quinta-feira, julho 21, 2016

O Cristianismo e os pobres ao longo do tempo




Os primeiros cristãos

• Como se lê em Explosion de charité - par les Dominicains d'Avrillé, desde seu aparecimento o cristianismo é como uma explosão de caridade. Em Jerusalém, os primeiros cristãos vendem seus bens para dar aos pobres (At 4, 32).
• O pagão Luciano de Salmósata (125-192) zomba muito dos cristãos em sua sátira Peregrinus. Mas reconhece seu “incrível afã” de exercer a caridade: “Eles não se poupam incômodo, nem despesas, nem trabalho”.
• Em face dos perseguidores, os primeiros cristãos podiam declarar: “O estado esqueceu que nos deve a vida de seus pobres, que pereceriam, ah! se não os viéssemos socorrer?” (Tertuliano).
• O diácono Lourenço reúne os pobres socorridos pela Igreja: “Eis os tesouros dos cristãos, não temos outros”.

Século IV

• Desde o fim das perseguições (313), riquíssimos romanos convertidos ao cristianismo vendem todos os seus bens para pôr-se, eles mesmos, ao serviço dos pobres: Melânia, o senador Paulino, et alii.

Idade Média

• Os reis cristãos destacam-se por sua caridade. Santo Estêvão da Hungria († 1038) lava, ele mesmo, os pés dos pobres. Santo Eduardo da Inglaterra († 1066) despoja-se para socorrê-los. Santa Margarida, rainha da Escócia († 1093), e Santa Elisabete da Hungria († 1231) passam literalmente a vida a ocupar-se dos pobres. São Luís, rei da França († 1270), reúne toda semana os pobres em sua câmara para servi-los, ele mesmo, à mesa. E citem-se ainda Santo Edmundo, São Casimiro da Polônia, São Leopoldo da Áustria, Roberto, o Piedoso, Santa Brígida da Suécia, Santa Edviges da Silésia, Santa Margarida de Saboia, et alii.   

Tempos modernos

• Século XVII: as Filhas da Caridade, de Santa Luísa de Marillac; século XVIII: as Filhas da Sabedoria; século XIX: as Pequenas Servidoras dos Pobres, de Joana Jugan: todas estas e dezenas de outras congregações ou famílias religiosas surgem regularmente para socorrer os miseráveis, atraindo centenas e milhares de almas que se sacrificam inteiramente à caridade.