quarta-feira, fevereiro 22, 2017

O pingente da discórdia: quando o mimimi fala mais alto



E o abortismo -- quem diria! -- chegou às joalherias... 

Pois é! Chegamos ao ponto no qual um simples compartilhamento de uma imagem de uma jóia retratando um bebê no útero virou motivo de "mimimi". 

segunda-feira, fevereiro 20, 2017

Comentários Eleison: Políticas de Migração

Comentários Eleison - por Dom Williamson
Número DI (501) - (18 de fevereiro de 2017):

POLÍTICAS DE MIGRAÇÃO


Que os Brancos e Muçulmanos lutem, em guerra mortal!
Então poderemos reinar, como nunca o fizemos antes.


Discutindo uma semana depois na televisão húngara sobre o mau comportamento dos imigrantes em Colônia no final do ano passado, o principal economista da Hungria, que já fora político, Dr. László Bogár, procurou descobrir as raízes do problema da invasão de imigrantes, que prossegue na Europa (assistam em: youtu.be/TKpe4swiVOc). Sua análise das raízes políticas vai até onde a opinião pública lhe permite dar nome ao Inominável Poder Global por trás da invasão, mas ele não se aproxima das raízes religiosas, que são decisivas. Mas, quem pensa ainda hoje que a religião influencia em qualquer coisa no mundo? É de esperar-se que os leitores destes “Comentários” possam tanto conceber que esse Poder maléfico existe, como que a verdadeira Igreja Católica é a única que pode neutralizar seu veneno. A seguir, em itálico, a análise do Dr. Bogár, resumida e adaptada:

Um Poder Global deseja destruir tudo o que é humano, tudo o que tem dignidade. E como o Homem Branco Europeu ainda possui muito disso, ele deseja destruir o Homem Branco Europeu. Consequentemente, ele está conduzindo para a Europa uma massa de imigrantes estrangeiros com o auxílio de recursos gigantescos. De fato, deve ser óbvio para qualquer um que tenha um mínimo de bom senso que, para um deslocamento relativamente rápido de milhões de pessoas por milhares de quilômetros, certas coisas são necessárias.

Em primeiro lugar, para financiar a operação, falemos num mínimo de dez bilhões de dólares. Em segundo lugar, para dirigir e controlar o deslocamento, precisa-se de um mínimo de alguns milhares de agentes estritamente secretos, e se alguma vez uma luz brilhou ocasionalmente nesta operação habilmente disfarçada, então, e em terceiro lugar, os meios de comunicação foram necessários para reparar o disfarce rapidamente. Em quarto lugar, para organizar a operação, foi indispensável a colaboração completa do sindicato global do crime com suas dezenas de milhares de traficantes de seres humanos para lidar com os migrantes. E, finalmente, a colaboração cínica dos principais políticos europeus era necessária, como a do Primeiro Ministro britânico que nos visitou aqui hoje, e a dos líderes da França e da Alemanha, todos os quais participaram igualmente na destruição da Líbia e da Síria. Além de criar o caos, esses líderes orgulhosamente anunciaram que estão fazendo isso em nome da Europa, da cultura ocidental, da democracia. Eis os verdadeiros culpados do horror que vimos recentemente em Colônia, e alguma coisa me diz que este é apenas um leve prelúdio para algo muito mais sinistro...

A verdade é que a Europa está sendo arrastada para um conflito tão brutal quanto a I e a II Guerra Mundial, pelo mesmo Poder Global. Com efeito, a Europa está deixando-se arrastar para uma III Guerra Mundial. A invasão de imigrantes é apenas o produto final de um enorme processo oculto. Agora, alguém pode neutralizar o horror ao fim do processo, mas se não entendemos o próprio processo e o cortamos desde suas raízes dentro da estrutura de poder global, então horrores como a invasão de imigrantes só continuarão. Infelizmente, a cooperação internacional é necessária aqui, mas a realidade é que o líder húngaro, Viktor Orban, tem estado virtualmente sozinho. Quando a Líbia foi infernalmente bombardeada, ele foi o ÚNICO político europeu que expressou suas preocupações e reservas sobre quais seriam as consequências estratégicas. Poucos, mas muito poucos políticos expressaram as mesmas preocupações. Por conseguinte, a Hungria teve de dar um passo adiante, e é por isso que estamos sob constante ataque. Na Hungria não precisamos travar uma guerra civil porque fechamos as nossas fronteiras, mas agora temos de esperar que as outras nações da Europa façam o mesmo.

Infelizmente, quando se trata de erradicar o processo pelo qual os horrores dos imigrantes nas cidades europeias são apenas os frutos podres, é lamentável dizê-lo, a Europa já está totalmente derrotada. O processo só pode levar a uma guerra civil. MAS ESSE É O OBJETIVO. É isso que o Poder Global quer. O Poder Global quer, acima de tudo, uma guerra brutal sem fim de 30 anos, tal como a devastadora Guerra dos Trinta Anos do século XVII (que foi obra do mesmo do Poder Global). Quer precisamente que se desenrole na Europa uma guerra civil que se estenda por décadas.


Kyrie Eleison.


*Traduzido por Cristoph Klug.

domingo, fevereiro 19, 2017

Meu outro blog mudou de endereço


Acessem:

http://mariarosam.blogspot.com.br/

domingo, fevereiro 12, 2017

Comentários Eleison: Quinhentos

Comentários Eleison - por Dom Williamson
Número D (500) - (11 de fevereiro de 2017): 

 QUINHENTOS


"Comentários" são leves, informais, não espadas com peso esmagador –
"Eleison" significa: "tenha misericórdia" – por favor, ó Senhor!


Este número dos Comentários Eleison para a Festa de Nossa Senhora de Lourdes de 2017 é o 500º desde o primeiro que apareceu em 6 de julho de 2007. Por nove anos e meio, os "Comentários" vêm aparecendo na Internet uma vez por semana geralmente aos sábados, a menos que haja algum atraso ou outro, e todas as semanas durante esse tempo, com poucas exceções. Também aos sábados ele sai em uma lista de discussão eletrônica para milhares de assinantes. Em inglês, francês, alemão, italiano e espanhol está disponível em stmarcelinitiative.com, e deixe-se dito aqui que se alguém deixa de receber os "Comentários" por e-mail quando deseja continuar a recebê-los, nunca será por ter sido eliminado da lista de endereços pelos administradores. Normalmente terá sido por algum infortúnio eletrônico, como por exemplo, quando o computador de alguém desvia os "Comentários" para a caixa de spam. Em outros sites, os "Comentários" aparecem semanalmente em tcheco, japonês, coreano e português.

Os "Comentários" nunca são longos, embora ocasionalmente tenham um Suplemento. Em Inglês raramente excedem setecentas palavras, contendo um material que possa caber em uma página A4 com fonte de tamanho 12. Esta brevidade tem a vantagem de garantir aos leitores com pouco tempo livre que sua leitura nunca vai demorar mais do que uns poucos minutos por semana. Por outro lado, a brevidade tem a desvantagem de que os "Comentários" raramente tratarão um assunto com grande profundidade. Ocasionalmente aparecem uns poucos números seguidos sobre um mesmo assunto para examiná-lo com um pouco mais de detalhes, mas mesmo assim o conteúdo não é quase nada acadêmico, nem pretende sê-lo. Os acadêmicos estão sujeitos a usar mais de setecentas palavras para provar um ponto, e muitos leitores hoje têm pouco tempo para algo que tenha mais do que setecentas palavras.

O que os "Comentários" tentam fazer é argumentar a partir da realidade do mundo moderno ao nosso redor para estabelecer alguma conexão razoável e coerente entre, por um lado, a fé católica sem a qual não podemos ser salvos (Hb XI, 6) e, por outro lado, a crescente escuridão do mundo e da Igreja que todos conhecemos. Se os "Comentários" alcançam esse propósito, os leitores devem julgar por si mesmos. Eles certamente não são infalíveis, pois provêm de um bispo católico afastado de qualquer estrutura oficial e declarado duas vezes "excomungado" (1988 e 2015) pela Roma oficial (o que poderia, infelizmente, ser mais uma honra do que um desonra – Deus o sabe). Mas se ele próprio tivesse que reexaminar todos os números anteriores, poderia encontrar juízos que teriam mudado à luz dos eventos posteriores. Ele tem feito o impossível para ser gentil com os homens da Igreja responsáveis ​​pelo Vaticano II e por suas consequências, mas como Don Putti, o fundador de Sisi Nono, uma vez lhe disse: "Sono tutti delinquenti" - objetivamente, todos eles são delinquentes.

Assim, enquanto muitos leitores podem achar os "Comentários" bastante obscuros e muito pessimistas, seu autor pode suspeitar que se ele errou, foi onde ele esteve um pouco otimista demais. Paradoxalmente, o supostamente arquiconservador da FSSPX e arquicrítico da Neoigreja pode estar parecendo bastante complacente com os praticantes da religião Novus Ordo. Ele poderia dizer que tem seguido São Agostinho: "Odiar o erro, mas amar aqueles que erram". Outros podem ser menos gentis e dizer que por baixo ele tem sido um ardente liberal o tempo todo – tais são os prazeres da nossa época moderna. De qualquer forma, ele não espera que os "Comentários" alcancem seu milésimo número. Ele está convencido de que a eletrônica da qual eles dependem seja em um futuro próximo derrubada pela guerra, ou paralisada por agentes da Nova Ordem Mundial, a cujas mentiras a Internet tem causado tanto dano, apesar das múltiplas misérias da Internet.

Enquanto isso, todas as honras e agradecimentos vão para Deus Todo-Poderoso e para Nossa Senhora de Lourdes, por cada pequena maneira com que os primeiros 500 números podem ter ajudado as almas, e que as almas rezem para que mais luz e calor venham de tantos outros números dos "Comentários" quanto a Providência possa prover.


Kyrie eleison.

terça-feira, fevereiro 07, 2017

Dom Tomás de Aquino sobre a utilização da imagem de Nossa Senhora Aparecida.




Breve pronunciamento de S.E.R Dom Tomás de Aquino, sobre a utilização da imagem de Nossa Senhora Aparecida.

Tendo tido conhecimento da escandalosa aprovação recebida por uma escola de samba de utilizar a imagem de Nossa Senhora Aparecida no desfile de carnaval não podemos deixar de elevar nosso protesto contra tal​ profanação.

Em Fátima Nossa Senhora nos advertiu para não ofender mais a Nosso Senhor já tão ofendido.

Que castigos não atrairão sobre nosso país uma tal profanação dirigida contra a ​M​ãe de Deus Nosso Senhor!?

Que Deus não permita que os brasileiros suportem tal insulto e se oponham a esta profanação.


+ Tomás de Aquino OSB