quarta-feira, abril 30, 2014

Clérigos nascidos judeus forçaram as reformas do Concílio Vaticano II

 

Uma leitura interessante (clique no título para ler o artigo):

Os convertidos que mudaram a Igreja: Clérigos nascidos judeus forçaram as reformas do Concílio Vaticano II, por John Connely  (professor do Departamento de História na Universidade de Berkeley (EUA), Doutor pela Harvard)


Trechinho (grifos meus):

"Há cinqüenta anos, cardeais de todo o mundo reuniram-se em Roma em Concílio para “atualizar” a Igreja, e modernizar o seu discurso para responder mais diretamente ao mundo moderno. Após três anos de deliberações, esses príncipes da Igreja votaram e aceitaram as declarações que permitiram aos fiéis assistir à missa em seus próprios idiomas, incentivando a leitura das Escrituras e sugerindo aos católicos olhar as outras religiões como outras fontes da Verdade e da Graça. O Concílio refere a Igreja como “o povo de Deus”, e sugeriu uma ordenação mais democrática das relações entre os cardeais e o Papa. Também foi aprovada uma declaração sobre as religiões não cristãs, conhecida por seu título em latim, Nostra Aetate (O nosso tempo). O artigo de número quatro dessa encíclica, uma declaração sobre os judeus, provocou sérias controvérsias, e várias vezes esteve para ser anulado, devido à forte oposição da parte de cardeais mais conservadores.
(...)
Os católicos que lograram levar o Vaticano a reconhecer a continuidade da “santidade do povo judeu“, eram todos recém conversos, vindos de famílias judias."