sexta-feira, maio 24, 2019

Aos escrupulosos

0 comentários





Aos escrupulosos:
Não temam seus pensamentos involuntários, por mais blasfemos ou perigosos que sejam, pois não lhes levarão à apostasia, ao suicídio ou à ignomínia. Vocês são perfeitamente incapazes de escandalizar os outros e por razões que vagueiam entre o Transtorno Obsessivo-Compulsivo e à Psicastenia só escandalizam a si mesmos por certa debilidade psiconeurológica que carece de descansos, vitaminas e remédios.
Deus deseja vê-los bem e cobre os olhos para os pensamentos involuntários. Aprendam com a paz o que é a paz.
***
Meu comentário, uma dica:

As vitaminas são importantes para a saúde física e mental. Por isso pene em suplementar. A Vitamina D3 tem um papel importante até mesmo no combate à depressão, então pegue mais sol, e se não for possível, suplemente. Veja:

https://estaoteenvenenando.blogspot.com/2015/06/video-do-dr-cicero-coimbra-vitamina-d3.html

A Vitamina B3, ou Niacina, é ótima para tratamento de vários problemas mentais, leia:

https://estaoteenvenenando.blogspot.com/2014/09/a-vitamina-b-3-niacina-e-cura-de-varias.html

https://estaoteenvenenando.blogspot.com/2018/06/como-determinar-saturacao-da-niacina.html


quinta-feira, maio 23, 2019

Auxilie o Mosteiro – Aidez le Monastère – Help the Monastery – Ayude el Monasterio

0 comentários
Caros amigos e benfeitores,
Primeiramente, desejamos a todos um santo Tempo Pascal. Que o Divino Ressuscitado os cumule de todas as graças e lhes dê, sobretudo, a graça da perseverança até o fim no bom combate da fé.
Gostaríamos também de agradecer-lhes sua generosa ajuda, graças à qual o nosso mosteiro tem se sustentado, materialmente, há vários anos.
Neste início de ano, tivemos alguns gastos extras, devidos a reparos que tivemos de fazer na nossa escolinha infantil (forro do teto que havia cedido e reparos no sistema hidráulico), em nossa Capelinha São Miguel e na barragem que fornece peixes para a alimentação dos monges.  Todos esses gastos nos geraram algumas dívidas (cerca de R$ 22.000,00), e gostaríamos de poder contar com sua generosidade ainda esta vez, para podermos sanar essas dívidas.
Asseguramo-los de nossas orações quotidianas e de nossa amizade,
Em Jesus, Maria e José,
Renato Müller
Secretário de Dom Tomás de Aquino
…….
 FRANÇAIS
Chers amis et bienfaiteurs,
Tout d’abord, nous vous souhaitons un saint Temps Pascal. Que le Divin Ressuscité vous comble de toutes les grâces et vous donne surtout la grâce de persévérance jusqu’à la fin dans le bon combat de la foi.
Nous tenons également à vous remercier pour votre aide généreuse, grâce à laquelle notre monastère est soutenu, matériellement, depuis plusieurs années.
Dans ces premiers mois de 2019, nous avons eu des dépenses supplémentaires dues aux travaux qu’il nous a fallu effectuer dans notre école pour les enfants (des doublures du plafond étaient effondrées et le système hydraulique devrait être réparé), dans notre chapelle Saint Michel et aussi dans le barrage qui fournit des poissons pour l’alimentation des moines. Toutes ces dépenses nous ont coûté environ 5.000 €, et nous voudrions pourvoir compter sur votre générosité pour payer cette dette. Si vous pouvez nous faire un petit don que ce soit, nous vous remercions de tout notre coeur.
Nous vous assurons de nos prières quotidiennes et de notre amitié.
En Jésus, Marie et Joseph,
Renato Müller
Secrétaire de Mgr Thomas d’Aquin
……
 ENGLISH
Dear friends and benefactors,
First, we wish you all a holy Paschal Time. May the Divine Risen Lord fill you with all graces and, above all, give you the grace of perseverance to the end in the good fight of faith.
We would also like to thank you for your generous help, thanks to which our monastery has been materially supported for several years.
At the beginning of the year, we had some extra expenses, due to repairs we had to make in our children’s school (ceiling linings that had been provided and repairs to the hydraulic system), in our Saint Michael’s Chapel and in the dam that provides fish to feed the monks.  All of those expenses have cost us some debts (about 5,600.00 dollars), and we would like to be able to count on your generosity this time again so that we can pay such debts.
We assure you of our daily prayers and our friendship,
In Jesus, Mary and Joseph,
Renato Müller,
Bishop Thomas Aquinas’s Secretary
……
ESPAÑOL
Estimados amigos y benefactores,
Primero, deseamos a todos un santo Tiempo Pascual. Que el Divino Resucitado los llene de todas las gracias y les dé, sobre todo, la gracia de la perseverancia hasta el final en el buen combate de la fe.
Queremos también agradecerles su generosa ayuda, gracias a la cual nuestro monasterio se ha sostenido materialmente desde hace varios años.
En este inicio de año, tuvimos algunos gastos extras, debido a las reparaciones que tuvimos que hacer en nuestra escuela infantil (forro del techo que había cedido y reparaciones en el sistema hidráulico), en nuestra Capilla San Miguel y en el lago que suministra peces para la alimentación de los monjes. Todos estos gastos nos generaron algunas deudas (alrededor de 5.600 dólares), y nos gustaría poder contar todavía con su generosidad, para poder sanar esas deudas.
Les aseguramos de nuestras oraciones cotidianas y de nuestra amistad,
En Jesús, María y José,
Renato Müller
Secretário de Mons. Tomás de Aquino

segunda-feira, maio 20, 2019

Comentários Eleison: O Brexit de Daniel

0 comentários

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXVIII (618) - (18 de maio de 2019):




O BREXIT DE DANIEL!

Do sublime Daniel à vergonha terrena da Grã-Bretanha,
Resgata, ó Deus, resgata Teu Santo Nome!

Se a pobre Inglaterra precisa urgentemente compreender em profundidade por que a Europa está-se equivocando, para salvar a Grã-Bretanha de seguir a Nova Ordem Mundial, os católicos ainda mais precisam compreender em profundidade como e por que sua Igreja se equivocou no Vaticano II, para salvarem o mundo inteiro de seu afastamento do único e verdadeiro Deus. No Antigo Testamento, o próprio Deus inspirou em Seu profeta Daniel, exilado longe de casa pelo cativeiro da Babilônia (cerca de 590 a 520 a.C.), uma oração urgente de contrição pelos pecados dos israelitas para que Deus perdoasse Seu povo e os concedesse restaurarem a glória do Seu nome, permitindo-lhes que voltassem a praticar uma vez mais a Sua santa religião na cidade santa de Jerusalém. Não é difícil adaptar ao cativeiro da Igreja Católica no século XXI a grande oração de Daniel (Capítulo IX):

[4] Orei ao Senhor meu Deus e fiz-lhe esta confissão; Ah! Senhor, Deus grande e terrível, que guardas a tua aliança e a tua misericórdia para com os que te amam e observam os teus mandamentos. [5] Nós pecamos, cometemos a iniquidade, procedemos impiamente, fomos rebeldes, afastamo-nos dos teus preceitos e das tuas leis. [6] Não temos escutado os teus servos, os profetas, que falaram em teu nome aos nossos reis, aos nossos príncipes, aos nossos pais e a todo o povo do país.

[7] Tua é, ó Senhor, a justiça; a nós, porém, não nos resta senão a confusão do nosso rosto, como sucede hoje a todos os homens de Judá, aos habitantes de Jerusalém e a todo o Israel, aos que estão perto e aos que estão longe, em todos os países, para onde os lançaste, por causa das iniquidades que cometeram contra ti. [8] Para nós, Senhor, a confusão do rosto, para os nossos reis, para os nossos príncipes, e para os nossos pais, pois pecamos contra ti. [9] Mas do Senhor, nosso Deus, é própria a misericórdia e a propiciação, porque nos revoltamos contra ele. [10] Não ouvimos a voz do Senhor nosso Deus, não andamos segundo a lei, que nos prescreveu, por meio dos seus servos, os profetas.

[11] Todos os de Israel violaram a tua lei, desviaram-se para não ouvirem a tua voz; sobre nós, por isso, se derramaram a maldição e a imprecação, escritas na lei de Moisés, servo de Deus, porque pecamos contra ele. [12] Cumpriu as palavras que proferiu contra nós e contra os príncipes que nos governavam; fez vir sobre nós uma calamidade tão grande, que nunca se viu, debaixo de todo o céu, igual à que aconteceu a Jerusalém. [13] Todo este mal caiu sobre nós, segundo está escrito na lei de Moisés, e nós não acalmamos a face do Senhor nosso Deus, afastando-nos das nossas iniquidades e aplicando-nos ao conhecimento da tua verdade. [14] Assim o Senhor vigiou sobre a desgraça e fê-la cair sobre nós, porque o Senhor nosso Deus é justo em todas as obras que fez, mas nós não ouvimos a sua voz.

[15] Agora, Senhor nosso Deus, que tiraste o teu povo da terra do Egito com mão poderosa e que adquiriste então um nome, que dura até ao dia de hoje. (confessamos que) temos pecado, que temos cometido a iniquidade. [16] Senhor, por toda a tua justiça (ou misericórdia), digna-te afastar a tua ira e o teu furor da cidade de Jerusalém, do teu santo monte (Sião), porque Jerusalém e o teu povo são hoje o escárnio de todos os que nos cercam, por causa dos nossos pecados e das iniquidades de nossos pais. [17] Atende, pois, agora. Deus nosso, à oração do teu servo, às suas preces, e, sobre o teu santuário devastado, faze brilhar a tua face, por amor de ti mesmo.

[18] Inclina, Deus meu, o teu ouvido e ouve; abre os teus olhos e vê as nossas ruínas e (contempla) a cidade sobre a qual se invoca o teu nome. Não trazemos à tua presença as nossas súplicas (humildes) fundados em merecimentos da nossa justiça, mas sim nas tuas grandes misericórdias. [19] Ouve, Senhor, perdoa. Senhor; atende e põe mãos à obra; não tardes mais. Deus meu, por amor de ti mesmo, porque esta cidade e este teu povo têm a glória de lhes haver sido dado o teu nome.

Kyrie eleison.

domingo, maio 12, 2019

Comentários Eleison: Brexit II

0 comentários
Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXVII (617) - (11 de maio de 2019):


BREXIT – II


Brexistas, vocês querem realmente ser abençoados?
Busquem primeiro o Reino de Deus. Ele acrescentará o resto.


Há um poema inglês do século XIX merecidamente famoso que lança muita luz sobre o enorme rebuliço que foi despertado pela tentativa do povo britânico de escapar das redes da União Europeia. "Dover Beach [A Praia de Dover]" foi escrito provavelmente em 1851 por Matthew Arnold (1822-1888), e apresenta em quatro versos irregulares sua profunda melancolia quando se encontra em pé na beira do Canal da Mancha escutando o ritmo incessante das ondas na praia em frente a casa onde se encontra para passar a noite com sua amada, presumivelmente sua legítima esposa.

O primeiro verso é uma bela descrição do litoral iluminado pela lua e das ondas, que conclui com a “eterna nota de tristeza” que ele parece ouvir nas ondas. Como um completo erudito clássico, ele recorda uma citação do dramaturgo grego Sófocles (496-406 a. C.), que ouviu no mesmo vai e vem das ondas em uma praia parecida a milhares de quilômetros de distância, e há mais de dois mil anos, “o turvo vai e vem da miséria humana”, e o espírito de Arnold se volta para os profundos problemas de sua própria época, a da era Vitoriana. Arnold nunca foi católico, mas no terceiro verso ele remonta esses problemas à perda da Fé em seu século XIX, cujo “rugido melancólico de retirada lenta” parece ouvir o som das ondas que se esvaem diante dele.

No quarto e último verso, ele apresenta a única solução que tem para o problema da vida que desaparece do que uma vez foi a cristandade, e que é voltar-se para sua amada ao seu lado e implorar-lhe que permaneça fiel a ele, porque tudo o que eles realmente têm é um ao outro. Assim, na obscura conclusão do poema, tudo o mais

Não tem realmente alegria nem amor nem luz,
Nem certeza nem paz nem amparo para a dor;
E estamos aqui como em uma planície obscura
Arrastados por confusos alarmes de luta e fuga,
Onde exércitos ignorantes se chocam à noite.

Assim, Arnold teve fé suficiente para ver que o problema essencial de sua civilização era a perda da fé religiosa, mas lhe faltava a fé para acreditar na alternativa real e existente para a obscuridade e para a confusão resultantes, nomeadamente, a Igreja Católica. Da mesma forma, os brexistas têm instintos sadios suficientes para sentirem que a União Europeia está indo na direção errada, mas eles têm menos religião ainda do que Arnold, e então eles têm menos ideia do que ele tinha de como evitar a “planície obscura”. Portanto, o debate sobre o Brexit continua sendo um “choque de exércitos ignorantes à noite”, porque todo mundo está enquadrando o debate no âmbito econômico, quando na realidade o verdadeiro debate é religioso, entre os últimos vestígios das nações cristãs, por um lado, e, por outro lado, o início do Anticristo com sua Nova Ordem Mundial. É a dimensão religiosa que dá ao debate sua força em ambos os lados. É a falta de religião de ambos os lados que dá ao debate sua confusão.

Pois, de fato, Deus é o grande ausente da “civilização” moderna, mas como disse certa vez o Cardeal Pie, se Ele não governa com Sua presença, Ele governará com Sua ausência. Sem Ele, o debate sobre o Brexit está sendo conduzido sob a perspectiva econômica, e desse modo os brexistas estão fadados a perder. Mas será que eles estão dispostos a se voltarem para Deus? Eis a questão.

Kyrie eleison.

sábado, maio 11, 2019

Educação e os problemas sociais no Brasil

0 comentários


Um texto lúcido, simples e direto sobre a Educação e os problemas sociais no Brasil. A autora prefere não se identificar. 

Leia e reflita.



"Querem que as universidades públicas acabem com a meritocracia e recebam só alunos de baixa renda.

A primeira coisa a ser corrigida seria melhorar a educação fundamental da rede pública. Um colégio de ponta no meio da favela com tiroteios causa estresse emocional nos alunos.

Estes alunos vem de famílias muitas vezes disfuncionais, mal convive com os responsáveis que trabalham o dia inteiro, mas vezes passam fome, vivem em regiões com guerra constante sem nenhuma condição para viver em paz e com dignidade. Isto irá refletir na vida educacional dele


Para realmente dar igualdade, o governo deveria dar condições para que todos tenham direito a habitação digna. E preciso diminuir a carga horária de trabalho para que pais tenham tempo para criar seus filhos. Mas isto nunca será feito.


Cada vez mais se torna impossível comprar um imóvel e quem o tem é açoitado com aumento exponencial de impostos e com as reformas trabalhistas cada vez mais vai aumentar a carga horária do trabalhador. Então é mais fácil jogar números sobre o problema do que meter o dedo nele.

O problema da desigualdade será resolvido acabando com a classe média, ao invés, de acabar com a pobreza. Com a desculpa que só classe média vai pra universidade pública, elas serão extintas e ensino superior será só para os milionários que podem pagar 10, 15 mil por mês num curso.

Somos reféns de um sistema de governo que trabalha em prol de banqueiros e não para o povo."

domingo, maio 05, 2019

Comentários Eleison: Diagnóstico do Brexit

0 comentários

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXVI (616) - (04 de maio de 2019):


Diagnóstico do Brexit


Pessoas da antiga Grã-Bretanha, atenção!
Sem Deus, os escravos de Mamon arrancarão seu coro!


Há meses o Parlamento Britânico, outrora virtualmente o amo do mundo, vem apresentando ao mundo inteiro um espetáculo indigno, de divisão e irresolução. Por que razão a questão de deixar a União Europeia causou tamanha confusão e aborrecimento? Certamente porque quando em 2016 a classe política deu ao povo a oportunidade de votar em um referendo sobre sua política de Nova Ordem Mundial, o povo votou em um número jamais antes visto na Grã-Bretanha, e pegou a classe política completamente de surpresa quando a maioria de 52% rejeitou a sua NOM contra os outros 48%. O voto favorável ao Brexit (a saída da Grã-Bretanha da UE) fez com que essa classe perdesse seu rumo, e desde então ela tem estado atrapalhada, completamente e por tanto tempo enfeitiçada – ou comprada – pela NOM.

Comprada, porque a União Europeia e seu parlamento em Bruxelas representam Mamon, ou a política do dinheiro. Porque toda a ideia por trás da União Europeia era, mediante a prosperidade material, comprar o apoio dos muito diferentes povos europeus para a submersão de suas diferenças nacionais em um único estado europeu internacional, que por sua vez deve ser um componente fundamental do estado único mundial internacional, a Nova Ordem Mundial. Assim, os mestres judaico-maçônicos do dinheiro por trás da NOM assumiram que a política de união poderia ser realizada pela economia de sua moeda única, o euro, e calcularam que os europeus estariam tão apaixonados pela obra materialista dos “banksters [banqueiros gângsteres]”, que não se oporiam à dissolução de suas nações pela imigração descontrolada procedente de fontes não europeias.

Mas “não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus” (Mt IV, 4). De fato, segundo a natureza das coisas, a religião (o homem para seu Deus) é primária, a política (o homem para seus semelhantes) é secundária, e a economia (homem para o dinheiro) é apenas terciária. Portanto, é antinatural que a economia dirija a política; e a natureza pode ser revertida pela Revolução, mas a natureza sempre pode reivindicar-se a si mesma, como no caso da votação do Brexit, que foi diretamente provocada pela admissão antinatural na Grã-Bretanha, pelos políticos, de hordas de estrangeiros inassimiláveis. No entanto, quando a natureza se restabelece, os políticos modernos, materialistas ateus e superficiais, quase sem exceção, são tomados completamente de surpresa, como pelo voto do Brexit. Eles fazem guerra contra a natureza. Como poderiam entendê-la ou dirigi-la?

Mas quem votou em todos esses políticos antinaturais? Quem mais senão os povos (não só da Grã-Bretanha), de acordo com o sacrossanto princípio da democracia? Sacrossanto? Sim, porque a inversão atual da natureza é completa, de modo que assim como a economia moderna é feita para derrubar a política, assim também as políticas modernas são feitas para derrubar a religião, e a democracia se torna uma religião substituta, e a vontade do povo substitui a Deus. Isto significa que o voto do Brexit não foi válido apenas porque foi a vontade do povo britânico, 52 a 48%, mas porque favoreceu o que é natural, a identidade e os vários dons dados por Deus às nações europeias, concebidos por Deus para comporem a sinfonia da Europa, como se alcançou na Idade Média católica. “Busque primeiro o reino de Deus e Sua justiça (religião) e todas essas coisas (políticas) vos serão dadas por acréscimo” (Mt. VI, 33).

Isso significa que os britânicos que votaram pelo Brexit são religiosos? Dificilmente! Em sua maior parte são materialistas ateus prontos para o comunismo da burocracia tirânica de Bruxelas, com uma visão não mais verdadeira que a dos políticos em quem votam habitualmente, e igualmente confusos. Mas o Canal da Mancha dá a eles uma certa distância e uma certa perspectiva em relação ao que acontece na Europa, de modo que quando se realizou a votação do Brexit, alguns antigos instintos naturais entraram em ação, os mesmos pelos quais se tem conservado a aparência – não a substância! – de uma monarquia católica. No entanto, se o povo britânico não é cuidadoso, se ele não “vigia e ora” por seu país, os frutos de seu voto original do Brexit lhes serão roubados pelos “banksters” de uma forma ou de outra. Sem dúvida, eles já estão planejando como contornar aqueles dos quais a imagem que têm é a de “brexistas” estúpidos e atrasados. Deus é supremamente generoso, mas d’Ele não se escarnece, nem a Ele se engana!

Kyrie eleison.

Comentários Eleison: Mentalidade Conciliar

0 comentários


Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCXV (615) - (27 de abril de 2019):


Mentalidade Conciliar


Sacerdotes conciliares? – cegos, liderando cegos,
Levando a ruína absoluta a toda a humanidade!



Nestes “Comentários” de 6 de abril se mencionou “um encontro discreto” entre o Bispo Huonder e dois Bispos com cinco sacerdotes da FSSPX, realizado no leste da Suíça em 17 de abril de 2015, para discutir o ecumenismo do Vaticano II. Um mês e meio depois, Menzingen (QG da FSSPX) enviou aos sacerdotes da FSSPX uma “nota confidencial” sobre a reunião que incluía os poucos detalhes publicados aqui em 6 de abril: o “Acordo antes da doutrina” do BpH, a resposta da FSSPX com a verdadeira doutrina da Igreja sobre o ecumenismo, e a promessa de Huonderland do BpH de levar essa doutrina a Roma. Vale a pena analisar com mais detalhes os argumentos do BpH em favor de que se ponha a doutrina em segundo lugar, porque eis aqui a mentalidade que está destruindo a Igreja.

O Bispo Huonder apresentou oito argumentos, segundo a nota confidencial. Todos eles são fornecidos aqui, ligeiramente adaptados, em itálico. As respostas os seguem abaixo.

1 Eu (BpH) quero muito que a FSSPX seja canonicamente reintegrada à Igreja oficial.

2 Sem esse status canônico, a FSSPX tem apenas uma influência mínima porque está marginalizada. Os Bispos conservadores querem esse status para a FSSPX; sem ele todos estão contra a FSSPX.

3 Eu não acho que queiram estar em cisma. Querem demonstrar seu respeito indefectível pela Autoridade da Igreja.

4 O Magistério da Igreja deve ouvir o que os teólogos dizem, inclusive os da FSSPX, em um espírito de respeito mútuo. O Magistério também deve comprovar que qualquer evolução na Igreja desde o Concílio está em consonância com a Tradição Católica.

5 O levantamento das excomunhões de 1988 por Bento XVI e a liberação da Missa Tridentina são sinais de boa vontade da parte de Roma.

6 Um acordo com Roma daria apoio ao Superior Geral da FSSPX e ao seu apostolado. Também daria à FSSPX o direito de pedir explicações ao Magistério.

7 A Igreja precisa da FSSPX para sua nova evangelização.

8 Um eventual reconhecimento canônico precisaria ser seguido pelo tratamento das questões teológicas para que se encontrem  soluções.

E agora seguem algumas respostas:

1 Honorável Bispo, isso é muito gentil de sua parte, mas ser gentil não é o mesmo que ser católico.

2 A FSSPX teve uma grande influência enquanto dizia a Verdade, mas à medida que tem abandonado a Verdade Católica para alinhar-se com Roma e com o resto do mundo, essa influência tem diminuído, tem minguado. Por acaso o senhor não teria encorajado o próprio Senhor a alinhar-se com os fariseus?

3 A Fraternidade de Dom Lefebvre nunca esteve em um cisma real, porque apenas colocava Deus na frente dos homens. A Neofraternidade, como a Neoigreja, move-se para o cisma real, pois coloca os homens na frente de Deus.

4 Nãos se deve nenhum respeito ao erro e seu veneno, como o do Vaticano II. Infectado pelo veneno conciliar, o Neomagistério de hoje é muito inadequado para supervisionar a evolução da Igreja.

5 A boa vontade conciliar, como a de Bento XVI, é, na melhor das hipóteses, boa vontade subjetiva. Para que fosse realmente boa, ela deveria estar alinhada com a verdade objetiva, da qual todos os conciliaristas, como tais, perderam toda a noção. "O caminho para o inferno é pavimentado com boas intenções”, diz um provérbio antigo e sábio.

6 Um acordo com a Roma conciliar seria a morte definitiva da FSSPX católica, que não precisa de acordo com Roma para exigir que os romanos deixem de trair a verdadeira fé católica.

7 A verdadeira FSSPX rejeita a “Nova Evangelização”, solução irreal para o verdadeiro problema do Vaticano II.

8 Em outras palavras, “Acordo antes da doutrina”. Esse é um erro grave, proposto por todos os conciliaristas, porque se alguém vive uma mentira por tempo suficiente, terminará acreditando nela. O Vaticano II é uma grande mentira.

Em resumo, os oito argumentos do BpH são todos considerações humanas, essencialmente desvinculadas da Verdade objetiva da verdadeira Igreja Católica. Que Deus o faça ver o quanto a Igreja Conciliar se perdeu! 

Kyrie eleison.

quinta-feira, maio 02, 2019

Inclusão ou farsa?

0 comentários


O texto abaixo é de uma professora. Eu já li e ouvi outras histórias como a dela, inclusive de minha irmã que é pedagoga. Inclusão? Sério? Nosso sistema educacional é falido! Leia:

Ontem tive o pior dia da minha vida profissional, em 16 anos lecionando.
O menino autista, de altíssimo grau, foi provocado por outro aluno especial. Eu estava "sozinha" na sala, com outras 30 crianças, sendo uma delas também portadora de deficiência. Ou seja: 3 especiais, 29 anjos da gritaria deixando o autista agitado, até que veio a provocação. O menino começou a bater a cabeça na mesa repetidas vezes e gritar. Se jogou no chão, e passou a bater a parte traseira da cabeça também, aumentando os gritos, que eram ouvidos por toda a escola. Os demais, dizendo que ele agrediria alguém, pois é o que costuma fazer quando está em surto. Isso não aconteceu, mas não era possível segurá-lo (ele tem quase a minha altura e muita força) e ele foi batendo a cabeça no chão até formar um calombo com um furo. Foram necessárias 3 pessoas para tirar o menino da sala.
Nunca vou me esquecer daquele olhar de sofrimento dele, que me encarava gritando e chorando e eu nada podia fazer para aliviar aquela dor. Enquanto o circo pegava fogo, aqueles outros 30 seres sem empatia alguma aproveitaram o meu desespero e a atenção dispensada ao menino, para iniciar guerra de bolinhas de papel e brincar de pega-pega dentro da sala. Isso tudo, claro, gritando muito também.
A inclusão é uma farsa. É o discurso politicamente correto que põe em risco os "incluídos" e os demais alunos. Jogam essas crianças em escolas sem nenhum preparo material, físico e profissional para recebê-las. E as fazem cumprir a mesma carga horária dos demais, submetendo-se ao barulho infernal, que ultrapassa os 80 decibéis com frequência. Não há um piso ou uma parede emborrachada. Não há um material específico. Não há um mísero especialista. É bem barato e fácil para os governos incluírem.
O plano é justamente esse. Destruir a educação. E quem apontar a canalhice é chamado de nazista (já fui algumas vezes, até ameaçar processar quem o fazia), desumano, etc.
Há o plano de se retirar a obrigatoriedade de que esses alunos sejam matriculados no ensino regular (link no primeiro comentário). Quem considerar um retrocesso, fique à vontade para cuidar dos 3 especiais que tenho em cada turma. Mas tem que ir todo dia, tá?

quarta-feira, maio 01, 2019

Educação não pode ser utilitária!

0 comentários


Sobre a decisão do governo de diminuir investimentos para cursos de Filosofia. Não se enganem, o plano do novo ministro é aprofundar o sistema educacional brasileiro no Globalismo, plano este que começou lá atrás, ainda no governo militar. Eles tiram as Humanidades para tornar tudo mais técnico, e com isso a sociedade perde, pois a educação não pode ser utilitarista, educar é muito mais do que preparar pessoas para mercado de trabalho. Sem as Humanidades, sem a Lógica, sem a Filosofia, o ser humano deixa de pensar, não aprende a raciocinar bem, e sendo treinado em habilidades técnicas, ele será cada vez mais parecido com máquinas e assim mais facilmente substituível por estas.

A solução não é diminuir verba para cursos de Filosofia, mas sim reformulá-los. A "elite globalista" quer a destruição do pensamento, e o tecnicismo que ela defende aproxima o homem das máquinas e o afasta de Deus. A "elite globalista" odeia o povo, não quer um Brasil desenvolvido, lembre-se disso.

Abaixo dua opiniões de professores sobre o tema: 

Weintraub estuda diminuir investimentos para cursos de filosofia - Erro grotesco!
Atacam o fenômeno e não a causa: temos ativistas nas humanas, portanto cortamos o repasse para ela.
Ministro da Educação está seguindo a cartilha globalista.
Indico essa leitura para ajudar a compreensão: 
"Como as Corporações Globais Querem Usar as Escolas Para Moldar o Homem Para o Mercado", por Joel Spring.



Eu avisei? Avisei demais.
Em 2016 ficamos sabendo que a BNCC, aquela excrescência, havia retirado a obrigatoriedade do ensino de Literatura Portuguesa do currículo do Ensino Médio. Autores como Camões, Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco e Fernando Pessoa foram eliminados.
Evidentemente, eu dei o meu chilique sozinha. A justificativa dos canalhas é que os escritores portugueses, sobretudo os textos do Trovadorismo, Humanismo e Classicismo, são muito distantes do aluno brasileiro contemporâneo. Eu poderia escrever um livro apenas para refutar tamanha imbecilidade, mas prossigamos. Dei o meu chilique e fui ridicularizada como a tradicionalista histérica, como é de hábito de quem tem a alma submissa.
Professores se submetem a qualquer programa de governo, ainda que discordem dele (do governo e do programa ou de ambos). Cabe lembrar aqui que no mesmo golpe contra a lusofonia, excluíram gramática do currículo. Simples assim. Eu não poderia esperar outra coisa vinda do PT de Dilma Roussef. Na época, eu afirmei que ao se valorizar apenas o caráter utilitarista das coisas, os professores estavam dando um tiro no pé, além de desrespeitando a grandeza do espírito humano, que é o que nos diferencia dos outros animais.
Eu agradeço a Deus por terem vindo ao mundo antes de mim grandes espíritos como Dom Diniz, Gil Vicente, Camões, Da Vinci, Dante, Michelangelo, Botticelli, Fernando Pessoa, dentre outros tantos artistas de alma grande. Qual é a utilidade deles ao mundo? Nenhuma. Assim como o amor é o mais inútil dos sentimentos, também é o mais belo e o que dá sentido à nossa vida.
Eu já pensava isso quando vi o documentário "Por que a Beleza importa", de Roger Scruton. Documentário esse, citado por adoradores do governo ao elogiar a beleza da primeira dama... (pausa para me recompor da vergonha alheia).
Então, quando Temer colocou o impraticável Novo Ensino Médio em prática (com ironia, por favor), houve choro de professores de filosofia e sociologia, que se tornariam disciplinas optativas. Mas eles cavaram sua própria cova ao apoiar o absurdo populista vindo do PT.
Agora vem o governo conservador, fã de Roger Scruton, reforçar o que Dilma não conseguiu implementar, diminuindo o investimento em cursos "inúteis" como sociologia e filosofia. O problema aqui é que poucos têm moral para reclamar agora.
Eu continuarei ensinando Trovadorismo, Humanismo, Camões e gramática, enquanto não for denunciada ao Escola Sem Partido. Porque, sem dúvida alguma, não sou neutra na defesa dos meus valores. E não vou seguir programas de governo que eu considere imorais. E sim, eu estou doutrinando meus alunos. Estou dizendo a eles que textos em galego-português são importantes, quando o governo diz que humanidades não são.

terça-feira, abril 30, 2019

Não, os portugueses não invadiram o Brasil

0 comentários
 

Não, os portugueses não invadiram o Brasil. Os portugueses fundaram o Brasil. Antes dos portugueses, aqui não havia um país.

As pessoas tem um visão romântica dos índios, baseada em parte na perspectiva iluminista do "bom selvagem" e na historiografia brasileira que insiste em desvalorizar nossas raízes européias.

Vamos falar um pouco sobre os índios: 
- eram bárbaros na idade da pedra em pleno século XVI; 
- não tinham roda;
- não tinham língua escrita;
- não praticavam agricultura (ou seja, eles não eram amantes da natureza, viviam dela, a exauriam, caçavam, mas não semeavam, não plantavam, nem criavam animais);
- praticavam sacrifícios humanos ritualísticos em que retiravam o coração da vítima ainda pulsando de seu peito;
- praticavam canibalismo e infanticídio; 
- entravam em guerra uns com os outros, as tribos rivais matavam-se umas as outras, e a tribo vencedora escravizava (inclusive sexualmente as mulheres) e canibalizava a tribo derrotada.

Portugal foi primeiro país europeu a consolidar um reino unificado, ainda no século XIV, ou seja, 500 anos antes de Alemanha e da Itália.

Foram os mais importantes desbravadores da história das grandes navegações de todos os tempos, tendo sido o navegador Vasco da Gama o primeiro a contornar o périplo africano.

Legaram ao mundo incomensurável patrimônio artístico, cultural e literário. Nosso idioma é um dos mais ricos, axiomáticos, sintaxiológicos e poéticos do mundo, que infelizmente segue desvalorizado tanto pelas pedagogias modernas quanto pela insipiência generalizada.

Sim, os portugueses descobriram o Brasil, trouxeram para cá a civilização. Salve Pedro Álvares Cabral!

(Deyvid - 22/04/2017)