terça-feira, agosto 19, 2014

Se devemos apoiar algum lado do conflito Israel-Palestina

Por SPES

      E parece que sim.
1) Porque Israel é um estado constituído que sofre ataques terroristas dos palestinos.
2) Não por isso, senão porque os palestinos tiveram seu território invadido pelos israelenses – precisamente para que se constituísse o estado de Israel – e porque sofrem contínua opressão econômico-política da parte deste.
3) Ademais, o povo judeu não reconheceu o Messias, para cujo engendramento pela carne fora eleito.
Mas, em sentido contrário, e do mesmo ângulo natural, não é justo em hipótese alguma nenhum ato terrorista, que é sempre crime de guerra; mas tampouco é justa nenhuma opressão grave a outro estado ou povo. Por ambos estes motivos, portanto, não devemos apoiar nenhum dos lados do conflito em questão.
Resposta. O argumento em sentido contrário é suficiente para que não apoiemos nenhum dos lados do referido conflito. Acrescente-se apenas o seguinte:
a) A Palestina também já se constituiu em estado.
b) Arguir a origem injusta de um estado não é suficiente para que se negue sua legitimidade. Se o fosse, não só Israel e a Palestina não seriam, ambos, estados legítimos, senão que tampouco o seria nenhum estado europeu (todos resultantes de ocupações desde o Império Romano, passando pelas invasões bárbaras, etc.), nem nenhum estado ibero-americano, etc.
Do ângulo teológico, há que acrescentar que ambos os povos, o judeu e o palestino, são culpáveis, ainda que em grau diverso, porque, com efeito, o povo judeu não reconheceu o Messias para gerar o qual justamente fora eleito. Não é possível porém esquecer a multidão de cristãos martirizados por muçulmanos em todo o Oriente Médio.  
Devemos pois os católicos, antes de tudo, rezar por nossos irmãos de fé no Oriente Médio, e envidar todos os esforços possíveis para minorar-lhes as penas. Depois, rezar pelas próprias vítimas do conflito israelense-palestino, pedindo a Deus que exerça também sobre elas sua imperscrutável Misericórdia. E, por fim, rezar porque o povo judeu enfim se converta ao Messias, o que sabemos por fé será a antecâmara da ansiada Parusia.
E parece que com isso se refutam as objeções.