quinta-feira, dezembro 05, 2019

Catecismo de São Pio X comentado em áudio

0 comentários


Olha só que maravilha! Temos áudios do Padre Joaquim comentando o Catecismo de São Pio X. Gente, isso é um tesouro! Todos nós devemos estudar o Catecismo, aprender bem as verdades de nossa Fé. E este é um recurso muito bom, pois podemos ouvir enquanto fazemos as atividades diárias (cozinhar, limpar, passar roupas, etc.).

E se você aí não é católico, ouça do mesmo jeito. Vai aprender muita coisa boa, vai se instruir com pérolas de sabedoria.

Há no canal do Youtube uma playlist com todos os áudios organizados. Clique neste abaixo e vá até o canal para acessar o restante. Se não se inscreveu ainda, inscreva-se, pois precisamos apoiar tais canais para que cresçam e ajudem mais e mais pessoas.


terça-feira, dezembro 03, 2019

Salvação: você tem pensado nisso?

0 comentários



A coisa mais importante para cada um de nós neste mundo é cuidar da salvação da própria alma. Você aí tem pensado nisso? Quanto tempo você tem dedicado a pensar na vida eterna, a pensar no quê você está fazendo para ganhar a vida eterna no Céu? 

Quanto tempo você tem passado pensando em bobagens, jogando videogame, assistindo novelas, fofocando e brigando em redes sociais? Já pensou em usar este tempo tão valioso para cuidar da salvação de sua alma? Que tal usar seu tempo livre para buscar ler bons livros sobre o assunto, estudar o Catecismo de São Pio X, conversar com bons padres, ouvir áudios maravilhosos como este que disponibilizo abaixo? É uma boa ideia.

O dia de amanhã ninguém sabe, a Deus pertence. Pense que agora você ainda tem chances de se salvar, de se santificar. Amanhã pode ser que seja tarde demais. Pense nisso.

Ouça:

A Necessidade da Salvação - Dom Tomás de Aquino OSB:



Comentários Eleison: Ambos...E...

0 comentários
Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXLVI (646) - (30 de novembro de 2019)



AMBOS...E...


Para lutar numa guerra, devo-me guarnecer,
Com boas armas, e o meu inimigo conhecer.

Se se podem dividir os números destes “Comentários”, de um modo geral, entre os que tratam do problema moderno e os que tratam da solução católica, constata-se, infelizmente, que muitos leitores tenham estado interessados ​​no problema, mas não na solução; ou na solução, mas não no problema. Isto é de lamentar-se, porque se eu conhecer o problema sem a solução, posso ficar seriamente tentado a desesperar-me, especialmente nos tempos atuais, quando Deus está dando aos seus inimigos uma permissão sem precedentes para quase destruírem a Sua Igreja. Por outro lado, se o conhecimento da solução me leva a não identificar ou a subestimar o problema, então é provável que o problema me pegue de surpresa ao contornar minhas defesas inadequadas.

São Paulo foi um caso clássico de alguém que conhecia ambos, e que captou muito bem a solução do Novo Testamento, Jesus Cristo (Rom. VII, 24–25), simplesmente porque ele mesmo havia sido um fariseu fervoroso em conformidade com o desvio dos homens pecadores da época em relação ao Antigo Testamento (1 Cor. XV, 8-10). Assim, foi somente porque São Paulo experimentou diretamente a impotência do Antigo Testamento para perdoar o pecado que ele compreendeu tão profundamente a salvação que Cristo havia trazido aos homens pelo Novo Testamento. Outro grande convertido que se beneficiou dos muitos anos de erro para tornar-se um dos maiores servidores da verdade católica da Igreja foi Santo Agostinho. Eis o porquê de os franceses dizerem: "Um convertido vale mais do que dois Apóstolos".

E aqui está o motivo pelo qual os católicos de hoje não devem desprezar o conhecimento sobre os inimigos de Deus ou sobre como eles estão lutando contra Ele, por mais vil que seja essa luta. E os não católicos serão prudentes em não desprezar a Igreja Católica, porque, por mais oprimida que pareça estar, ainda tem as únicas soluções verdadeiras para qualquer um dos problemas reais do mundo, ou seja, propriamente humanos. Todos esses problemas são o fruto envenenado do pecado que se levanta contra Deus nas almas dos homens, onde somente Deus, e não os psiquiatras, pode penetrar com Seu perdão, que Ele escolhe conceder somente por meio de Seu divino Filho, e da Igreja comprada com Seu Sangue.

Assim, sugerimos aos leitores não católicos destes “Comentários” que se interessem não somente por suas análises das artes modernas ou da política, mas também por seus argumentos que podem parecer meras disputas entre católicos, como em relação ao que está errado com o Vaticano II, ou ao fato de a Fraternidade Sacerdotal São Pio X estar seguindo cada vez mais o Vaticano II. Isso ocorre porque a Igreja Católica pode muito bem ser a única solução verdadeira dos verdadeiros problemas de todos os leitores, mas essa solução é vulnerável à constante falsificação cometida por homens pecadores, e se ela for falsificada, não será mais a solução, mas parte do problema. Ora, o Vaticano II foi o clímax lógico de muitos séculos de homens que desejavam colocar o homem no lugar de Deus, e a Fraternidade Sacerdotal São Pio X, ainda que tenha sido projetada e fundada em 1970 para resistir aos erros do Vaticano II, particularmente desde 2012 caiu sob o mesmo encanto venenoso desses erros. Portanto, os não católicos que buscam soluções reais para os problemas modernos que conhecem muito bem devem seguir os argumentos sobre o Vaticano II e a Fraternidade.

Da mesma forma, aos leitores católicos destes "Comentários" sugere-se que sigam não apenas seus argumentos relativos ao Vaticano II e ao perigoso deslizamento da Fraternidade até a conformidade com o mundo moderno, mas também suas análises aprofundadas do que há de errado com este mundo. Pois, em verdade, se os líderes da Fraternidade estão deslizando dessa maneira, não é porque subestimaram o problema deste mundo? Por estarem travando uma guerra sem conhecer o inimigo, eles não estão caminhando diretamente para a derrota? Enquanto o Arcebispo Lefebvre disse uma vez que todo o Vaticano II está cheio de subjetivismo, o Bispo Fellay não disse uma vez que 95% dos textos do mesmo Vaticano II são aceitáveis? E enquanto o Arcebispo costumava dizer, de várias maneiras, que alguém precisa de uma colher longa para cear com os romanos conciliadores de hoje, não está o sucessor do Bispo Fellay seguindo o exemplo deste último de comportar-se como se ele achasse que poderia ser mais esperto que os demônios romanos? A verdadeira força do Arcebispo nunca foi sua astúcia, mas sempre foi sua fé e sua fidelidade à verdade católica. E o mesmo se aplica à Fraternidade que ele fundou. Então, que os leitores católicos destes "Comentários" não pensem que não precisam considerar as análises dos Comentários sobre a corrupção moderna, por mais desagradável que lhes possam parecer. Enterrar a cabeça na areia pode-lhes custar caro.

Kyrie eleison.

sábado, novembro 30, 2019

Cura d'Ars sobre o Purgatório

0 comentários




Preparação: Uma Ave Maria em honra de Nossa Senhora do Carmo e em alívio das Benditas Almas.

"Eu não quero parar neste estágio para provar a existência do Purgatório, pois isso seria uma perda de tempo. Espero que nenhum de vocês tenha a menor dúvida a este respeito. A Igreja, à qual Jesus Cristo prometeu a guia do Espírito Santo e a qual, conseqüentemente, não pode se enganar nem nos enganar, ensina-nos sobre o Purgatório de um modo bem claro e positivo. Isto é uma certeza mais que certa, de que lá é um lugar onde as almas dos justos completam a expiação por seus pecados, antes de serem finalmente admitidas na glória do Paraíso, o qual, diga-se de passagem, já está assegurado a elas.

Sim meus caros irmãos, isto é um artigo de Fé: se nós não tivermos feito penitência proporcional à gravidade de nossos pecados, ainda que tenhamos sido absolvidos no Sagrado Tribunal da Confissão, nós seremos obrigados a expiar por eles.

Nas Sagradas Escrituras há muitos textos que mostram claramente, que embora nossos pecados possam ser perdoados, Deus ainda impõe-nos a obrigação de sofrer neste mundo duros trabalhos temporais ou no próximo através das chamas do Purgatório.
.
Veja o que aconteceu com Adão. Porque ele se arrependeu logo depois de ter cometido o pecado original, Deus garantiu a ele que o havia perdoado, mas ainda assim Ele o condenou a passar nove séculos sobre esta terra fazendo penitência. Penitências que ultrapassam qualquer coisa que possamos imaginar:..."maldita seja a terra por tua causa. Tirarás dela com trabalhos penosos o teu sustento todos os dias de sua vida. Ela te produzirá espinhos e tu comerás a erva da terra. Comerás o teu pão com o suor do teu rosto, até que voltes à terra de que fostes tirado; porque és pó, e em pó te hás de tornar..." (Gênesis 3, 17).

Veja novamente: Davi ordenou, contrariando a vontade de Deus, que se fizesse o recenseamento de Israel. Atingido pelo remorso de consciência, ele reconheceu o seu pecado, atirou-se ao chão suplicando ao Senhor que o perdoasse. Conseqüentemente, Deus tocado pelo seu arrependimento, o perdoou. Mas apesar disso, ele enviou Gad para dizer a Davi que ele teria que escolher entre 3 tipos de punições que Ele havia preparado para Davi reparar pelo seu pecado: a peste,a fome ou a guerra. Davi então respondeu: "Ah! Caia eu nas mãos do Senhor, porque imensa é a sua misericórdia; mas que eu não caia nas mãos do homem..." (I Crônicas 21).

Ele escolheu a peste e esta durou apenas 3 dias, mas matou 7 mil pessoas de seu povo. Se o Senhor não tivesse detido a mão do Anjo que estava estendida sobre Israel, Jerusalém inteira teria ficado despovoada! Davi ao ver todo o mal causado pelo seu pecado, implorou a graça de Deus pedindo que Deus punisse apenas ele mesmo, mas que poupasse o seu povo que era inocente. Vejam também as penitências de Santa Maria Madalena! Quem sabe não sirvam para amolecer um pouco seus corações?

Meus caros irmãos, o que serão então, o número de anos que nós teremos que sofrer no Purgatório, nós que cometemos tantos pecados e que sob o pretexto de já o termos confessado, não fazemos penitências e nem choramos por eles? Quantos anos de sofrimento nos esperam na próxima vida?"
.
São João Maria Vianney

terça-feira, novembro 26, 2019

Amas a Deus? Vê se passas este teste

0 comentários



Amar a Deus de todo o coração é nada amar tanto como Deus, nada amar senão com os olhos em Deus por Deus; é estar habitualmente disposto a fazer e tudo sofrer para agradar a Deus; é não ter no coração inclinação senão para o que conduz a Deus, aversão senão pelo que desvia de Deus.

Amar a Deus com toda a alma é estar pronto a dar a vida por Deus, a tudo perder antes que perder a graça de Deus; é desterrar da alma todas as impressões que possam desagradar a Deus ou impedir a união íntima com Ele.

Amar a Deus com todas as forças é não nos pouparmos a trabalhos nem sofrimentos para buscar a glória de Deus; é consagrar-lhe o nosso tempo, os nossos talentos o nosso corpo, a nossa saúde, o nosso repouso, toda energia da nossa alma e todo o vigor do nosso corpo.

Amar a Deus com todo o nosso espírito é aplicarmo-nos constantemente a conhecer cada vez melhor as infinitas perfeições de Deus, a vontade e o beneplácito de Deus; é não estudar as ciências profanas senão para nos tornarmos mais úteis ao serviço de Deus.

Vejamos, segundo estes dados, qual o grau de ama que já atingimos.

Pe. Bruno Vercruysse, S.J. in 'Meditações práticas para todos os dias do ano'