quinta-feira, maio 29, 2014

É aconselhável aterrorizar os pecadores

Por Tradition in Action
Traduzido por Andrea Patrícia




Um dos falsos princípios do Liberalismo é o de que se deve sempre atrair as pessoas através de sorrisos e da bondade. O Progressismo tem seu falso movimento ecumênico que alega que nenhum católico deve ameaçar hereges, cismáticos, judeus ou pagãos com o fogo eterno do Inferno para o qual eles irão se não se converterem. Ambos os princípios são falsos. As Escrituras nos ensinam que o temor de Deus é o começo da sabedoria.

Hoje nós apresentamos aos nossos leitores a cerimônia muito antiliberal e antiecumênica estabelecida por Santo Afonso de Ligório para converter pecadores. O grande santo sabia muito bem o que estava fazendo, e a Igreja Católica também sabia o que ela estava fazendo quando o canonizou e confirmou seus métodos. Abaixo, está a cerimônia chamada “a maldição dos pecadores” que os missionários Redentoristas costumavam realizar para trazer maus católicos de volta ao caminho correto.

Santo Afonso de Ligório

Na carta de 26 de abril de 1775 para todos os missionários da Congregação do Santíssimo Redentor, popularmente conhecida como Redentoristas, Santo Afonso de Ligório estabelece um importante caminho para converter pecadores. Os sacerdotes devem tentar fazer o povo sentir ternura quando falarem sobre a Paixão de Cristo, ele os instruiu. Entretanto, eles devem também fazer com que eles sintam terror quando retratarem os castigos que os esperam se eles não reformarem suas vidas ... Para superar a obstinação dos duros de coração, Santo Alfonso recomendava que seus sacerdotes realizassem uma cerimônia móvel, que eles chamaram de “maldição dos pecadores”.
Nela, os missionários, usando uma sobrepeliz e uma estola preta, devem pronunciar as palavras de Davi aos pecadores impenitentes: “Maledicti qui declinant a mandates tuis” [Malditos aqueles que deixam de lado os Dez Mandamentos]. O ministro de Deus, o Santo adiciona, não pode fazer nada mais do que repetir as palavras de Deus: Ele não amaldiçoa os pecadores que se arrependem, mas sim aqueles que querem perseverar em seus pecados.
Alguns em sua Congregação pensaram que essa “maldição dos pecadores” era aterrorizante demais. Santo Afonso respondeu: “Mas o objetivo é precisamente instilar terror nas almas daqueles que não tem medo de nada, e que estão deliberadamente se dirigindo para as maldiçoes eternas.”.
(R.P. Berthe, St. Alphonse de Ligouri,
Paris: Librairie Téqui, 1939, p. 522)

Original aqui.