quinta-feira, junho 29, 2017

O problema dos espíritas é grave



O problema dos espíritas é grave. Por mais que sejam dadas respostas racionais (verdadeiramente racionais e não pseudo-racionais como as apresentadas pelos "espíritos") às suas indagações, eles não se abrem para ver. Suas mentes ficam envolvidas na ideologia progressista-evolucionista que prega a reencarnação. Falta humildade e sobra orgulho: o espírita (e espiritualista em geral, os reencarnacionistas principalmente) pensa que é dono de seu “destino”, pensa que escolhe sua rota, mas se contradiz pois ao lado do livre-arbítrio eles impõem a necessidade de TODOS os seres humanos chegarem à perfeição. Ora, se todos tivessem mesmo que chegar obrigatoriamente ao que eles chamam de perfeição, então não haveria livre-arbítrio, e sim determinismo. Mas como ao espírita falta um conhecimento básico de filosofia e metafísica, além de faltar o mais importante: a fé, é difícil para eles entenderem algo tão simples.

E o pior é que acusam aos cristãos de serem obtusos, de terem uma mente fechada e de não usarem a razão. Bom, basta observar a realidade para descobrir que quem não usa a razão são eles que se apegam aos dogmas de Kardec como se fossem a mais pura verdade (e ainda ousam sustentar que o espiritismo não possui dogmas...). Apegam-se às mentiras ditadas pelos “espíritos” nos livros da codificação kardequiana. E quando são confrontados pelas bobagens escritas no Livro dos Espíritos, por exemplo, chegam ao cúmulo de dizer que tudo evolui e que as respostas que naquele tempo não puderam ser dadas, hoje o são. Ora, e que grande mistério tinha que ser escondido da humanidade no século XIX? Os satélites de Marte, que hoje sabemos existir e que os “espíritos” diziam não existir? É realmente de uma enorme puerilidade crer que tais respostas não foram dadas a contento naquela época por falta de preparo da humanidade. È mais do que isso, é cegueira. E se nestes casos os “espíritos” erraram, então porque deveríamos confiar neles?

Vejamos alguns erros encontrados nos livros de Kardec:

"o Sol não seria um mundo habitado por seres corporais, mas um local de reunião de Espíritos superiores que, de lá, irradiam seus pensamentos para outros mundos (...) Todos os sóis parecem estar numa posição idêntica" (A. Kardec, Livro dos Espíritos, op cit, q. 188, p. 110).

-como constituição física, o Sol seria um foco de eletricidade.

-O movimento dos astros é circular (GEN, cap. VI, p.100);

-Marte não possui satélites (GEN, cap. VI, p. 103);

-O universo é eterno (GEN, cap. VI, p. 113);

-A alma da Terra é a coletividade dos Espíritos encarregados de elaborar e dirigir seus elementos construtivos (GEN, cap.VIII, p. 147)

-Todos os globos que circulam no espaço são habitados, inclusive as estrelas (LE, q. 55, p. 60)."

Coisas absurdas, e o mais absurdo é que os espíritas não consigam enxergar isso.

Já fui espírita e li e reli todos os livros de Kardec, além de centenas de outros livros espíritas (inclusive os livros dos grandes nomes do espiritismo, como Leon Denis, Delanne...), fiz parte de grupos de estudos em centro espíritas, freqüentei reuniões e palestras. Depois de muito peregrinar por diversas pseudo-doutrinas do espiritualismo, cheguei ao catolicismo e estou feliz da vida, sinto-me leve, é indescritível o que vivo hoje! Só tenho o que agradecer a Deus e oro muito para que os espíritas (principalmente os que estão à minha volta, família e amigos) saiam deste caminho de erro e se salvem.


Hoje sou feliz porque sei que um ser humano nunca poderia se salvar por si só e que é preciso que Deus faça isso por nós. Sei que a experiência humana não pode ser repetida, pois nada no Universo pode se repetir. Sei que Deus é tão bom que deixa que nós escolhamos o caminho a seguir: com Ele o Paraíso, sem Ele o Inferno. É Bom e Justo, nos ama e está de braços abertos para nos receber.