quinta-feira, março 06, 2014

Porque tantas pessoas vão para o Inferno

Por Lyle J. Arnold Jr.
Traduzido por Andrea Patrícia




São Miguel pesando almas


Com toda evidência manifestada por Deus confirmando a verdade do Catolicismo, por que a heresia do Progressismo, gerada pelo Concílio Vaticano II, se espalhou como um vírus repugnante em toda a Igreja? Por que não há mais católicos contrarrevolucionários nas fileiras do remanescente de Nossa Senhora?
O ensino de São Leonardo do Porto Maurício lança luz sobre esta tragédia. Em seu sermão sobre o pequeno número de católicos que são salvos, ele avisa que apoiando a sua tese – de que a maioria dos "católicos adultos" vai para o inferno - há inúmeras referências de Padres da Igreja, tanto gregos e latinos, bem como teólogos e historiadores eruditos.

Ao desenvolver este tema, ele afirma: "Note bem que não se trata aqui da raça humana como um todo, nem de todos os católicos tomados sem distinção, mas apenas dos adultos católicos." (1)

O pensamento de São Leonardo está livre de qualquer forma de Jansenismo, já que ele é um santo muito venerado do século XVIII. Suas principais ferramentas de conversão foram a Via Sacra, a exposição do Santíssimo Sacramento e a devoção ao Sagrado Coração. Ele também fez esforços zelosos para que a Imaculada Conceição fosse definida como um dogma da Fé. Por último, a solidez do seu argumento de que poucos são salvos mereceu a aprovação da Igreja.

Intervenção Divina na História

Pode-se perguntar por que tão poucos são salvos quando Deus proveu o homem com tantos milagres e manifestações da verdade da Fé na História. Numerosos fatos inexoráveis ​​mostram a misericórdia de Nossa Senhora e seus esforços para atrair almas para seu Filho e a Santa Igreja.

Uma dessas notícias foi publicada recentemente pelo Tradition in Action intitulada “Uma Senhora de Azul Instrui os Índios nos EUA”. A história é sobre Madre Maria de Ágreda, que bilocou-se da Espanha para o sudoeste do Novo Mundo entre 1620 e 1631. Durante esse tempo, ela instruiu os nativos na Fé Católica, durante cerca de 500 visitas. Nosso Senhor disse-lhe que Ele permitiu que ela viesse para o Novo Mundo para catequizar os índios, porque Ele queria salvar suas almas.


 Em 10 anos Maria de Ágreda bilocou-se cerca de 500 vezes para os EUA, para instruir aos índios


O que torna este milagre especialmente notável é o fato de que essas bilocações são documentadas, mesmo em histórias seculares. Em uma história da Lone Star State, Randolph Campbell grava o episódio da "ocorrência verdadeiramente estranha em 1629." Ele continua:

"Em julho daquele ano, um grupo de Jumanos da área de Trans-Pecos chegou ao convento franciscano perto da Albuquerque moderna, chegaram lá, eles disseram, aconselhados por uma bela jovem que misteriosamente apareceu-lhes, no Texas. Dela, eles alegaram ter adquirido conhecimentos básicos do cristianismo, especialmente o Sinal da Cruz. Além disso, a “Senhora de Azul", como ela se tornou conhecida porque ela usava um manto azul com seu hábito marrom e branco, tinha incitado os índios a ir ao Novo México para encontrar instrutores religiosos. A chegada dos Jumanos, o que teria animado os franciscanos, sob quaisquer circunstâncias, era duplamente surpreendente por causa de uma carta que eles tinham acabado de receber do Arcebispo de Nova Espanha sobre as reivindicações de uma jovem freira, na Espanha."(2).

Mas o relato das visitas de Maria de Ágreda a América dificilmente é um caso isolado da intervenção de Deus na história. Outro caso é relatado na documentação histórica da Guerra dos Cem Anos (1396-1457) entre a França e a Inglaterra. A vitória francesa e a posterior coroação do Delfim como Charles VII foram alcançadas pela liderança extraordinária de uma camponesa nascida no leste da França, Santa Joana D’Arc. (3).

Outros casos de intervenção divina confirmados pelos estudiosos ocorreram em Lourdes, onde existe um corpo de médicos alheios à religião que verifica os milagres que acontecem lá. Alguns dos milagres envolvem a criação instantânea de matéria. Por exemplo, um caso envolveu uma pessoa que perdeu uma parte de seu osso quebrado: tornou-se mais curto e nunca curado. Durante oito anos, a vítima sofria de abscessos e feridas que tinham que ser tratadas diariamente. Em um instante a diferença de uma polegada foi preenchida e o osso ficou completamente curado. O corpo de médicos confirmou a cura milagrosa. (4)

Um caso igualmente inusitado é o de uma mulher que era cega, seus nervos ópticos eram completamente destruídos. Em Lourdes, a mulher foi curada instantaneamente, e seu médico perguntou: "Como a senhora pode ver, madame, quando não tem papilas?" (5)

Depois, há um milagre menos conhecido de Nossa Senhora do Imediato Socorro [Our Lady of Prompt Succor] em Nova Orleans. Como a Dra. Horvat apontou em seu artigo, durante os últimos 195 anos, uma missa é celebrada a cada 08 de janeiro para honrar a sua intercessão na derrota milagrosa dos ingleses.

Um compositor chamado Christopher Hedge compôs uma canção "A Oitava de Janeiro", e as letras foram escritas por Jimmie Driftwood (
clique aqui para ouvir). Mais tarde o cantor de country Johnny Horton fez da balada um hit - foi o número dois na parada de sucessos de 1959. Nada, é claro, existe nas letras sobre os milagres de Nossa Senhora, mas qualquer estudante de História Americana, que olha para essa batalha vai aprender como Nossa Senhora do Imediato Socorro deu a vitória às tropas americanas.

E não nos esqueçamos do MIlagre do Sol em Fátima, que 70.000 pessoas testemunharam.


Por que as pessoas vão para o Inferno?

Então, como explicar que a maior parte dos católicos adultos vai para o Inferno? Normalmente, a explicação ou estratégia mais simples é muitas vezes a correta.

Pe. Garrigou-Lagrange ensina que Deus dá maior graça para alguns, porque Ele os ama mais. Assim, Nosso Senhor deu a graça da salvação para o ladrão à sua direita, porque Ele o amava mais do que o bandido do lado esquerdo. Este dom da graça é completamente gratuito. (6)

Vemos isso em jogo desde o início da História, com a criação dos Anjos, que em um instante tomaram a sua decisão se deviam ou não seguir a Deus. Pe. Garrigou-Lagrange estabelece esse critério sobre como eles escolheram:

"No início, eles receberam uma inteligência mais explícita do ser de Deus, uno em substância, trino em pessoa, e eles foram ordenados a adorar e reverenciá-lO como seu Criador e Senhor maior, infinito em Sua essência e atributos. Todos se sujeitaram a este comando e obedeceram, mas com uma certa diferença: os anjos bons obedeceram pelo amor e por causa da justiça disso, oferecendo seu amor e boa vontade, admitindo livremente e acreditando no que estava acima de sua inteligência, e obedecendo com alegria. Lúcifer, por outro lado, submeteu-se porque o oposto lhe parecia impossível. Ele não fez isso com caridade perfeita, pois ele, por assim dizer, sua vontade estava dividida entre ele e a infalível verdade do Senhor. "(7)

O que veio depois nós sabemos.

Então, vamos refletir sobre o tema que a maioria dos adultos católicos vai para o inferno. Como São Leonardo disse em seu sermão, o tema "é grave; que fez com que até mesmo as colunas da Igreja tremessem, encheu os maiores santos de terror e povoou os desertos com anacoretas." (8)

A maioria das pessoas, no entanto, dá pouca atenção tanto ao aviso do santo quanto aos milagres que Deus nos dá. Entre essas pessoas estão incluídos católicos, é claro, como evidenciado pela onipresente heresia do Progressismo. O que devemos fazer para evitar o Inferno é a imitar os bons anjos em seu julgamento. Ou seja, devemos amar a Deus com desinteresse e oferecer tudo o que temos para a Sua glória. Nada pode ser mais eficaz para esse fim do que recomendar-nos aos cuidados de Nossa Senhora. Ela é a Porta do Céu - Porta Coeli.

Após fazer isso, que nossos pensamentos sejam transformados em ação. Vamos lutar bravamente para a glória de Deus e de Nossa Senhora e batalhar incansavelmente para livrar a Igreja do progressismo que a infesta.

Notas:

1. Leonard of Port Maurice, "The Little Number of Those Who Are Saved," The Fatima Crusader, 17000 State Route 30, Constable, NY, May 2009.
2. Randolph B. Campbell, Gone to Texas – A History of the Lone Star State, University of North Texas, Oxford University Press, NY, 2003, page 38.
3. R. Ernest Dupuy and Trevor Dupuy, The Harper Encyclopedia of Military History, NY: HarperCollins, 1993, p 451
4. Ruth Cranston, The Miracle of Lourdes, NY: Popular Library, 1957, pp 130-131.
5. Ibid, pp 24-25.
6. Reginald Garrigou-Lagrange, Predestination, Tan Books, p. 157. 7. Ibid. 8. Leonard of Port Maurice, "The Little Number of Those Who Are Saved"


Original aqui.