quinta-feira, agosto 09, 2018

A Guerra Progressista Contra a Família

Por Lyle J. Arnold, Jr.
Traduzido por Andrea Patrícia

Os Bispos Americanos atacaram o casamento e a família ao conceder tantas anulações
America, 18 de outubro de 2004.


Samuel S. Leibowitz foi advogado criminal por 21 anos, e juiz por 16 anos na corte criminal do Brooklyn. Em 1950, os crimes da juventude haviam alcançado um estágio crítico, Leibowitz começou a criticar as "soluções" do estado de bem estar social ao lidar com a crise. Eles estavam ignorando a causa dos crimes, e e tratando apenas dos efeitos dos delitos juvenis: "fazendo toques de recolher adolescentes e mais áreas de lazer, punindo os pais pelos crimes de seus adolescentes, conseguindo mais assistentes sociais, montando um departamento federal sobre delinquência juvenil, estabelecendo comitês psiquiátricos para pesquisar a psique adolescente."

O juiz averiguou que o país com a mais baixa taxa de crimes juvenis era a Itália. Intrigado, ele resolveu investigar a razão para esta evidência direta, então ele viajou para lá e passou semanas em várias cidades italianas, conversando com os comissários de polícia, diretores de escolas, prefeitos, etc. E ele encontrou a resposta: a juventude na Itália respeitava a autoridade, que começava em casa. A fortiori, ela começava respeitando a autoridade do pai. Mesmo nas famílias mais pobres, o pai era respeitado pela esposa e pelos filhos como seu chefe. Ele formulou este achado, afirmando: "Nove palavras que podem parar a delinquência juvenil: Ponha o pai de volta à cabeça da família" (1). Agora, vamos avançar para o século XXI.

A hierarquia e o clero progressistas da Neoigreja não apenas não reconhecem esta simples verdade descoberta pelo juiz, mas com sua política de fácil anulação, declararam guerra a família em si. De fato, até 2002 os Bispos haviam concedido 50.000 anulações de casamentos anualmente (2).

Este ataque violento contra o Sacramento do Matrimônio e contra a necessidade espiritual e social por famílias estáveis não é nada menos que diabólico. É dito que a Revolução Francesa de 1789 desencadeou mais revoluções. Ela levou europeus esquerdistas com tendência ao anarquismo ou – para usar uma expressão de Fromkin - seguindo Nietzsche, a um clima de "esmagar as coisas" (3).

Pode-se dizer que a Revolução do Vaticano II, é também uma consequência da Revolução Francesa, pior ainda que a de 1789. Ela esmagou tudo o que foi uma vez parte do sagrado passado católico. Uma vez que o punho Nietzschiano esmagou uma família, ela nunca mais será a mesma, é impossível. Uma vez quebrada, sua própria natureza foi modificada.

Deirdre e seu esposo, um talentoso médico, foram casados por 28 anos com três filhos. Ele solicitou, e conseguiu, uma anulação do Tribunal Metropolitano da Arquidiocese de Boston. (4) Estes Bispos alegam com "uma certeza moral" que para começar nunca houve casamento porque na época do casamento, havia uma "falta de discrição necessária" da parte do marido.

Fazendo uma análise simples sobre a decisão do Tribunal, eis como a esposa relata a sentença do Tribunal:

"Em setembro de 1965, este homem, com 31 anos de idade, com inteligência acima da média, não psicótico, não coagido, vindo de um ambiente familiar normal, sofria de algum distúrbio que fez com que ele não fosse capaz de entender o que o matrimônio implica ou a não cumprir as suas obrigações. Este distúrbio aparentemente continuou não detectado por 38 anos e inadvertidamente o impediu de alguma vez experimentar um verdadeiro casamento mesmo que ele tenha tornado-se pai e criado três filhos, e ele era um médico bem sucedido também" (5).


São Thomas Morus foi assassinado por sua oposição a anulação

Como o marido de Deirdre casou-se novamente logo após a anulação, ela fez esta pergunta final:

"Concedamos por um momento que [o Tribunal estava] correto. Por que então deixar uma pessoa com tal julgamento deficiente casar-se novamente oito semanas depois na Igreja Católica?" (6).

Dificilmente pode-se acusar alguém de ser sarcástico hoje em dia se ele acusa a hierarquia atual de acreditar que o martírio de São Thomas Morus - que morreu porque recusou conceder ao Rei uma anulação imprópria - não tinha sentido, que não foi nada mais do que um ato de fútil espetáculo de ostentação. Entretanto, como se o escândalo de anulação não fosse ruim o bastante, adicione a isto o fato de que um pároco de hoje "pode esperar que cerca de 97% a 99% de seus recém-casados estarão usando métodos de controle de natalidade” (7).

O filósofo inglês Edmund Burke disse uma vez: "Tudo o que é necessário para que o mal triunfe é que os bons não façam nada." O juiz Leibowitz começou sua investigação sobre criminalidade juvenil porque ele percebeu que o que estava sendo tratado era o efeito do crime, não a causa. Ele foi um homem bom que fez alguma coisa. 

Nós podemos dizer que nossa hierarquia católica é formada por homens bons fazendo nada? Eu acho que é mais do que isso. Eles são líderes de almas que estão fazendo um mal incalculável porque eles adotaram uma latrina de ideias progressistas, com a qual eles dirigem os fiéis. Uma evidência que nos mostra que nossos Pastores tornaram-se lobos é a permissão que eles deram a incontáveis anulações, ou, melhor dizendo, divórcios católicos.

O caminho para o inferno é pavimentado de boas intenções, diz a máxima. A filosofia de Rousseau ecoou isso quando ele disse: "O único dever do homem é seguir em tudo a inclinação do seu coração" (8). Os líderes da Neoigreja certamente devem concordar com Rousseau. Seus corações foram transformados para cumprir sua agenda progressista. 



Notas:

1."This Week," 12-15-57. Condensado na edição de março de 1962 pela Reader's Digest intitulado, "Nine words that can stop juvenile delinquency."
2. The Remnant, 12-15-06.
3. David Fromkin, Europe's Last Summer, NY: Alfred A. Knof, 2004, p. 39.
4. Sheila Rauch Kennedy, Shattered Faith, NY: Pantheon Books, 1997, p. 43.
5. Ibid.
6. Ibid.
7 Catholic Family News, 1-06, p. 11.
8 The Latin Mass magazine, Spring 07, 30.


Original aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.