicada a partir de 1960, e até hoje permanece trancada. Das dicas sobre seu conteúdo reveladas por uns poucos clérigos que tiveram acesso a ele, muitas tentativas têm sido feitas para reconstituí-lo. Essa última tentativa tem muito a seu favor. Aqui está a sua história.

O Cardeal Ottaviani (1890-1979) foi um alto clérigo sob os Papas Pio XII, João XXIII e Paulo VI, principal protetor da Fé de 1959 a 1968. Tendo lido o Segredo, mas obrigado a manter o sigilo, ele achou um jeito de revelá-lo sem o revelar. Adicionando conteúdo a fim de tornar o Segredo original duas a três vezes mais longo, ele permitiu que a versão estendida fosse publicada, particularmente em uma revista alemã chamada Neues Europa. Mas as autoridades do Vaticano puderam facilmente rejeitá-la sob a alegação de ser falsa, como é até hoje considerada, porque era sabido que o Segredo original tinha apenas 25 linhas escritas à mão.

Contudo, o Cardeal tinha um amigo, Dom Luigi Villa (1918-2012), um padre valente e defensor da verdadeira Igreja, especialmente contra a maçonaria. Em algum momento o Cardeal revelou ao Pe. Villa exatamente quais partes da longa versão pertencia ao Segredo original, e Dom Villa, por sua vez, disse o mesmo a seu fiel colaborador leigo, o Dr. Franco Adessa, que acaba de colocar a mesma informação em um livro recentemente publicado na França. Aqui então estaria o Terceiro Segredo original:

“Um grande castigo cairá sobre toda a humanidade, nem hoje, nem amanhã, mas na segunda metade do século vinte. Em nenhum lugar do mundo há ordem, e Satanás reinará nos mais altos postos, determinando o curso dos eventos. Ele conseguirá trilhar o seu caminho até o topo da Igreja. Para a Igreja também virá o tempo de suas maiores provações. Cardeais irão se opor a cardeais, bispos irão se opor a bispos. Satanás marchará entre eles, e ocorrerão mudanças em Roma. O que está podre irá cair, o que cair não irá se reerguer. A Igreja será obscurecida e o mundo dominado pelo terror. Uma grande guerra ocorrerá na segunda metade do século vinte. Fogo e fumaça cairão do Céu, as águas dos oceanos se tornarão vapor, a espuma do mar irá subir, destruindo e inundando tudo. Milhões e milhões de homens morrerão entre uma hora e outra, enquanto aqueles que sobreviverem invejarão os mortos. A morte estará em todo lugar por causa dos erros cometidos pelos loucos e pelos capangas de Satanás, que então, e só então, reinará sobre o mundo. Finalmente, enquanto aqueles que sobreviverem a esses eventos permanecerem vivos, proclamarão Deus e Sua Glória mais uma vez, e servirão a Ele como o homem costumava fazer quando o mundo ainda não havia se tornado tão perverso”.

Pe. Nicholas Gruner, um especialista em Fátima, acha que essa versão do Segredo pode estar incompleta, faltando uma menção ao Apocalipse e a ação recomendada. Alguém pode também objetar que a segunda metade do século vinte veio e se foi sem nenhuma guerra mundial. Mas os loucos não têm fomentado a guerra no Oriente Médio, continuamente, desde bem antes do ano 2000 até hoje? E é digno de nota que cada frase nessa versão do Segredo ocorre na versão da Neues Europa (acessível na internet), em meio a um material retirado ou copiado de outras fontes piedosas.

De qualquer modo, possa Deus verdadeiramente ter piedade de todos nós e nos deixar rezar o Rosário sem cessar.
                                                                                               
Kyrie Eleison     

quinta-feira, setembro 26, 2013

Comunicado 5 do Curso POR UMA FILOSOFIA TOMISTA

Por uma Filosofia Tomista

Curso on-line de 60 horas ministrado por
 
Carlos Nougué
 
 

 “A felicidade última do homem está na contemplação da Verdade.”

Santo Tomás de Aquino

 
[Comunicado 5]

AINDA QUANTO ÀS INSCRIÇÕES PARA O CURSO
1) Já estão abertas (desde o dia 18 de setembro) e ficarão abertas até o dia 10 de outubro as inscrições para o curso on-line Por uma Filosofia Tomista, de 60 horas.

2) As inscrições são feitas em nosso site (cursos.carlosnougue.com.br).

3) No mesmo site, aliás, explica-se tudo a respeito do curso (mediante F.A.Q., os comunicados anteriores, etc.), incluindo a Ementa do Curso e o valor e formas de pagamento.

4) Quanto a qualquer dúvida, porém, que permaneça, escreva-se para Marcel Assunção Barboza (cursos@carlosnougue.com.br). 

INÍCIO E DURAÇÃO DO CURSO 

1) O curso se iniciará no mesmo dia 10 de outubro, com a postagem do primeiro vídeo.

2) Os vídeos-aula (30 regulares, e diversos extras para a resolução das dúvidas) permanecerão 6 meses em nosso site a contar do dia 10 de outubro.

3) Apesar de todos os vídeos-aula já estarem gravados no dia 10 de outubro, só se postarão no site dois por semana, por óbvias razões didáticas.
 
___________

Uma iniciativa conjunta

Central de Cursos Contemplatio
Associação Cultural Santo Tomás

terça-feira, setembro 24, 2013

Será mesmo desejável que as mulheres tenham direitos políticos?



Um texto muito interessante para ler e refletir. Os grifos são meus.

Lembrando que já dizia o barbudo judeu-comunista:

"A Democracia é o caminho para o Socialismo." – Karl Marx


Trechinhos:

“Eu acredito que, com raras exceções como uma Margaret Thatcher ou uma Golda Meir, as mulheres não estão capacitadas para manterem a estrutura externa da sociedade. Esta é uma tarefa preeminentemente masculina, não feminina. Para mim, a política dominada pelas mulheres nos países escandinavos não representa uma direção positiva e encorajadora para a raça humana. O número imenso de mulheres no parlamento britânico não representa um crescimento na força nacional britânica, mas o seu declínio.”

Depois que chegamos aos anos 60, o crescimento contínuo do governo é motivado por taxas mais altas de divórcio. O divórcio faz com que as mulheres com filhos busquem cada vez mais os programas do governo. Claro: as mudanças nas leis do divórcio, de "com razões" para "por opção" ajudou a provocar esta mudança. Como eu discuto no livro, a liberação do aborto também levou a mais famílias com pais e mães solteiros."”

O sufrágio, meu amigo disse, deveria ser limitado a homens casados, com filhos e que declarem imposto de renda. 

Isto quer dizer que o voto, e a capacidade de ocupar cargos políticos, seriam limitados aos homens que são contribuidores responsáveis para a sociedade. Os homens que não são casados ou não têm filhos nascidos dentro do matrimônio não têm suficientes interesses concretos em jogo para que se conte com eles para terem um papel responsável em sua direção. Portanto, eles não deveriam ter uma voz direta, como eleitores e ocupantes de cargos políticos em sua direção. As mulheres, falando de forma geral, são excessivamente guiadas por emoções e considerações pessoais para terem uma voz direta, como eleitoras e ocupantes de cargos políticos, na direção da sociedade. Os três dias inteiros do circo pró-minorias que foi a Convenção Republicana de 2000 teve basicamente o propósito de convencer as "mamães fãs de futebol" que o Partido Republicano era "simpático" às minorias. Nenhuma política séria é possível em tais condições. As mulheres casadas são naturalmente representadas na política pelos seus maridos e podem exercer influência política através da influência que elas têm sobre seus maridos, mas o marido é, em última análise, aquele que vota por ambos eles. As mulheres solteiras, de forma geral, olham para o estado como seu provedor e portanto não deveriam ter voz direta no governo. Igualmente, as mulheres solteiras, sob esta proposta, ficam impedidas pela mesma razão que os homens solteiros, que é porque elas não têm suficientes interesses concretos na sociedade para que se conte com elas para terem um papel responsável nesta direção.

Observemos também as mudanças positivas no comportamento e na moral que uma tal mudança em nossas leis encorajariam. Haveria um incentivo maior para os homens se casarem e terem filhos, já que eles não possuiriam direitos políticos na ausência de uma família e sem serem capazes de se auto-sustentar. A mudança no sufrágio também ajudaria a devolver aos homens o seu papel adequado como chefes de família e líderes da sociedade. A crença de hoje, de que as mulheres precisam ser líderes e heroínas a fim de se realizarem é falsa. As mulheres não precisam destas coisas, elas não sofrem com sua falta e a sociedade não sofre com a ausência de mulheres bombeiras e generais. Mas os homens e a sociedade como um todo, muito certamente sofrem com o denegrimento dos garotos e dos homens que é a nota central da cultura feminista de hoje, como é implementada nas escolas, universidades, na cultura popular e nas relações entre os sexos.”

 “Um problema com o sufrágio universal é que quando todo mundo pode votar, tudo vira política. A política se infiltra em tudo porque todo mundo está de algum modo envolvido com a política e eles vêem a urna como um modo conveniente de resolverem os problemas da sociedade. Considere o quanto era importante, no século 19 e no começo do século 20, para as mulheres de condições, elas se envolverem com obras de caridade que eram iniciativas em sua maior parte locais e privadas. É claro que muitas mulheres ainda adoram serem voluntárias nestas obras, mas muitas das que teriam sido participantes ativas nos velhos tempos agora simplesmente votam nos democratas e consideram que seu dever para com a sociedade está cumprido.”

“O mesmo vale para o eleitorado. Um eleitorado totalmente feminino seria um desastre; um eleitorado totalmente masculino, não. Eu acho que cabe aos proponentes do sufrágio feminino explicaram que políticas benéficas resultaram de as mulheres terem o poder do voto. Por acaso vencemos alguma guerra que, no caso contrário, teríamos perdido? A qualidade de nossas autoridades governantes melhorou constantemente, na medida em que as mulhres alcançaram mais poder pelas urnas? O Ocidente tornou-se mais forte ou fraco na esteira do sufrágio feminino?”

Outro texto interessante:

A questão do voto feminino

Jornalzinho em prol da Família Católica (e Novena importante!)



Nota: Por favor, leiam no jornalzinho de Setembro os dizeres de Dom Tomás de Aquino sobre a Novena de São Miguel Arcanjo e a intenção que ele pede para colocarmos nela. Mesmo os que não começaram do dia correto (29 de setembro dia de São Miguel), é melhor fazer fora da data do que não fazer. E que São Miguel Arcanjo proteja nossas crianças!

Segue trecho:

"... Que São Miguel nos proteja e nos faça dizer não às tentações do mundo de hoje que são inspiradas pelo mesmo Lúcifer que foi vencido outrora pela palavra de São Miguel: "Quem como Deus?” Só Deus merece reinar em nossos corações, só Nosso Senhor é nosso rei. Que a televisão (não estamos falando dos vídeos, dos quais devemos fazer um uso bem reduzido, o menos possível, pois a imagem é um meio inferior de percepção e de instrução, além de serem quase inexistentes filmes realmente impecáveis... enquanto que livros sem mácula têm aos montes como os escritos pelos santos e recomendados pela Santa Igreja) seja banida da vida das famílias católicas para a santificação das almas resgatadas pelo Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor."

DOM TOMÁS DE AQUINO


EDIÇÃO NÚMERO 4
(clique no título acima para baixá-lo)
Baixe os anteriores:

EDIÇÃO NÚMERO 3
 
EDIÇÃO NÚMERO 2
EDIÇÃO NÚMERO 1

segunda-feira, setembro 23, 2013

Até quando, Bergie?


Minha gente, é cada vez mais difícil ter que lidar com a quantidade de coisas estranhas e erradíssimas que o Papa Francisco tem feito. E é interessantíssimo observar como os que odeiam a Igreja, adoram esse Papa...

Leiam essas notícias: Notícias vaticanas: até quando, Bergie?

E leiam o comentário do Bruno Luís Santana , no Fratres in Unum, sobre as declarações do Papa Francisco a respeito da Igreja. Destaco a frase:

"Vindo da boca de um papa, isso é muito grave… É no mínimo IRRESPONSÁVEL se pronunciar como PAPA sem cuidar do que vai dizer…"

Decididamente, é uma sina para muitos olhar as palavras momentâneas deste ou daquele clérigo, bispo ou pontífice aos olhos do “aqui” e “agora”. De tentar interpretar as coisas não sob um contexto amplo, mas sob as últimas notícias dos jornais.

E é com grande pesar que digo isto. Essas expressões que usei acima têm me acompanhado há anos, desde que li a conversão de Chersterton, pois o mesmo dizia que o católico, ao contrário dos que estão dispersos no mundo enxerga as coisas sob uma ótica mais elevada, ao invés de considerar as coisas sob os últimos acontecimentos.

Não estou afastando a probabilidade da ação de Deus na história, ou da conversão, ou mesmo da mudança de parecer de Bergoglio-Francisco: mas tal como aconteceu com Bento XVI, tudo indica que cada suspiro do atual papa será tema para longas palestras, para se debater o que ele disse, o que ele não disse, o que ele subentendeu, o que ele quer dizer.

O homem Bergoglio é um homem do concílio. Quero dizer: é um fruto direto do “1789 da Igreja” – palavras do cardeal Suenens. Não estou fazendo juizo de valor pessoal acerca de defeitos ou virtudes, mas objetivamente falando, o que Bergoglio aprendeu acerca da Filosofia, da Teologia, da Fé, não reflete o que sempre foi ensinado.

Bergoglio precisa ser compreendido em seus anos de padre jesuita. Precisa ser compreendido por seus atos como arcebispo de Buenos Aires. Precisa ser compreendido pelo que o mesmo pensa (ou ao menos deixa entrever) em relação aos temas morais, litúrgicos, disciplinares, doutrinais, e isso não por frases ditas em uma semana, mas em toda a sua vida, para saber onde ele progrediu e onde ele piorou. E só depois disso observar o papa Francisco, e saber se é o caso de parafrasear o que disse Pio II, no século XV, e dizer ” Georgium reicite, Franciscum recipite” – Rejeitai Jorge, aceitai Francisco…

Ratzinger então foi de certa forma um dos pais do Concílio. Foi um erro ter visto o pontificado de Bento XVI como uma era de exorcismo do espírito mundano, pois seu conservadorismo foi – de início ao fim – pautado sempre no mesmo tabuleiro revolucionário do Concílio. Ele que foi e é o preferido de tantos, nunca permitiu que se tocasse no concílio, e se relaxou a repressão aos mais críticos, de maneira alguma conduziu a Igreja para fora desta crise existencial.

Quem deseja conciliar revolução e igreja jamais conquistará a confiança dos fiéis, pois lá no íntimo todos os que tem um pingo de juizo sabem que não se pode seguir a dois senhores, e que ou se é católico plenamente, ou não se é coisa nenhuma.

Pelo andar da carruagem, a continuar da maneira em que se encontra, o pontificado de Francisco será inteiramente sem uso do Magistério. Ele é extremamente confuso, desconhece o significado da palavra objetividade.

Certamente aprendeu com os textos do concílio vaticano II. Lá a “letra” divide opiniões, porque é escrita de maneira propositadamente diplomática, para agradar a todos.

Francisco subentende as coisas, e ninguém é capaz de dizer com certeza quais suas intenções. O que está acima, a julgar pelo enunciado, PARECE um pouco ortodoxo. No mesmo texto, percebe-se a confusão que se segue, porque quanto mais alegorias ele cria, mais confuso se torna.

Hoje estou tentando escrever sobre ele com a maior serenidade possível, pois o considero nefasto… Mas deixemos o que eu considero acerca deste pontificado, e vejam por vocês mesmos a audiência do papa no dia 11 de setembro.

Se vocês lerem com atenção, verão que em um dado momento ele diz que a Igreja, assim como a Virgem Maria, são mães. Ok.

Segundo momento: ele diz que o que se diz da Igreja também pode ser dito de Nossa Senhora, e vice-versa. Primeiro escorregão. Leve, digamos que apenas um curtíssimo desequilíbrio.

Terceiro momento: ele pergunta se amamos a Igreja da maneira como amamos nossa mãe, sabendo entender seus DEFEITOS. Isso já é um deslize.

Quarto momento, ele diz “todas as mães tem DEFEITOS”. Isso já é o próprio tropeço!

Quinto momento, ele mesmo diz: “E inclusive a Igreja tem seus DEFEITOS”. É o tombo completo.
O papa mistura verdade e mentira. Doutrina com BLASFÊMIA.

Quem é católico e estuda a doutrina católica sabe que a Igreja é Corpo Místico de Cristo, que os pecados de seus filhos NÃO a maculam, que a Igreja em si é de origem divina, ou seja, cremos literalmente no credo, “Creio na Igreja Una, SANTA (…)”.

Igreja Santa com membros pecadores.

Vindo da boca de um papa, isso é muito grave… É no mínimo IRRESPONSÁVEL se pronunciar como PAPA sem cuidar do que vai dizer…

E outra: se o leitor acompanha o raciocínio inicial (igreja como Maria e vice-versa) e leva até o fim (TODAS as mães tem defeitos, e inclusive a Igreja tem DEFEITOS), poderá concluir que a própria Virgem Maria TEM DEFEITOS. 

Não sei a intenção de Francisco, não sei se ele disse isso de propósito, ou se foi algum lapso. Mas é por essas e outras que me disseram a frase mais acertada sobre ele e seu antecessor.

Se compararmos o panorama político dominado pela esquerda no Brasil e a Igreja cujos governantes fazem absolutamente tudo sobre o tabuleiro do Concílio Vaticano II, então Bento XVI foi o FHC da Igreja. E Francisco (ainda mais por suas declarações lamentáveis) com certeza é o LULA.

“Inclusive a Igreja tem seus defeitos”… Não, não. É demais… Isso é real mesmo, ou será que perdi o juizo?

Eis o link abaixo, leiam devagar, mas leiam com atenção. Mas leiam com MUITA atenção, porque lendo rápido não se percebe com facilidade.


 

Nossa Senhora de La Salette, rogai por nós!

 

sábado, setembro 21, 2013

Comentários Eleison: Queda Horrível III


Comentários Eleison – por Dom Williamson 
CCCXXIII – (323) – (21 de setembro de 2013):
  
 
QUEDA HORRÍVEL III

            No último mês de junho, foi prometido aos leitores destes “Comentários” um terceiro artigo sobre a horrível queda da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, visando a considerar o que pode ser feito. Apenas recentemente apareceu no site “Avec l’Imaculée” um artigo com algumas boas respostas a essa questão, começando com a questão de se os católicos podem frequentar as Missas da FSSPX. Eu resumo e adapto:

            Em 1984, um Indulto de Roma permitiu que a Missa Tridentina fosse celebrada, sob certas condições, dentro da estrutura da Igreja oficial. Perguntado se os católicos poderiam frequentar essas Missas, o Arcebispo Lefebvre respondeu logo em seguida que eles não deveriam, porque sua reentrada na estrutura da Igreja mainstream sob aquelas condições seria equivalente a aceitar o Vaticano II e suas reformas subsequentes. Os padres rezando Missa do Indulto não seriam capazes de falar livremente, e ao aceitarem implicitamente a Nova Missa com o Indulto, eles correriam o risco de cair na nova religião conciliar, levando seus fiéis com eles.

               Em 2012, o Bispo Fellay declarou que a Nova Missa foi legitimamente promulgada, o que é o mesmo que dizer que ela é legítima. Ele segue reprimindo as críticas ao Vaticano II e, enquanto continua mantendo padres e fieis no escuro tanto quanto lhe é possível no tocante ao que realmente pretende, ele constantemente promove as ideias de sua Declaração pró-conciliar de abril de 2012. Portanto, assim como o Arcebispo rejeitou a frequência na Missa do Indulto, agora, como regra geral, freqüentar as Missas da FSSPX deve ser rejeitado, porque mesmo se sua Missa particular continua sendo celebrada de acordo com a Tradição, a FSSPX está sendo remodelada em geral como uma estrutura dentro da qual a nova religião conciliar vem sendo menos e menos desaprovada, e por isso há mais e mais perigo em freqüentar suas Missas.     

            Entretanto, os padres particulares da FSSPX variam entre os genuinamente tradicionais e os virtualmente conciliares. Obviamente há menos perigo em freqüentar as Missas dos primeiros que as destes últimos, mas se o padre aceita tanto defender e aprovar a nova direção imposta pelo QG da FSSPX, ou se ele persegue e exclui dos sacramentos qualquer um que tome parte na Resistência, estes são dois sinais de que suas Missas devem ser evitadas, especialmente se há a Missa de um padre resistente não muito distante. Mas há circunstâncias que também entram no jogo, como aquelas em que, por exemplo, há o risco de uma criança sendo tirada de uma escola decente da FSSPX, o que pode justificar a freqüência em um local de Missa da Fraternidade. Quando o tronco de uma árvore está podre, ainda pode haver ramos de onde brotam folhas verdes.

             O fato é que o tronco da FSSPX está mortalmente ferido, sem esperança, humanamente falando, de recuperação. Como a Sinagoga entre a morte de Nosso Senhor na Cruz e a destruição de Jerusalém em 70 d.C., ela está levando a morte dentro dela, mas ainda não está morta. Os Apóstolos pregavam ali, e os bons judeus ainda assistiam, mas todos eles foram perseguidos e eventualmente expulsos. Se um católico pode ver hoje que por todo o corpo da FSSPX, de cima a baixo, o vírus mortal de uma mentalidade conciliar disfarçada está se propagando, ele deve agir no sentido de ajudar a resgatar tantas almas quanto lhe for possível antes que elas naufraguem na fé com o barco salva-vidas que está afundando.

            Que eles modelem suas próprias convicções, lendo tudo o que tiver ao seu alcance, a começar pela troca de cartas entre os três bispos e o Bispo Fellay em abril de 2012. Que eles falem aos padres e colegas paroquianos para coordenar, por exemplo, a construção de refúgios para padres que podem não ter outro meio para agir. Há muito a ser feito, mas há poucos, no momento, para fazerem. Que Deus esteja com esses poucos.

Kyrie eleison.   

sexta-feira, setembro 20, 2013

Comunicado 4 do Curso POR UMA FILOSOFIA TOMISTA

Por uma Filosofia Tomista
Curso on-line de 60 horas ministrado por
Carlos Nougué

 Imagem inline 1
 “A felicidade última do homem está na contemplação da Verdade.”
Santo Tomás de Aquino
 [Comunicado 4]
ABERTAS AS INSCRIÇÕES PARA O CURSO
1) Já estão abertas e ficarão abertas até o dia 10 de outubro as inscrições para o curso on-line Por uma Filosofia Tomista, de 60 horas.
2) As inscrições são feitas em nosso site (cursos.carlosnougue.com.br).
3) No mesmo site, aliás, explica-se tudo a respeito do curso (mediante F.A.Q., comunicados anteriores, etc.), incluindo valor e formas de pagamento.
4) Quanto a qualquer dúvida, porém, que permaneça, escreva-se para Marcel Assunção Barboza (cursos@carlosnougue.com.br). 
AINDA SOBRE O CONTEÚDO, O MÉTODO
E A FINALIDADE DO CURSO
1) Para os alunos já inscritos, já está à disposição na seção Material de Estudos, entre outras coisas e textos, uma Relação das obras mais filosóficas de Santo Tomás, com:
a) links para os textos em diversas línguas ocidentais (muitas vezes acompanhados do original latino);
b) indicação de edições brasileiras e espanholas;
c) por fim, com o link para a Obra completa do Aquinate em latim.  
Quanto aos dois primeiros itens, trata-se das melhores traduções que se podem encontrar (vejam os alunos, porém, o que se observa no arquivo que está em Material de Estudos).  
2) O conteúdo do Curso, relembremo-lo, será estritamente filosófico, porque o Curso visa precisamente a embasar uma sistematização da Filosofia tomista. (Naturalmente, o filosófico abarca – ou melhor, tem como rainha – a Teologia não sagrada ou Metafísica.) Por essa razão, não podemos recomendar a leitura de obras de Sacra Teologia do Aquinate como preparatória para o curso.
3) Ademais, não recomendamos sequer a leitura de obras mais filosóficas de Santo Tomás nem, muito menos, a de nenhum de seus comentadores como preparatórias para o curso. Isso por dupla razão:
a) Antes de tudo, porque o Curso visa exatamente a dotar seus alunos da proficiência mínima necessária para que possam ler o Aquinate diretamente, livres porém das deformações que a doutrina deste padeceu ao longo de sete séculos. Daí que o Curso vá deter-se, exaustivamente, na explicação – com abundantes exemplos e analogias – dos conceitos, noções e teses básicos do filosofar de Santo Tomás.
b) Depois, porque a maioria daqueles mesmos comentadores de Santo Tomás precisamente deformou, de algum modo e em algum grau, estes mesmos conceitos, noções e teses básicos. Não nos eximiremos, porém, de indicar aqueles poucos que não o fizeram, e até os mesmos livros ou partes de livros dos demais que, todavia, não incorreram em equívoco com respeito ao filosofar de nosso Teólogo. Mas o faremos ao longo e ao fim do curso, indicando-os como lugares paralelos. 
INÍCIO E DURAÇÃO DO CURSO
1) O curso se iniciará no mesmo dia 10 de outubro, com a postagem do primeiro vídeo.
2) Os vídeos-aula (30 regulares, e diversos extras para a resolução das dúvidas) permanecerão 6 meses em nosso site a contar do dia 10 de outubro.
3) Apesar de todos os vídeos-aula já estarem gravados no dia 10 de outubro, só se postarão no site dois por semana, por óbvias razões didáticas. 
ANEXOS
___________
Uma iniciativa conjunta
Central de Cursos Contemplatio
Associação Cultural Santo Tomás