segunda-feira, julho 30, 2018

Comentários Eleison: Capítulo Geral - I

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DLXXVI (576) (28 de julho de 2018):


Capítulo Geral - I


Velhos líderes, quando falham, devem ser destituídos,
E então jamais serem na liderança readmitidos!

O último Capítulo Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, o quarto com eleições (1982, 1994, 2006 e 2018), chegou ao fim em Écône, na Suíça, no último sábado. O evento foi seguido com interesse em muitos setores, porque por cerca de quarenta anos a partir de sua fundação em 1970, a Fraternidade surgiu como um importante bastião da Fé Católica na esteira do Concílio Vaticano II (1962-1965), que, com efeito, havia minado oficialmente essa Fé. No entanto, nos últimos vinte anos, a Fraternidade deu cada vez mais sinais de mudança de direção, mais em consonância com os oficiais conciliares da Igreja, e menos em consonância com seu fundador, o Arcebispo Lefebvre. Que direção o Capítulo Geral mostraria que a Fraternidade está para tomar agora?

Os procedimentos detalhados de um Capítulo normalmente devem permanecer privados, como os da eleição de um Papa, mas no final do Capítulo surgiram palavras e ações públicas. As palavras foram a declaração oficial do Capítulo sobre a política para o futuro, que se alinhou com a famosa declaração do Arcebispo Lefebvre de novembro de 1974, "em sua totalidade". No entanto, como o website Non Possumus mostrou claramente citando verdadeiramente em sua totalidade essa declaração de guerra contra a nova religião do Vaticano II, o Capítulo escolheu deliberadamente citar apenas suas partes mais pacíficas. Isto não é promissor para a continuação, por parte da Fraternidade, da guerra santa do Arcebispo contra a terrível apostasia do Vaticano II.

É claro que o Arcebispo foi católico em primeiro lugar, e anticonciliar só como consequência, e é por isso que sua declaração de guerra contém partes pacíficas. Mas como a verdade pode ser amada sem o ódio ao erro? O anticonciliarismo segue imediata e necessariamente o amor ao catolicismo, e é por isso que uma multidão de verdadeiros católicos vieram a seguir a Fraternidade e seu Fundador, que denunciaram clara e abertamente a apostasia dos oficiais da Igreja. Sob ele, o seminário em Écône já teve mais de cem seminaristas, e milhares de pessoas assistiam todos os verões à ordenação de uma dúzia ou mais de novos sacerdotes. Em junho deste ano, uma multidão estimada de quatrocentas e cinquenta almas assistiu à ordenação de três novos sacerdotes que estavam entre cerca de quarenta seminaristas. Os católicos estão deixando de apoiar – e fechando as carteiras – a Neofraternidade.

Quanto às ações públicas do Capítulo, que sempre falam mais alto que palavras, consistiram na eleição de um novo Superior Geral e dois novos Assistentes. Deve-se parabenizar os participantes do Capítulo por terem deposto o anterior Geral e seus Assistentes, porque estes haviam lutado por doze anos para mudar a direção da Fraternidade, a fim de buscarem o reconhecimento oficial dos apóstatas romanos. O reconhecimento não foi obtido, mas a Fraternidade ficou seriamente enfraquecida, e os seus melhores padres ficaram desorientados. Então, quem o Capítulo escolheu como governantes em seus lugares? Os dois novos Assistentes foram executivos leais do Geral anterior com sua política de agradar a Roma conciliar. Pelo bem comum da Fraternidade? Mas quando houve um bem comum católico contra a Fé? Quanto ao novo Geral, ele pode não saber o que pretende fazer como Geral, porque somente Deus sabe com certeza o que um homem fará quando é colocado no poder. Muitas vezes ele irá decepcionar, porque “o poder corrompe, e o poder absoluto corrompe absolutamente” (Lord Acton), mas ele pode-se mostrar surpreendentemente bom. O Padre Pagliarani certamente precisa de nossas orações.

A este respeito, no entanto, a última ação pública do Capítulo chegou como um raio. Pouco antes do encerramento do Capítulo, votou-se para adicionar ao Conselho Geral de governo da Fraternidade e aos dois Assistentes outros dois “Conselheiros”. E a quem eles elegeram? Os dois últimos Gerais da Fraternidade, o Pe. Schmidberger (1982-1994) e o Bispo Fellay, que entre 1994, quando ele foi eleito pela primeira vez, e 2018, quando foi finalmente destronado, era o principal arquiteto do enfraquecimento e do declínio da Fraternidade! De quem foi a tarefa de colocar o Bispo Fellay de volta junto ao trono com seu colaborador mais próximo, o padre Schmidberger? Que sábio Superior quer que seu antecessor fique por mais doze anos? O que o Capítulo pensou que estava fazendo? De qualquer forma, se a Fraternidade há de amar a verdade e odiar o erro, não é um bom sinal.

Kyrie eleison.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.