quarta-feira, setembro 18, 2019

Psicopatas: Guia de Sobrevivência

0 comentários



Embora ninguém seja completamente imune às maquinações dos psicopatas, aqui vão algumas dicas para lhe ajudar a escapar antes de cair na armadilha de um deles.

  1. Saiba com quem você está lidando – Isso parece uma tarefa fácil, mas pode ser de fato bastante difícil. Todo o conhecimento adquirido por meio de leituras não o tornará necessariamente imune aos efeitos devastadores da ação de um psicopata. Qualquer um, incluindo especialistas em psicopatia, pode ser ludibriado por um deles. “A bajulação excessiva, o agradar afetado e pouco realista é uma das táticas dos psicopatas para nos cegar, seduzir e encobrir suas verdadeiras intenções: manipulação e controle”, afirma a psiquiatra Ana Beatriz. Portanto, olhos bem abertos!
  2. Não se deixe influenciar facilmente – Não é fácil ficar imune ao sorriso encantador, à linguagem corporal cativante e ao modo rápido de falar típico do psicopata. Ele se utiliza dessas técnicas para cegar suas potenciais vítimas, ocultando suas reais intenções, que são a autogratificação e o exercício do poder. Esteja atento.
  3. Fique atento quando conhecer alguém – Não seja ingênuo. Quando conhecer uma nova pessoa, seja um colega de trabalho, um amigo ou um namorado, procure pelos sinais de alerta. Não compartilhe coisas importantes de sua vida nos primeiros encontros. Sociopatas, bem mais do que qualquer outra pessoa, sabem como camuflar perfeitamente o seu lado negro, para darem uma boa primeira impressão. Mais cedo ou mais tarde, contudo, eles sempre deixam escapar alguma coisa. Se você estiver atento, poderá pegar o fio do novelo e descobrir muita coisa escondida...
  4. Tenha especial cuidado em determinadas situações – Algumas situações são especialmente chamativas à ação de psicopatas: bares, cruzeiros, aeroportos internacionais. Em todos esses casos, a vítima em potencial está só e em busca de passa-tempo ou de divertir-se em boa companhia. É precisamente aí que surge o predador.
  5. Conheça-se a si mesmo – Psicopatas são incrivelmente habilidosos em explorar os pontos fracos das pessoas. Como já dissemos, eles são especialistas em detectá-los. Sua melhor defesa é conhecer suas próprias vulnerabilidades e ficar antenado a qualquer um que se fixe nelas.

Infelizmente, por mais precauções que tomemos, nada pode garantir que não seremos pegos desprevenidos. Se você foi ou está sendo vítima de um sociopata, procure reduzir ao máximo os efeitos nocivos de suas ações. Sabemos que não é fácil, mas estas sugestões poderão ser úteis:

  1. Procure a ajuda de um profissional – Médicos e psicólogos com experiência em sociopatia estão aptos para oferecer o suporte de que você necessita. Portanto, não hesite em procurá-los.
  2. Não se culpe e não deixe que ele lhe culpe – Quaisquer que sejam as razões por você ter se envolvido com um sociopata, é de fundamental importância que você não se culpe pelas atitudes e comportamento dele. Ele tentará convencê-lo de todas as formas que você é o culpado por ele estar agindo como age. Ele tem uma habilidade incrível de inverter os papéis, transformando você no algoz e se transformando, ele mesmo, na vítima. Nunca aceite o seu jogo. Não acredite também quando ele disser que age da mesma forma com todas as pessoas e que somente você é sensível. Tenha convicção plena de que a vítima é você e não ele.
  3. Saiba que você não está sozinho – Na maioria das vezes, os ataques de um sociopata não se restringem a uma única pessoa. Sendo assim, é bastante provável que outros também estejam sendo, de uma forma ou de outra, vítimas da mesma pessoa que lhe agride, e é bem provável que você fique sabendo de alguma história semelhante à sua. Se este for o seu caso, tente uma aproximação com seus companheiros de sofrimento. O apoio que eles lhe darão é de valor inestimável para que você consiga se libertar, primeiro emocional e depois totalmente, do seu algoz. Mas tenha em mente que, assim como você, todas as vítimas simpatizam pouco com a idéia de falar sobre o assunto, por temerem retaliações. Lembre-se também de que o agressor está atento aos seus passos, e tentará o quanto puder mantê-lo afastado das pessoas que podem de alguma maneira ajudá-lo a sair da situação em que você está, seja por vindicar onisciência quanto a tudo o que você conversa e faz, seja por caluniá-lo, ou então por ameaçá-lo abertamente, obrigando-o a se manter longe dos outros.
  4. Não se esqueça: psicopatas têm uma forte necessidade de exercer controle físico e mental sobre as outras pessoas. Lutar contra eles não será fácil e poderá lhe custar muito desgaste e sofrimento, emocional e/ou mesmo físico.
  5. Estabeleça as regras do jogo – Como dissemos, a disputa de poder com um psicopata é tarefa árdua, podendo inclusive se tornar arriscada. Contudo, você deve estabelecer limites fixos para ele. Não permita que ele perpetue as agressões e não caia no jogo que ele fará para despistá-lo de seu objetivo.
  6. Não espere mudanças dramáticas – É bastante improvável que qualquer coisa que você venha a fazer produza alguma mudança real e duradoura no modo como o seu agressor encara a vida e trata os outros. Não assuma para você a tarefa de transformá-lo numa pessoa de bem.
  7. Não caia no jogo do coitadinho – Uma das maneiras que o sociopata utilizará para se manter no poder é apelando para a sua compaixão. Quando perceber que você está ameaçando escapar, ele poderá apelar para a sua compaixão, teatralizando arrependimento, alegando carência afetiva, problemas financeiros ou alguma doença. A psiquiatra Ana Beatriz afirma: “A piedade, a compaixão e a solidariedade são forças para o bem quando direcionadas às pessoas que de fato merecem e precisam de tais sentimentos. No entanto, quando esses mesmos sentimentos são direcionados a pessoas que apresentam comportamentos inescrupulosos de forma consistente e repetitiva, temos que considerar isso como um aviso de que algo está muito errado. É um sinal de alarme que não podemos ignorar.”
  8. Pule fora o quanto antes – A imensa maioria das vítimas dos psicopatas termina por se sentir confusa e sem esperança. Ficam convencidas de que são as culpadas pelo insucesso do relacionamento. E no afã de corrigir o problema, continuam cedendo mais e mais, alimentando uma esperança vã. O melhor a fazer é simplesmente aceitar o fato de que você foi enganado e saber que, quanto mais ceder, mais o psicopata vai levar vantagem às suas custas. Ele tem uma sede insaciável por controle e poder. Pule fora. A sociopatia é uma doença difícil de ser detectada, já que o sociopata se esconde por trás de suas máscaras o tempo inteiro. Por esse motivo, mesmo após anos de convivência, pouquíssimas pessoas são capazes de compreender o “lado negro” dessas criaturas, ainda que tenha relances dos seus maus comportamentos. Sendo assim, afaste-se do seu agressor o quanto antes, ainda que todos à sua volta não compreendam sua atitude e lhe julguem mal. A única maneira de vencê-lo é se afastando dele. Portanto, force-se a cumprir esta regra: contato zero.
  9. Associe-se a grupos de apoio – Procure ajuda de pessoas que estão sofrendo com o mesmo problema. A internet está repleta de fóruns de discussão sobre o tema, embora a maioria deles em inglês. Uma busca rápida no Google será de grande valia.
  10. Cuidado com as recaídas – Mesmo após meses ou anos, o sociopata poderá querer lhe laçar de novo. Ele virá com os mesmos recursos de sempre, talvez dizendo que mudou, que agora é uma outra pessoa. Cuidado! Lembre-se disto: psicopatas nunca mudam!


terça-feira, setembro 17, 2019

Comentários Eleison: Racismo Branco? - II

0 comentários

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXXXV (635) - (14 de setembro de 2019)


RACISMO BRANCO? – II


A raça branca deve retornar a Deus, ou perecerá em sua apostasia.
Ele não está ultrapassado nem é mera fantasia!

Acompanhando estes "Comentários" da semana passada, um leitor observou que o título deveria ter sido "Racismo antibranco". Ele está evidentemente certo, no sentido de que o antagonismo está partindo hoje muito mais dos não brancos para os brancos do que dos brancos para os não brancos; mas o que importa para todos nós é aliviar o antagonismo, seguindo qualquer direção racial, entendendo o que está por trás dele. Em última instância, são os liberais que atualmente dirigem o mundo que querem expulsar o Deus Todo-Poderoso de Sua Criação para que eles possam tomar o Seu lugar. Como bons "liberais", eles querem, sobretudo, a liberdade em relação a Deus. De que serve a liberdade de qualquer coisa ou de qualquer pessoa, se não estiver livre de Deus e de Seus Dez Mandamentos?

Ora, quando Deus encarnou, a religião que Seu Filho instituiu espalhou a Cristandade por todo o mundo, onde, nas palavras de São Paulo, todos os que são batizados em Cristo se revestiram de Cristo, de tal modo que “Não há judeu nem grego, não há escravo nem livre, nem homem nem mulher, porque todos vós sois um só em Jesus Cristo” (Gal. III, 27–29; Col. III, 11). Essa doutrina significa que, onde o cristianismo prevalece, antagonismos tais como o "antissemitismo", o "racismo" e o "feminismo" tendem a dissolverem-se, porque todos estão submersos no batismo em Cristo. Mas e se os homens rejeitam Cristo? Não voltarão para a superfície todos os antagonismos entre judeus e não judeus, entre não brancos e brancos, entre homens e mulheres?

Eles voltarão, e serão piores depois da Cristandade do que eram antes, porque o cristianismo permitiu aos homens conhecerem a Deus como eles nunca haviam conhecido antes, e conhecerem também a igualdade absoluta de todos os homens perante Deus, uma igualdade que pertence à eternidade, que diminui as múltiplas desigualdades entre os homens nesta curta vida na terra. Antes da Cristandade, os homens aceitavam naturalmente essas desigualdades como sendo parte da vida contra a qual era tolice protestar – as desigualdades estavam simplesmente ali. Sob a Cristandade, a humanidade aprendeu a ser consolada pelas desigualdades, que ainda existem, pela suprema igualdade da eternidade. Mas depois da Cristandade, a fé cristã, Cristo, o céu e a eternidade se foram, de modo que as desigualdades desta vida, que não desapareceram, são sentidas mais intensamente do que nunca.

Com efeito, os liberais, fazendo o melhor que podem para acabarem com a Cristandade, conservaram dela alguns traços, como o da suprema igualdade entre todos os homens, mesmo tendo se desfeito do Deus em quem essa igualdade se fundou. Portanto, a igualdade da eternidade deve agora ser comprimida entre dez e setenta anos. É como tentar enfiar um litro de líquido em uma pequena caneca. Não acontecerá. Mas eles farão de tudo para que isto ocorra. E aqui está o motivo pelo qual os liberais estão sempre lutando contra a realidade. Eles são pós-cristãos que tentam encaixar numa vida curta alguns ideais de Cristo que têm dimensões de eternidade. Eles sentem falta da Cristandade, mas não querem Cristo; por isso, se esforçam obstinadamente para recriar a Cristandade sem Cristo, uma empresa fadada ao fracasso. Mas eles voltarão a Cristo? Nunca! "Liberdade, Igualdade, Fraternidade!"

Assim, a liberdade cristã em relação ao pecado, para o Céu, deve ser transformada em liberdade em relação a qualquer opressão terrena, real ou imaginada, liberdade para a Revolução; a igualdade cristã diante de Deus, para a eternidade, deve ser transformada no nivelamento de todas as superioridades reais da terra, que não desaparecerão, por mais que os liberais se esforcem; e, por último, a fraternidade em Cristo, a verdadeira fraternidade de todos os homens como filhos do único e verdadeiro Deus, deve ser substituída pela associação artificial de todos os homens em instituições como as Nações Unidas, que só podem fracassar.

Concluindo, a raça branca recebeu de Deus dons especiais, naturais e sobrenaturais, para levar Cristo e Sua Igreja para toda a humanidade. Sempre que fazia isso, toda a humanidade se beneficiava, e os homens em todo o mundo se encaminhavam para o Céu, sem ressentimentos e com muita gratidão pela raça que estava abrindo seu caminho para o Céu. Mas quando essa raça deixou de servir a essa função, o resto da humanidade se sentiu instintivamente traída, e o "racismo" se desencadeou, como nunca antes. Brancos, se vocês não gostam de racismo antibranco, rezem o Rosário: 15 Mistérios por dia.

Kyrie eleison.

quarta-feira, setembro 11, 2019

Falsidade e Insinceridade dos Psicopatas

0 comentários


O psicopata demonstra uma marcante desconsideração pela verdade e não deve ser levado em consideração quando faz relatos sobre o passado, promessas sobre o futuro ou fala de suas intenções presentes. Ele faz promessas solenes e se esquiva de acusações, sejam elas graves ou banais, com a maior facilidade. 

Em seus mais solenes perjúrios, não tem a mínima dificuldade em olhar tranquilamente nos olhos das outras pessoas: transparência e confiabilidade parecem fazer parte deles. Por outro lado, em algumas situações, o psicopata reconhece os seus próprios erros (especialmente quando está para ser descoberto) e aparenta encarar as conseqüências deles com singular honestidade e coragem. É realmente difícil expressar quão completamente honesto e normal um psicopata pode parecer ser. Psicopatas conseguem ludibriar não somente aqueles que não estão familiarizados esse perfil de comportamento, mas frequentemente também os que já conhecem bem sua capacidade de aparentar honestidade. 

Depois de serem pegos em graves e embaraçosas falsidades, depois de violarem repetidamente seus mais solenes juramentos, o psicopata facilmente fala da honradez de suas palavras e de seu caráter, demonstrando surpresa e vexame quando se diz o contrário sobre eles.

domingo, setembro 08, 2019

Comentários Eleison: Racismo Branco? - I

0 comentários
 Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXXIX (634) - (7 de setembro de 2019)



RACISMO BRANCO? – I


Homens gentios brancos, a resposta em vocês reside:
Deus lhes deu trabalho para fazer, por toda a humanidade!

A raça dos homens brancos, como são chamados, dispersa por toda a face da terra, mas especialmente concentrada na Europa, está sofrendo atualmente desprezo e perseguição em toda a face da terra. E de quem é a culpa? A culpa é principalmente dos próprios brancos, ou europeus.

O "racismo", como é chamado, ou o antagonismo entre as diversas raças humanas, é sem dúvida um problema humano, que desperta todo tipo de paixões humanas, e assim como todos os problemas verdadeiramente humanos que não são apenas problemas materiais ou mecânicos, tem necessariamente uma dimensão religiosa. Atualmente, a última direção para a qual os homens se voltam para resolver um problema humano é Deus, e, no entanto, Deus será a verdadeira solução. Mas como os homens não se voltam para Deus, então os problemas permanecem basicamente insolúveis, e o mundo de hoje está em um caos cada vez maior. Então, como é que voltar-se para Deus resolve o problema atual do "racismo"?

É Deus, e somente Deus, quem cria a alma de cada um dos homens que já viveram, e Ele as cria com uma grande variedade, para compor o que para Ele é a sinfonia da humanidade. Ora, Ele cria os indivíduos com dons naturais imensamente diferentes, como todo pai deve reconhecer quando observa quão completamente diferentes são os dons, o temperamento e o caráter de seus próprios filhos – nunca há dois iguais. E foram os mesmos pais que criaram essa variedade? Obviamente não. A única decisão natural que os pais tiveram foi a de terem um filho (abortar este ou aquele filho no útero é uma decisão altamente antinatural). Deus fez o resto. Ora, a variedade que vem de Deus inclui claramente a desigualdade. Por exemplo, os pais são obrigados a reconhecer a absoluta desigualdade dos dons entre seus próprios filhos: alguns podem ser muito mais dotados que outros. Pode ser que os pais não tenham desejado essa desigualdade, mas poderiam ter feito algo a respeito? Obviamente não. É Deus quem decide – naturalmente – até o sexo de seus filhos.

Essa desigualdade de dons também não é injusta, porque os filhos realmente privilegiados são aqueles que chegarão ao Céu por meio de dons sobrenaturais, que exigem que a própria criança coopere com a graça de Deus, e essa cooperação não tem nada que ver necessariamente com os dons naturais. Alguém disse que o inferno está cheio de talentos, enquanto o Céu está cheio de virtudes. Ademais, os dons que Deus dá a uma criança correspondem obviamente à parte que Deus quer que ela desempenhe na sinfonia da humanidade. A criança deve fazer aquilo para o que é dotada.

Ora, assim como com os indivíduos, o mesmo acontece com as famílias, as cidades, as províncias, as nações e as raças. As famílias são diferentes entre si, e desiguais. As cidades, as províncias, as nações e as raças são todas diferentes e desiguais, e em cada caso há uma mistura variada de natureza vinda de Deus e de criação vinda dos homens. Na medida em que são feitas pelos homens, a intenção de Deus em permitir essa criação é que, com seus dons variados, todos eles devam exercer a caridade e cuidem uns dos outros. Por exemplo, que esta cidade ajude sua vizinha inundada, que esta província sustente os artistas, que esta nação lidere o mundo, que esta raça sirva à Igreja. Ora, não está claro que por muitos séculos de história a raça branca teve, ainda que não exclusivamente, dons naturais e sobrenaturais especiais de Deus para servi-Lo, e para estender Sua Igreja para todo o mundo? Isso tampouco é injusto, porque o uso que os brancos fazem desses dons depende deles mesmos. Eles têm livre-arbítrio para usar ou abusar de seus dons, mas, de qualquer forma, têm uma missão de Deus. Se eles fazem o uso correto desses dons, beneficiarão o mundo inteiro. Se eles abusam desses dons, Deus os punirá especialmente.

E o que os brancos estão hoje fazendo desses dons que Deus lhes deu? Eles não se têm afastado d’Ele lenta, mas constantemente, durante muitas centenas de anos? E não estão agora orgulhosos de seu ateísmo? Será então surpreendente que Deus faça uso de todas as outras raças, nações, etc., para castigar os brancos deixando-os serem desprezados e perseguidos pelo resto da humanidade? Na visão de Deus, os homens apóstatas não traíram as mulheres que deveriam guiar (para o céu); os brancos apóstatas não traíram todas as outras raças; os gentios apóstatas não traíram finalmente os judeus por meio do Vaticano II...? Então, quem ainda deveria surpreender-se com a atual fúria do "feminismo", do "racismo" e do "antissemitismo"?

Kyrie eleison.

quinta-feira, setembro 05, 2019

Sodomia institucionalizada entre os budistas tibetanos

0 comentários




Leiam a matéria completa aqui (em espanhol).

Trechinho traduzido:

Poucos sabem que a pedofilia é galopante nos mosteiros budistas tibetanos da Índia do atual Dalai Lama, vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 1988, apresentado pela mídia como "o messias da nova era".
E poucos sabem que o budismo tibetano permite a sodomia monástica e que não apenas a permite, como a institucionaliza, devolvendo-a à prática normal durante o período de passagem para o noviciado, embora valha a pena esclarecer, com certas restrições.