terça-feira, setembro 30, 2014

Dom Curzio Nitoglia: Sionismo e Nova Ordem Mundial



Sobre o Sionismo e a Nova Ordem Mundial, alguns textos de Dom Curzio Nitoglia:

Sionismo e Genocídio dos Palestinenses





 


 



sábado, setembro 27, 2014

Comentários Eleison: Castigo Chegando

Comentários Eleison – por Dom Williamson
CCCLXXVI (376) - (27 de setembro de 2014): 

CASTIGO CHEGANDO


            Padre Constant Louis Marie (1876-1966) não é um nome bem conhecido entre as almas a quem Deus deu a ciência de como irá corrigir o mundo atual, mas foi, para os que o conheceram, um sacerdote muito próximo de Deus. Doutor em teologia, professor de seminário, fundador de um convento para mulheres e de um seminário para homens, com uma grande devoção ao Sagrado Coração de Jesus e ao Imaculado Coração de Maria, ele foi inclusive amigo do Padre Pio, que disse sobre ele a alguns peregrinos franceses em San Giovanni Rotondo: “Por que vocês vêm me ver quando têm tão grande santo na França?”.

            Padre Pel passava noites na igreja, em pé e com a fronte apoiada no Tabernáculo, conversando com Deus em um estado de êxtase permanente. Morreu num acidente de carro logo depois do Vaticano II, mas não antes que um seminarista, um de seus filhos espirituais, tivesse a chance de anotar uma profecia sua, datada de 1945, referente ao castigo que atingiria especialmente a França. Aqui está, citada, ou abreviada:

            “Meu filho”, disse o Pe Pel, “saiba que com os pecados do mundo aumentando em horror à medida que esta época avança, grandes castigos de Deus descerão sobre a terra, e nenhum continente será poupado de Sua Ira. A França, por ser culpada de apostasia e por negar a sua vocação, será severamente castigada. Ao leste de uma linha que se estende desde Bordeaux, no sudoeste, até Lille, no nordeste, tudo será devastado e incendiado pelos povos invasores do oriente, e também por grandes meteoritos em chamas que cairão como uma chuva de fogo sobre toda a terra, e especialmente sobre essas regiões. Revoluções, guerras, epidemias, pragas, gases químicos venenosos, terremotos violentos e um novo despertar de vulcões extintos na França destruirão tudo...

              A França a oeste daquela linha será menos afetada... devido à fé enraizada na Vendeia e na Bretanha... mas qualquer dos piores inimigos de Deus que ali buscar refúgio do cataclismo mundial será encontrado, onde quer que se esconda,  e condenado à morte pelos demônios, pois a Ira de Deus é justa e santa. A intensa escuridão causada pela guerra, gigantescos incêndios e fragmentos de estrelas em chamas que cairão por três dias e três noites fará o sol desaparecer, e apenas as velas benzidas em Candelária (2 de fevereiro) darão luz nas mãos dos crentes, mas os ímpios não verão essa luz miraculosa, pois haverá escuridão em suas almas.

            Deste modo, meu filho, três quartos da humanidade serão destruídos, e em certas partes da França os sobreviventes terão de andar cerca de cem quilômetros para encontrar outro ser humano vivo... Muitas nações desaparecerão da face do mapa... Uma França assim purificada virá a ser a renovada ‘Filha Mais Velha da Igreja’, pois todos os Cains e Judas terão desaparecido nesse ‘Juízo sobre as Nações’”. Este não é ainda o fim dos tempos, mas tão grande é o castigo devido aos pecados das nações, que Nosso Senhor disse ao Pe Pel que será ainda mais grave do que a desolação no fim do mundo.

            Caros leitores, o que concluímos? Que cada um de nós se esforce ao máximo, principalmente com a ajuda dos sacramentos católicos que Deus nos deu com esse fim, para viver na graça divina e não em estado de pecado, e faça uso integral do tempo que Ele nos dá entre o agora e a Hora de Sua Justiça, para orar a fim de que o maior número possível de pecadores se arrependam e salvem suas almas para a eternidade quando o castigo se abater sobre nós. Deus, tende piedade. Maria, socorrei-nos.


Kyrie eleison.  

segunda-feira, setembro 22, 2014

Comentários Eleison: Contexto Alterado

Comentários Eleison – por Dom Williamson
CCCLXXV (375) - (20 de setembro de 2014): 

CONTEXTO ALTERADO


             A partir de argumentos contra o sedevacantismo, nos quais este é tido como um erro míope em face de uma situação completamente anormal, um amigo italiano (C.C.) formou uma visão mais extensa de tal situação. Mesmo sem ser um sacerdote ou teólogo, ele se aventura a opinar que o sedevacantismo é apenas uma de muitas tentativas na Igreja de ajustar a crise de hoje nas categorias de ontem. Não há dúvida de que a teologia católica não pode ser modificada, mas a situação real à qual essa teologia tem de ser aplicada sofreu uma profunda mudança com o Vaticano II. Aqui está um parágrafo chave seu sobre o que realmente foi alterado:

 
            “Por sua recusa da realidade objetiva da existência de Deus, bem como da necessidade de se submeter à Sua Lei, o mundo atual não é normal, assim como não o é a unidade católica presente, e tanto que substituiu Deus pelo homem no centro das coisas. A Igreja chegou a esse estado anormal de coisas não por um desvio repentino, mas seguindo um longo e complexo processo de afastamento de Deus, cujos efeitos diruptivos emergiram com o Vaticano II. Por centenas de anos os germes da dissolução foram cultivados dentro da Igreja, abrigados por homens aos quais foi permitido ocupar todos os postos da hierarquia, inclusive a Sé de Pedro.”

            
            Meu amigo prossegue afirmando que se alguém deixa de levar em consideração essa anormalidade generalizada do estado atual da Igreja, que é inacreditavelmente, mas seguramente, pior que nunca, corre o risco de tratar de uma realidade que não existe mais, com o emprego de termos de referência que não se aplicam mais. Assim, os sedevacantistas, por exemplo, dirão que os homens da Igreja de hoje devem saber o que estão fazendo, pois são homens inteligentes e instruídos. Não é assim, diz C.C., pois ainda que sua pregação e prática possam não ser mais católicas, eles estão convencidos de que são plenamente ortodoxas. O mundo todo enlouqueceu, e eles simplesmente enlouqueceram com ele, não por perda da razão, mas por terem desistido do uso dela; e a medida que sua fé católica segue enfraquecendo, vai se tornando mais difícil impedi-los de perdê-la por completo.    

          
            Alguém poderia, então, objetar que Deus teria abandonado a Sua Igreja. Como resposta, C.C. recorre a três citações das Escrituras. Em primeiro lugar, Lc 18, 8, onde Nosso Senhor pergunta se ainda encontrará a Fé na terra em Seu retorno. Obviamente, um pequeno restante de sacerdotes e leigos (talvez com alguns bispos) será suficiente para assegurar a indefectibilidade da Igreja até o fim do mundo (pense-se nas presentes dificuldades da “Resistência” em tomar forma). De modo similar, em segundo lugar, Mt 24, 11-14, onde é previsto que muitos falsos profetas enganarão muitas almas, e a caridade esfriará. E em terceiro lugar, Lc 22, 31-32, onde Nosso Senhor instrui Pedro a confirmar seus irmãos na fé depois de sua conversão, sugerindo fortemente que a sua fé iria primeiro falhar. Então, quase toda a hierarquia pode falhar, incluindo Pedro, sem que a Igreja deixe de ser indefectível, tal como quando todos os Apóstolos fugiram do Jardim de Getsêmane (Mt 26, 56).

 
            Concluindo, a visão de C.C. para a Igreja de amanhã ou de depois de amanhã é muito parecida com o que diz o Pe. Calmel: que cada um de nós cumpra com seu dever de acordo com seu estado de vida, e tome parte na construção de uma rede de pequenas fortalezas de Fé, cada uma com um sacerdote que assegure os sacramentos, mas doravante sem a teologia da Igreja atualmente inaplicável, sem a aprovação canônica cuja obtenção é inviável, e sem nenhuma parede divisória obsoleta sobre a qual a Fé terá fluído. Os fortes estarão unidos pela Verdade e terão contatos mútuos de caridade. O resto está nas mãos de Deus.

Kyrie eleison. 

 

sexta-feira, setembro 19, 2014

Novo estudo científico demonstra que a população está cada vez mais burra

Por Anti Nova Ordem Mundial






As pessoas estão cada vez mais burras? As gerações anteriores eram mentalmente mais inteligentes do que nós? É possível que alguns de vocês tenham suspeitado que as pessoas estão cada vez mais burras, mas agora temos evidências científicas à respeito.

E lamentavelmente, parece ser um fenômeno mundial.

Como explica um recente
artigo publicado pelo Daily Mail, as pontuações dos testes de coeficiente de inteligência (QI) estão caindo em praticamente todos os países...
Richard Lynn, psicólogo da Universidade de Ulster, calculou a diminuição no potencial genético dos seres humanos.
Richard Lynn

Lynn utilizou dados sobre o coeficiente de inteligência de todo o mundo entre 1950 e 2000 para descobrir que nossa inteligência coletiva reduziu em um ponto do coeficiente de inteligência.
O Dr. Lynn disse que se esta tendência continuar, poderíamos perder outros 1,3 de QI até 2050.
Um ponto de QI parece pouco, mas quando examinamos mais atrás no tempo, as quedas são ainda mais dramáticas.

Por exemplo, um professor e psicologia da Universidade de Amsterdam, Jan te Nijenhuis, calculou que temos perdido um total de 14 pontos de QI, em média, desde a época vitoriana (desde meados do século XIX ao início do século XX).
Há outros testes que mostram indícios de que este fenômeno está ocorrendo. Por exemplo, os resultados do SAT nos EUA (exame de admissão das universidades dos EUA) tem reduzido significativamente nos últimos anos..
Parece que há uma tendência preocupante na escolas secundárias dos EUA. Se julgarmos a qualidade da educação pelas pontuações que os estudantes recebem em seus SAT, então parece que as coisas estão piorando nos EUA.
Desde 2006, a pontuação do SAT em média geral diminuiu em 20 pontos, caindo de 1518 para 1498 em 2012. As pontuações tem caído em todas as categorias: 9 pontos em leitura, 4 pontos em matemática e 9 pontos em redação.
E esta queda e os resultados do SAT não se limita somente aos últimos anos.
Como indica o seguinte gráfico, os resultados do SAT tem diminuído nos EUA durante décadas...


Inclusive alguns cientistas que estão convencidos de que esta diminuição da capacidade mental dos seres humanos se remonta a mil anos. Alguns culpam as mutações genéticas por esta queda, e outros ao fato de que nossos cérebros estão cada vez menores.

Já falamos do deterioramento físico e psicológico da espécie humana em artigo anterior intitulado:
Cientistas demonstram que a humanidade está cada vez mais burra, menor e mais débil e do qual colocamos alguns trechos:

Um estudo da Universidade de Cambridge descobriu que a humanidade está reduzindo em tamanho de maneira significativa.

Os especialistas dizem que os seres humanos tem superado seu pico e que as pessoas de hoje em dia são 10% menores que seus antepassados caçadores-coletores.

E se isto não foi suficientemente deprimente, verifica-se que nossos cérebros também estão menores.

Os resultados contradizem a ideia comumente aceita de que o ser humano cresceu, uma crença baseada em dados mais recentes sobre o desenvolvimento físico.

A queda, segundo especialistas, tem ocorrido nos últimos 10.000 anos. Eles culpam a agricultura e o sedentarismo, envolvendo dietas restritivas e a urbanização, fatores que comprometem a saúde e que conduzem a propagação da doença.

Além disso, segundo geral R. Crabtree, da Universidade de Stanford, estamos perdendo a capacidade mental e isso tem ocorrido durante os últimos 6.000 anos.

A razão, segundo conclui Crabtree, se deve às mutações genéticas, que representam a coluna vertebral da evolução neodarwnista.

Como vimos, os novos estudos não fazem mais do que confirmar as suspeitas.

E se você não acredita, você pode ligar a sua televisão e terá a prova cabal disso...