quarta-feira, março 09, 2016

Mais do mesmo: a retratação do Padre Cardozo

Por Gederson Falcometa


O Padre Cardozo, ele próprio é a imagem do caos que instaurou, como podemos ler:

Em 2014 era contra os milagres fora da Igreja;
Em novembro de 2015 aceitava;
Em dezembro do mesmo ano passado, mudou de idéia de novo.

Se o Padre Trincado não tivesse dado a conhecer a sua contradição, os seus fiéis sequer saberiam que suas respostas eram uma retratação pública para algo dito em particular. Toda essa instabilidade só mostra que o caos está nele mesmo, falta-lhe solidez teológica. O Catecismo de São Pio X, ele só descobriu a partir de 28 de fevereiro de 2016. E mesmo assim, como já foi mostrado, faz dele uma leitura errônea [1]. Isso quer dizer que, o Padre que ensina o catecismo e condena Concílios Ecumênicos[2], não conhecia a princípio nem o próprio Catecismo. Se conhecesse o teria usado já em sua primeira defesa. Méritos de D. Williamson, que o fez ler o Catecismo, mas para melhorar, precisa estudar mais teologia, para não fazer leituras errôneas. Onde acaba colocando S. Agostinho, S. Tomás, Cardeal Leipicier e a generalidade dos Padres e Teólogos que aceitam a possibilidade de milagres fora da Igreja, contra o magistério de S. Pio X, que não compreendeu. Esse comportamento do referido Padre, o Papa Leão XIII falou dele como perigoso, quando condenou o americanismo através da Carta Encíclica Testem Benevolentiae, onde escreveu:

Estes perigos, a saber, a confusão entre licença e liberdade, a paixão por discutir e mostrar desprezo sobre qualquer assunto possível, o suposto direito de manter qualquer opinião que se agrade sobre qualquer assunto, e dar-lhe a conhecer ao mundo por meio de publicações, envolveram tanto as mentes na obscuridade que há agora, mais do que nunca, uma necessidade maior do ofício magisterial da Igreja, a fim de que as pessoas não se esqueçam tanto da consciência como do dever”. Testem Benevolentiae, 110 anos

Leão XIII mostra muito bem onde reside o caos. E como o magistério não é efetivamente exercido desde o encerramento do Concílio, temos o esquecimento tanto da consciência como do dever. Razão pela qual, sem nenhum remorso vemos o referido Padre vir a público acusar o Professor Nougué de não ser uma pessoa séria, comparando-o aos modernistas de Roma, dizendo que ele quis corrigir Nosso Senhor (rsrsrsrs), acusando o Padre Trincado de dizer sofismas, mas faz apenas acusações gratuitas sem demonstrar nada. Estranhamos isso, porque é um método notoriamente esquerdista, onde se desqualifica o adversário, para não responder aos argumentos. Algo como vimos na “contestação” de 30 de dezembro de 2015, quando o Padre Cardozo usou o título do livro de S. Tomás, sem no entanto abordar seu conteúdo. A utilização desses subterfúgios para fugir do debate, não tem nada de católico. Ademais, falso testemunho é pecado!


Notas:

[1] Conforme argumentamos no “Comentários a uma resposta sobre a polêmica dos milagres”:
“O fiel que ler com retidão de coração a História eclesiástica verá resplandecer a santidade da Igreja, não só na santidade essencial de sua cabeça invisível, Jesus Cristo, na santidade dos Sacramentos, da Doutrina, das Corporações religiosas, de muitíssimos de membros, mas também na abundância dos dons celestes, dos sagrados carismas, das profecias e milagres com que o Senhor (negando-os às demais religiões) faz brilhar  à face do mundo o dote da santidade que está adornada exclusivamente sua única Igreja.” (Breves noções de história eclesiásticas, n°139, Catecismo de São Pio X).

Mas o que realmente disse Santo Tomás? Teria dito o Doutor Angélico que Deus concedeu as demais religiões fazer milagres? Quantos méritos para Padre Cardozo: estar mais certo que Santo Tomás! Bom, não sabemos de qual afirmação ele fala, não a cita, mas de qualquer modo, afirmar que existem milagres fora da Igreja de forma extraordinária, não significa necessariamente, e automaticamente, que se está afirmando que Deus concedeu às demais religiões fazer milagres.  Bem, como não significa que Deus concedeu a outras religiões salvar os homens, por poder haver salvação de forma extraordinári fora da Igreja. Se Santo Tomás tivesse contradito o Catecismo de São Pio X, ele teria defendido que o milagre da sacerdotisa Vestal, seria não a confirmação de sua virgindade, mas de seu sacerdócio, de seu culto e de sua falsa divindade Vesta. Contudo, não foi o que S. Tomás defendeu. Se estou errado, talvez, você queira trazer para nós em qual lugar S. Tomás cita que Deus concedeu as demais religiões o poder de fazer milagres, pode fazer? O que Santo Tomás disse, está plenamente de acordo com o Catecismo de São Pio X, não o contradiz de modo algum! Quem leu as respostas dadas pelo Professor Nougué, não tem dificuldade nenhuma em constatar isso.

[2] A consagração condenação formal do Concílio é nula. Nossa Senhora não pode aprovar o erro, não pode aprovar que um Padre faça aquilo que só um Papa pode fazer. Se Nossa Senhora pode aceitar que um Padre condene um Concílio Ecumênico, porque também não poderia aceitar que o Padre Cardozo, fizesse a Consagração da Rússia?