quinta-feira, novembro 20, 2014

Sobre o Purgatório - Parte V



Meios de Evitar o Purgatório
Por Dr. Remi Amelunxen
Traduzido por Andrea Patrícia




A confiança em Nossa Senhora dissipa o medo excessivo do Purgatório


O artigo final da série sobre o Purgatório lidará com os meios de evitá-lo. Em seu livro Purgatory Illustrated, Pe. Schouppe detalha seis meios, aos quais acrescentei outro, bem como inclui diversos pontos importantes para meus leitores.

Devoção a Maria

Primeiro, com o fim de obter grande pureza de alma, nós devemos nutrir uma grande devoção a Santíssima Virgem Maria. Quanto mais profunda e verdadeira for nossa devoção a ela, menos razão nós teremos de temer o Purgatório, pois ela ajudará a limpar suas almas e assim diminuir sua estada no Purgatório.
Para dissipar o medo excessivo, ela disse ao seu servo Pe. Jerome Carvalho, um jesuíta que morreu em odor de santidade em 1604, estas palavras consoladoras: "Tenha confiança meu filho. Eu sou a Mãe da Misericórdia para meus queridos filhos no Purgatório bem como para aqueles que vivem na terra." (1)
Em Revelações de Santa Brígida, nós lemos palavras similares de Nossa Senhora: "Eu sou a Mãe de todos os que estão no lugar de expiação. Minhas orações mitigam os castigos infligidos sobre suas faltas. (2)
Aqueles que usam o escapulário marrom de Nossa Senhora do Monte Carmelo tem o direito especial de proteção da Mãe Santíssima. Em 16 de julho de 1251, Nossa Senhora apareceu a São Simão Stock e disse: "Receba, meu querido filho, esse escapulário de vossa Ordem. Ele é o distintivo de minha Confraria e o penhor de um privilégio que eu obtive para vós e para vossos irmãos do Monte Carmelo. Aqueles que morrem devotamente vestidos com este hábito deverão ser preservados do fogo eterno. É um sinal de salvação, uma salvaguarda no perigo, um penhor de paz e de proteção especial, até o fim dos tempos." (3)
Deve ser observado que as palavras “devotamente vestidos” são significativas. Frequentemente se pensa que a salvação é conseguida quando se usa o  escapulário marrom mesmo se a pessoa está em pecado mortal. Esta é uma posição presunçosa, pois há condições especiais requeridas para o privilégio. (veja aqui).
Mas a Mãe Santíssima prometeu misericordiosamente que aquele que usa o escapulário marrom receberá uma graça eficaz merecedora de confessar seus pecados ou ter garantido tempo para fazer um ato de contrição perfeita. Há muitas provas miraculosas do cumprimento desta promessa.
A grande importância do Privilégio Sabatino concedido 50 anos após a morte de São Simão Stock e autorizado pelo Papa João XXII foi discutido em outro artigo (aqui). Esta é a promessa de Nossa Senhora de libertar do Purgatório as almas dedicadas a ela no primeiro Sábado após suas mortes.
Caridade e obras de misericórdia
 

Visitar os doentes é uma obra de misericórdia

Um segundo meio de evitar o Purgatório é praticar a caridade e fazer as obras de misericórdia. Pois a caridade cobre uma multidão de pecados (1 Pe 4,8) e fará com que nós encontremos misericórdia no dia do Julgamento. Em Vida de Santa Margarida Maria, Mons. Languet relata que a santa, que era então Mestra das Noviças, estava rezando pelo pai de uma de suas noviças que havia morrido recentemente.
Quando a noviça voltou para pedir mais orações, Santa Margarida Maria disse a ela para ficar tranquila, porque o generoso ato de caridade que seu pai havia feito antes de morrer havia ganho para ele um bom julgamento.
A noviça perguntou a sua Mestra qual ato foi este, e soube que quando o Santo Viático foi trazido para ele, o açougueiro da cidade havia se juntado a procissão acompanhando o Santíssimo Sacramento. Diante de todos os presentes, o pai dela pediu a aquele homem que se aproximasse, apertou sua mão calorosamente e pediu perdão por algumas palavras duras que havia dito a ele de tempos em tempos, querendo que todos os presentes fossem testemunha da reparação que ele fez. (4)
Deus pune aqueles que falharam na caridade severamente, mas habitualmente Ele é muito misericordioso para com aqueles que praticaram esta virtude tão próxima ao Seu Coração.
A prática da mortificação
O terceiro meio de prestar satisfação neste mundo pelos pecados é a prática da mortificação e a obediência religiosa. A primeira e melhor mortificação é aquela que vem do cumprimento dos nossos deveres diários e suportar as provas que encontramos nesta vida em união com Cristo. Aquele que satisfaz os deveres e sofrimentos de cada dia, Pe. Schouppe observa, cedo irá avançar e impor voluntariamente sofrimentos sobre si mesmo para evitar as dores do Purgatório. (5)
Os Sacramentos
O quarto meio para expiar a punição temporal na terra é o constante uso dos Sacramentos, e especialmente a santa recepção da Extrema Unção ao aproximar-se a morte. Nosso Senhor admoesta no Evangelho para nos preparamos para a morte.
Seu desejo é que nós partamos do mundo purificados como meio de evitar a Justiça Divina. As dores ou doenças que ocorrem antes da morte devem ser oferecidas para este fim, quando a pessoa está espiritualmente bem. Por esta razão nós também devemos receber piedosamente a Extrema Unção em perigo de morte, tendo feito uma boa Confissão e Comunhão antes, se as circunstâncias permitirem.


A Extrema Unção prepara a alma para enfrentar o Julgamento de Deus

Para qualquer pessoa doente mesmo sem um perigo próximo de morte, os efeitos dos Sacramentos ajudam em suas necessidades espirituais. Pe. Schouppe diz-nos: "Estes divinos remédios purificam nossas almas de seus pecados, e aumentam o seu tesouro de graça santificante. Eles fortificam a pessoa doente, e permitem que ela suporte seus sofrimentos com paciência, que triunfe sobre os ataques do Demônio no último momento e que faça um generoso sacrifício de sua vida a Deus.
"Ademais, além dos efeitos que eles produzem na alma, os Sacramentos exercem uma salutar influência sobre o corpo. A Extrema Unção conforta especialmente a pessoa doente e alivia seus sofrimentos. Até mesmo restaura sua saúde, se Deus julga que este é um recurso para a salvação dela." (6)
Os Sacramentos são de benefício inestimável. Assim Satã tenta privar os fieis deles fazendo com que fiquemos negligentes ao recebê-los ou adiando indefinidamente recebê-los. Muitas almas caem nessa armadilha.
O efeito mais precioso da Extrema Unção é aquele que produz na alma a purificação dos restos da doença e leva embora, ou diminui, o débito da expiação temporal no Purgatório.

Deus pesa cuidadosamente misericórdia e justiça

 Cristo o Juiz - Misericórdia e Justiça perfeitas

O quinto meio de obter favor diante do tribunal de Deus é ter grande confiança em Sua misericórdia mesmo enquanto tem-se em mente que Sua misericórdia e Sua justiça são iguais. "Em Vós, Senhor, eu espero. Que eu não seja confundido na eternidade" diz o Profeta (Sl 20).
São Francisco de Sales costumava dizer que se ele considerasse apenas sua miséria, ele merecia ir para o Inferno. Mas cheio de humilde confiança na misericórdia de Deus e nos méritos de Jesus Cristo, ele esperava firmemente partilhar a felicidade dos eleitos.
"Nós devemos," disse ele, "morrer entre duas escoras: uma, a humilde confissão de que nós não merecemos nada a não ser o Inferno. A outra, de uma inteira confiança de que Deus, em Sua misericórdia, irá nos dar o Paraíso. Esperança em Deus! Aquele que acredita Nele não será confundido na eternidade!" (7)
Nosso Senhor mesmo nos deu provas de que devemos ter confiança ilimitada Nele quando disse ao bom ladrão Dimas: "Hoje estarás comigo no Paraíso".
Aceitação pacífica da morte

O sexto meio de evitar o Purgatório é a humilde e submissa aceitação da morte para expiar nossos peados. Este é um ato generoso pelo qual nós fazemos um sacrifício de nossa vida a Deus, em união com os sacrifícios de Nosso Senhor morrendo na cruz e de Nossa Senhora, Co-Redentora, permanecendo aos Seus pés.
Para fazer este ato em tempo de doença, o paciente deve entender sua condição e saber que seu fim está se aproximando. Portanto, é um grande dano esconder este conhecimento dele por causa de uma falsa delicadeza ou desejo de aliviar sua dor. "Nós devemos" diz Santo Afonso, "transmitir prudentemente à pessoa doente o conhecimento de seu perigo." (8)
Se o paciente tenta enganar a si mesmo com ilusões otimistas de uma cura em vez de resignar-se entregando-se nas mãos de Deus, ele causa um dano deplorável a si mesmo. Há muitas histórias de almas que morreram e foram para o Inferno ou tiveram que fazer expiação através de longos sofrimentos por causa de sua falta de submissão aos decretos do Criador.
Assistência assídua a Missa
Finalmente, outro meio eficaz que eu proponho para evitar o Purgatório é a assistência piedosa e assídua ao Santo Sacrifício da Missa, que é de valor infinito. A maior das assistências é dada as Pobres Almas em Missas oferecidas por suas intenções, especialmente as Trinta Missas Gregorianas (clique aqui).
Nós devemos, portanto, assistir a Missa tão frequentemente quanto possível, e mandar rezar Missas tanto para os viventes quanto para os mortos. Pois se a Missa é benéfica para as almas defuntas que sofrem no Purgatório, não é igualmente valiosa para as almas que ainda vivem na terra? Certamente, assistir devotamente a Missa é um dos melhores meios de encurtar ou mesmo de eliminar o Purgatório de alguém.
A proporção de salvos é pequena
O ensino unânime da Igreja e o testemunho dos Santos e místicos é que a maioria dos homens é condenada e poucos são salvos. O Céu não é todo povoado, afirma São Pedro Julião Eymard, que exclamou: "Ah! Como é muito pequeno o reino de Jesus Cristo!" (9)
Num sermão São Leonardo do Porto Mauricio nos diz: "Um de nossos irmãos, bem conhecido por sua doutrina e santidade, estava pregando na Alemanha. Ele descrevia a feiura do pecado de impureza tão energicamente que uma mulher caiu morta de tristeza na frente de todos. Então, voltando à vida, ela disse: 'Quando eu fui apresentada diante do Tribunal de Deus, 60.000 pessoas chegaram ao mesmo tempo de todas as partes do mundo; deste número três foram salvas indo para o Purgatório, e todas as restantes foram condenadas.'" (10)
Nossa Senhora de Fátima mostrou o Inferno a três crianças e disse a elas que as almas estavam caindo como flocos de neve numa cegante nevasca, a maioria por causa de pecados da carne, certamente uma moléstia universal em nossa sociedade. (11)
Este é um ensino difícil. Nós não gostamos da ideia de que quem quer que seja deva ser despachado para sofrimento eterno, mas este é o ensino constante da Igreja. Eu temo tristemente que o Céu não é realmente tão povoado como muitos imaginam, mas que o Inferno é bem povoado de fato.

Propósitos prudentes para evitar o Purgatório

 Nossa Senhora libertando uma alma do Purgatório

Finalmente, deixe-me adicionar diversos outros propósitos que devem evitar ou diminuir o Purgatório:
  1. Oração diária para morrer no dia de Nossa Senhora, o Sábado, para obter o Privilégio Sabatino e receber dignamente a Extrema Unção. ‘Se lúcida, a pessoa deve ter recorrer fervorosamente a Mãe Santíssima no leito de morte.
  2. A prática dos cinco sábados requerida por Nossa Senhora de Fátima a Irmã Lúcia em Tuy em 1925 é um meio importante de preparar para a morte e mitigar o tempo passado no Purgatório. Nossa Senhora pediu que por cinco Primeiros Sábados consecutivos, a pessoa vá para Confissão e Comunhão, reze cinco dezenas do Rosário e medite por 15 minutos sobre os mistérios do Rosário, tudo feito com intenção de fazer reparação ao Imaculado Coração de Maria.
  3. Outra devoção benéfica é a das Nove Sextas-Feiras, onde a pessoa recebe a Santa Comunhão na Primeira Sexta-Feira em honra do Sagrado Coração em nove meses consecutivos. Revelando esta devoção a Santa Margarida Maria Alacoque em 1670, Nosso Senhor fez 12 promessas àqueles que fizerem esta devoção.
  4. Pode-se também incluir em seu testamento e tornar conhecido de seus parentes seu desejo de uma ou mais séries de Trinta Missas Gregorianas a serem rezadas por sua alma após a morte. Se uma for o suficiente, as Almas do Purgatório irão se beneficiar das restantes.
  5. Outra sugestão é ler o livro do Pe. Schouppe sobre o Purgatório e colocar em ação todos os meios que ele descreve.
Em nossa barbárica cultura progressista, apenas a misericórdia é enfatizada. O tempo para justiça parece à mão nesta era de apostasia geral.
É opinião deste autor que a expiação total da punição temporal devida ao pecado é provavelmente raramente cumprida na terra pela maioria dos fieis e a expiação é completada apenas no fogo do Purgatório.
Atualmente é pensado e ensinado que quando a culpa é removida no Sacramento da Penitência nós temos um caminho reto para o Céu, o que é flagrantemente falso. Raramente é feita menção, se é que é feita alguma vez, sobre a expiação da punição temporal devido a todos os pecados. Nós devemos lembrar que no Inferno tudo é perdido por toda a eternidade. Portanto, é uma grande bênção ter o Purgatório onde pode ser feita expiação para que possamos atingir a salvação eterna.

Notas:
  1. Francis Xavier Schouppe, Purgatory Illustrated by the Lives and Legends of the Saints, NY: Benzinger Bros., 1893, p. 288.
  2. Livro 4, capítulo 1, in ibid., p. 288-289.
  3. Ibid., p. 299-300.
  4. Ibid., p. 300
  5. Ibid., p. 7.
  6. Ibid., p. 304
  7. Ibid., p. 306
  8. Ibid., p. 309-310.
  9. Veja aqui [em inglês].
  10. Ibid.
  11. Veja Mark Fellows, "Fatima: In the End," aqui [em inglês].
Original aqui.

Veja aqui todas as partes:

Parte I, Parte II, Parte III, Parte IV.