quarta-feira, março 30, 2016

O Padre Pfeiffer e o falso bispo Moran: é um dever avisar os fiéis



O "Bispo" Moran com P. Pfeiffer e Gregory Taylor, editor de "The Recusant"


"Infelizmente, é evidente a necessidade de denunciar estas ações com os dois estudos do caso Moran. Se não o fizermos, há um grave perigo de comprometer os princípios e a unidade da Resistência Católica. Nós, como Católicos, não podemos tolerar que aqueles que afirmam combater pela Fé Católica se associem com um comprovado cismático e impostor."  
P. Juan Carlos Ortiz  


É importante que os fiéis da Resistência fiquem atentos ao que está acontecendo. Vejam bem com quem o Padre Pfeiffer e o Padre Hewko estão se associando. Existe um estudo de 36 páginas do Padre Ortiz que mostra que o tal "Bispo" Moran, não é bispo de coisa alguma, muito menos da Igreja Católica. Agora, vocês podem se perguntar, por que ir atrás de um "Bispo" de passado duvidoso, de referências tão obscuras?


"Está claro que os Padres queriam forçar o Bispo [Williamson] a ordenar seus seminaristas, mas sem cumprir com as demandas do Bispo. Esta foi a causa principal que deu início a oposição entre o P. Pfeiffer e Mons. Williamson. Daí o desespero dos Padres para encontrar um “bispo” para ordenar seus seminaristas a qualquer custo. Então apareceu Moran" (Non Possumus)

Mais um trechinho traduzido de Non Possumus, muito importante:
"Enquanto os Padres não: 1) denunciem Moran como não-católico, 2) retratem-se forte e claramente de sua associação com Moran e 3) façam una cerimônia de reparação em sua capela profanada:
"-Nenhum sacerdote deve celebrar Missa em sua capela ou participar em nenhuma cerimônia religiosa ali;
"-Os fieis não devem assistir a nenhuma cerimônia religiosa nessa igreja;
"-Os sacerdotes e fieis tem a OBRIGAÇÃO de separar-se do apostolado dos Padres, rejeitando seu ministério, rejeitando enviar vocações ao seu seminário, e rejeitando apoia-los financeiramente.
"Em tempos normais da Igreja, as autoridades haveriam forçado os Padres a fazer estas coisas. Em nossa situação, esta atitude com relação aos Padres é um dever de consciência.
"Caso contrário, qualquer um que se associe a eles, intencionalmente e voluntariamente, será cúmplice de suas ações porque implicaria colaboração na associação dos Padres com Moran."



Veja os artigos completos em Non Possumus (em espanhol):

EL P. PFEIFFER Y EL FALSO OBISPO MORAN: ES UN DEBER PREVENIR A LOS FIELES Parte 1 

EL P. PFEIFFER Y EL FALSO OBISPO MORAN: ES UN DEBER PREVENIR A LOS FIELES Parte 2