sexta-feira, abril 21, 2017

Deus governa tudo


Louvai-o, sol e lua, louvai-o astros brilhantes! (Salmos, 148,3)

É Deus quem está no comando. Ele criou o universo inteiro e o governa desde então. Nada do que acontece está fora de Seu conhecimento, Ele é Onisciente e não abandonou o mundo após te-lo criado. Ele continua governando, cuidando, de tudo. É Ele quem julga, premia e castiga. É Ele quem perdoa, basta que o pecador se arrependa. Lembre-se: Ele está no comando.

quinta-feira, abril 20, 2017

Sobre a inépcia do brasileiro em perceber a verdade



Eu estava hoje mesmo conversando com meu esposo sobre este problema. Conhecemos pessoas, muito próximas, que correspondem fielmente ao quadro descrito no texto abaixo. 

Sobre a inépcia do brasileiro em perceber a verdade.

"Na maioria das vezes em que eu tento desfazer algum clichê acerca de qualquer assunto numa conversa com um brasileiro, seja sobre religião, filosofia, história, política etc., até que obtenho um certo sucesso no preciso momento em que o faço; contudo, trinta segundos depois (sério, mais ou menos isso) a pessoa já esqueceu completamente o que foi dito e passa a considerar o conteúdo do que lhe passei com os velhos olhos do que lhe era habitual. Isso acontece porque o brasileiro está morto para o Intelecto (ou Espírito). O Intelecto é a testemunha mais íntima; é aquele órgão, por assim dizer, que existe para compreender e fazer-se um com o objeto compreendido. Pessoas como essas, que tão logo você diz algo e elas esquecem, são pessoas que não possuem essa testemunha interior e vivem atreladas ao perpétuo fluxo de seus pensamentos e pulsões psíquicas (quando não aos movimentos puramente exteriores dos eventos físicos); o que equivale a dizer que elas são apenas uma minúscula parte de sua consciência. A vocação de todo o ser humano, pelo simples fato de ser um ser humano, é tornar-se um intelectual, porque o intelecto é o que há de mais alto e nobre nele; mas para o brasileiro essa potência parece ter se apagado completamente, o que é trágico, porque essa é a verdadeira e definitiva morte, a morte de sua essência mesma. O Brasil tornou-se um país de zumbis." (Roberto Santos).

terça-feira, abril 18, 2017

Comentários Eleison: Ressurreição Argumentada

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DIX (509) – (15 de abril de 2017):

Ressurreição Argumentada


Jesus ressuscitou dos mortos? Como diz a Escritura,
Eu não preciso de fé para argumentar que Ele o fez.

Na véspera do Dia de Páscoa, lembremo-nos de quão razoável é acreditar em um acontecimento tão extraordinário como o de um ser humano falecido irrompendo da sepultura por trás de uma pedra normalmente pesada o suficiente para impedi-lo de sequer sonhar em fazer tal coisa. Vamos, em primeiro lugar, ao "Como" teológico da Ressurreição, e depois ao histórico "Se" aconteceu.

Para os católicos que pela dádiva da fé sobrenatural acreditam que na Encarnação da segunda Pessoa divina da Santíssima Trindade, em plena posse da completa Natureza divina, uniu a si mesma uma natureza humana completa, fazendo duas naturezas numa Pessoa divina, não é difícil entender como a Ressurreição ocorreu. Na Cruz, a Pessoa divina verdadeiramente morreu, não em Sua Natureza divina imortal, mas em sua natureza humana, capaz de morrer como qualquer outro homem mortal pela separação de sua alma humana de seu corpo humano. No entanto, embora estes dois em Jesus Cristo pudessem ser separados um do outro, nenhum deles foi separado da Pessoa divina, razão pela qual os católicos recitam em seu Credo que Ele (corpo e alma) "sofreu e morreu", e que Ele (o corpo) "foi sepultado", e que Ele (alma) "desceu aos Infernos” (não o Inferno dos condenados, mas o Limbo das almas boas mortas que esperavam a morte redentora de Cristo para abrir para elas as portas do Céu fechadas por Adão e Eva). Como tanto o corpo humano quanto a alma humana de Cristo permanecem cada um deles unidos à Pessoa divina, pode não ter sido fácil para essa Pessoa morrer a morte atroz na Cruz, mas foi fácil reunir Sua alma humana com Seu corpo humano no sepulcro, para que Sua natureza humana voltasse à vida. E nenhuma pedra na Terra poderia ter sido pesada o suficiente para impedi-lo de voar imediatamente para Sua Mãe para consolá-la.

Mas será que uma alma deve então possuir o dom sobrenatural da fé para aceitar a realidade da Ressurreição? Não necessariamente. Se uma mente descrente, mas reta, considerar os argumentos meramente naturais tirados da psicologia natural e da história humana, ela pode facilmente concluir que somente algum evento pelo menos tão sensacional como a Ressurreição pode explicar os fatos como os conhecemos (e que ninguém diga que a Ressurreição é tão doce, pegajosa e agradável que ninguém precisa de argumentos! Os homens necessitam de argumentos! Deus não colocou nossas cabeças no topo à toa!).

Em primeiro lugar, vejamos a psicologia humana argumentando a partir dos Apóstolos. Durante três anos eles aprenderam a crer, confiar e amar o Mestre divino. Então ele é executado em público como um criminoso comum, depois do que todos eles fugiram no Jardim do Getsêmani. E depois da Paixão eles estão totalmente desanimados (Jo. XX, 19), algo absolutamente normal naquelas circunstâncias. No entanto, dentro de 50 dias aqui eles estão de volta a Jerusalém, enfrentando os judeus e convertendo-os a crer em Jesus Cristo, milhares de uma vez (Atos II, 41, IV, 4). E dentro de mais 300 anos esses Apóstolos e seus sucessores terão convertido o próprio Império Romano. Esses são os fatos da história. O que poderia ter acontecido e que fosse inferior a algo tão sensacional como a Ressurreição para explicar tal transformação psicológica de cães chicoteados (por assim dizer) em conquistadores do mundo?

Em segundo lugar, vejamos a história humana argumentando a partir dos judeus. Eles odiaram a Cristo e mataram-no, e eles têm-se esforçado para destruir Sua Igreja desde então. No entanto, dentro de 50 dias aqui estão seus seguidores, ordenando-os a serem batizados em nome de Jesus Cristo, usando a Ressurreição como seu principal argumento. Não seria a melhor maneira de detê-los mostrar o corpo morto de Cristo? E podemos duvidar que, então, assim como agora, eles não tinham todo o dinheiro, a polícia e o poder à sua disposição para encontrar algum cadáver se ainda estivesse ali para ser encontrado? Mas a Cristandade, em vez de ser parada, decolou. A única explicação que pode ser dada é que não havia nenhum cadáver para ser encontrado. A Ressurreição é verdadeira. Não é preciso sequer ter uma fé sobrenatural para aceitá-la. Então, Pedro estava certo – Atos II, 38 –: "Façam penitência e sejam batizados em nome de Jesus Cristo".


Kyrie eleison.

O que você chama de idade das trevas...

...eu chamo de Idade da Luz!


"(...) a era da humanidade onde os antigos conhecimentos foram preservados e novos foram desenvolvidos para que a era atual pudesse ser chamada de moderna. (...) desenvolvimento da ciência, da arte, arquitetura, literatura, filosofia, teologia, música, teatro, governos, os escritos antigos sendo preservados e copiados pelos monges copistas (a titulo de exemplo, os escritos de Platão e Aristóteles), as grandes navegações, as descobertas, as culturas conhecendo-se, o mundo moderno surgindo...".  Via

segunda-feira, abril 10, 2017

Comentários Eleison: Divindade transcendente

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DVIII (508) – (8 de abril de 2017):

DIVINDADE TRANSCENDENTE


Os homens orgulhosos não querem por Deus ser superados,
E ainda assim seus pensamentos são de longe por Deus sobrepujados.

Se há um momento do ano em que é especialmente adequado contemplar-se o sofrimento e a morte de Nosso Senhor Jesus Cristo, esse momento é certamente hoje, na véspera do Domingo de Ramos, pouco antes da Semana Santa. E essa contemplação veio tornando-se mais necessária a cada ano nos últimos 50 anos, porque o sofrimento da Madre Igreja que apareceu com o Vaticano II se tornou cada vez mais escandaloso, cada vez mais misterioso. Todos precisamos lembrar-nos a nós mesmos de que Deus é misterioso; em outras palavras, que Ele vai infinitamente acima e além de nossas pequenas mentes humanas. Caso contrário, corremos o risco de recortá-lo e diminuir-lhe o tamanho até que se encaixe nessas mentes pequenas. "Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos; nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque, quanto os céus estão elevados acima da terra, assim se acham elevados os meus caminhos acima dos vossos caminhos, e os meus pensamentos acima dos vossos pensamentos" (Is LV, 8-9).    

Esta grande lição é ensinada no quinto Mistério Gozoso do Santo Rosário, quando, aos 12 anos de idade, Nosso Senhor se permitiu ser perdido por Sua Mãe e São José, a fim de lembrá-los de que Ele tinha de se ocupar dos negócios de Seu Pai. Sua Mãe não pôde entender – "Filho, por que procedeste assim conosco?" Ele causara três dias de intensa ansiedade a seus pais humanos: "Eis que teu pai e eu te procurávamos cheios de aflição". Nosso Senhor respondeu-lhes como se eles tivessem ficado aflitos sem nenhuma razão – "Para que me buscáveis? Não sabíeis que devo ocupar-me nas coisas de meu Pai?”. Porém, tão intensa tinha sido a aflição de Seus pais que humanamente esta resposta não lhes fazia sentido – "E eles não entenderam o que lhes disse”. No entanto, Sua Mãe sabia que era melhor não fazer mais perguntas ao Filho. Em vez disso, Ela "conservava todas estas coisas em seu coração" (Lc II, 48-51), por ver que Deus estava certo, ainda que Ela não pudesse entender.

Para a futura cabeça da Igreja, a Pedra sobre a qual ela seria construída, a mesma lição sobre os caminhos de Deus que transcendem em muito os nossos precisava ser ensinada, ainda que de modo um tanto mais rude do que à Mãe gentil de Nosso Senhor. Bastante humanamente Pedro repreende Nosso Senhor por atrever-se a dizer aos Apóstolos que Ele subiria a Jerusalém para sofrer e morrer. A resposta de Nosso Senhor é contundente: "Retira-te de mim, Satanás!", Mas a explicação é essencialmente a mesma que foi para a sua Mãe, "não tens a sabedoria das coisas de Deus, mas das coisas dos homens" (Mt. XVI, 21-23). Pedro, que acaba de ser nomeado Pedra da Igreja (Mt. XVI, 18-19), deve ser o último a pensar humanamente em vez de divinamente quando passar a governar a Igreja.

Mas, é claro, Nosso Senhor reconhece o problema dos seres humanos que pensam humanamente demais quando se trata das coisas de Deus. É por isso que, logo após a repreensão a Pedro, levou-o com Tiago e João até o Monte Tabor para, por meio de Sua Transfiguração, deixar a Divindade divina brilhar dentro da natureza humana. Assim, os Apóstolos poderiam em breve ser profundamente abalados pelo terrível deicídio em Jerusalém, mas três deles poderiam dar testemunho do que tinham visto com seus próprios olhos (cf. II Pedro I, 16-18), antes da Paixão, da Divindade que brilha de dentro do homem crucificado no Calvário.

E em nossos dias? Os católicos sabem que a vida da Igreja Católica é a continuação na terra da vida encarnada de Cristo na terra, de modo que em princípio eles sabem que assim como os 33 anos de Cristo terminaram com Sua Paixão e Morte, assim a Igreja também pode terminar seu tempo na terra pelo sangramento de todas as feridas até que seja praticamente extinta. No entanto, vê-lo na prática, ocorrendo diante dos olhos, pode abalar a fé de muitos homens bons – "Como é possível que esses Papas, esses Cardeais e esses Bispos sejam portadores da autoridade de Deus na estrutura de Sua única e verdadeira Igreja?". Claro que não são, em geral, seus portadores fiéis, mas onde mais estariam seus portadores estruturais? Paciência. Deus ainda estava lá, sendo arrastado para o Calvário, e então Ele ainda está ali, sendo arrastado para a Nova Ordem Mundial. Mas Ele ainda não deu a Sua última palavra!


Kyrie eleison.

terça-feira, abril 04, 2017

domingo, abril 02, 2017

Comentários Eleison: Declinando lentamente II

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DVII (507) – (1º de abril de 2017):

DECLINANDO LENTAMENTE – II


O mundo moderno perdeu completamente o seu rumo.
Não posso segui-lo e não me perder.

A carta original do autor dos EUA era muito mais longa do que trecho que o CE da semana passada retirou dela, e muitas coisas interessantes foram deixadas de fora. Estão aqui outros dois interessantes parágrafos, sobre escolas tradicionais e mulheres tradicionais. A grande lição é sempre a mesma – se eu não viver como penso, inevitavelmente pensarei como vivo. Paciência. Deus não nos pede o impossível, mas, por outro lado, Ele espera que façamos o melhor possível:

Talvez seja na educação que o modernismo está realizando a sua maior incursão no movimento tradicionalista. Todos os tipos de práticas modernas entraram em suas escolas sem que ninguém percebesse. A filosofia modernista psicológica e pedagógica dos anos 50 e 60 está sendo incorporada junto com todos os chavões e parafernálias usuais. Professores antiquados tornaram-se o problema. Um exército moderno de administradores, especialistas em currículo, especialistas em educação, psicólogos infantis, etc., estão agora no comando, prometendo, como de costume, fazer tudo melhor, especialmente em questões mundanas como avaliação de testes, colocação universitária e carreiras lucrativas. As escolas supostamente tradicionais estão se tornando cada vez mais indistinguíveis das escolas públicas.

A revolução social que acontece entre as crianças em nossas escolas diariamente é especialmente forte entre as jovens damas. Há uma virulenta nova cepa do feminismo tradicionalista. Muitas têm estado embebidas do veneno moderno da igualdade com os homens e competição contra eles. Desde a tenra idade elas são confrontadas com os homens. Elas querem competir contra eles, e elas pensam que podem fazer quase tudo o que um homem pode fazer. Pensam que o único teste para saber se uma mulher deve ou não fazer uma coisa é se ela é fisicamente capaz. O que quer que seja que a Tradição possa dizer sobre o papel das mulheres, elas prestam pouca ou nenhuma atenção. Elas acreditam nas mesmas mentiras que já arruinaram uma ou duas gerações. Elas têm a ideia de que podem ter uma carreira profissional altamente bem-sucedida em qualquer campo, e ainda serem uma boa esposa e mãe católica ao mesmo tempo. A velha frase “O lugar de uma mulher é em casa” não é mais ouvida nos círculos tradicionais, e na verdade é abertamente desprezada. Pior de tudo, nossas jovens senhoras estão ouvindo e aprendendo isso não do mundo, mas do nosso próprio círculo. Há muitas mulheres em posição de autoridade em nossas escolas e há muitas professoras. Isto é revolucionário, e dá um exemplo terrível para nossas jovens senhoras, que não pode ser superado por qualquer pregação que seja. No entanto, de que serve uma mulher vestir-se modestamente se agir como um homem de outra forma, especialmente social, econômica e politicamente? Alguns anos atrás, todos, não apenas os tradicionalistas, saberiam disso, mas agora aqui está sendo promovido como tradicional.

Então, o que há de errado com a educação moderna e seus métodos modernos? Resposta: o coração e a alma da verdadeira educação é a Fé Católica, que significa os adultos com o apoio da (verdadeira) Igreja usando sua autoridade para ensinar os jovens, por contato humano direto, em primeiro lugar como chegar ao Céu, em segundo lugar como viver vidas sãs como adultos no mundo, em conformidade com o chegar ao Céu. Quantos “administradores, especialistas em currículo, especialistas em educação e psicólogos infantis” ainda têm experiência da vivência em sala de aula, e quantos, menos ainda, têm a Fé? Por falta da Fé, a vivência nas salas de aula hoje é uma selva, cheia de bestas selvagens. Não admira que os “especialistas” fujam dela. São ignorantes e impotentes para educar.

E o que há de errado com as mulheres modernas? Homens modernos, que deixaram que elas saíssem do controle. Deus fez as mulheres para estarem sob seus homens, mesmo antes da Queda. Então, o que uma boa moça poderia fazer? Reze para São José e para Santa Ana – ambos encontraram esposos maravilhosos – para encontrar um marido que lhes possa respeitar. A mão de Deus não é encolhida pela maldade dos homens (cf. Is LIX, 1). E os homens? Vossas mulheres acharão muito mais fácil obedecer a vocês, se vocês mesmos obedecerem a Deus (I Cor XI, 3).

Kyrie eleison.