sexta-feira, julho 21, 2017

Espiritismo e o ensino das Escrituras



Alguém, que não lembro agora, escreveu isto:


Não há como sustentar o espiritismo pelas Sagradas Escrituras, nem no Velho e nem no Novo Testamento, a não ser que se extirpe o Velho e rasgue-se diversas páginas do Novo. 


Jesus disse:



"Não penseis que vim destruir a Lei e os profetas; não vim destruir, mas sim cumprir. Porque em verdade vos digo que, enquanto não passar o céu e a terra, não desaparecerá da lei um só jota ou um só ápice, sem que tudo seja cumprido" (Mt V, 17).



E Jesus não só fez esta e outras promessas, como proibiu que se modificasse:



“se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida e da Cidade Santa, que estão escritas neste livro."



E considerando-se superior a Jesus, com exacerbada petulância e soberba, o órgão oficial da Federação Espírita Brasileira, o Reformador, de janeiro de 1953, p.23, declara:



"Do Antigo Testamento, já nos é recomendado somente o Decálogo, e do Novo Testamento, apenas a moral de Jesus; já consideramos de valor secundário ou revogado e sem valor algum mais de 90% do texto da Bíblia" 




E já antes, o PRESUNÇOSO Kardec, declara-se detentor da terceira aliança, contrariando o que Jesus prometera:


"TOMAI, TODOS, E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR MUITOS PARA REMISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM."


Jesus não só fez essa promessa de não modificar, como proibiu que o fizesse:



“se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida e da Cidade Santa, que estão escritas neste livro." Ap 22-18.



Esses 10% que os Espíritas consideram da VERDADE, são para dar credibilidade as suas MENTIRAS.