sábado, agosto 31, 2013

Comentários Eleison: Édito de Milão

Comentários Eleison – por Dom Williamson
CCCXX – (320) – (31 de agosto de 2013):
  
 
 ÉDITO DE MILÃO


 
Em nossos dias, quando a apropriação da Fraternidade Sacerdotal São Pio X pelo liberalismo soa simplesmente como a última em uma longa linha de derrotas da Igreja Católica, é difícil imaginar que houve um tempo quando a Igreja registrava uma vitória atrás da outra. No entanto, esse ano nós celebramos o 1700º aniversário de uma daquelas vitórias, o Édito de Milão, datando de 313 dC.
           
O imperador romano Constantino, conhecido como “Constantino, o Grande”, nasceu em 272 e foi batizado como cristão apenas pouco antes de sua morte em 337, embora ele houvesse sido abertamente simpático à Igreja durante muitos anos. Quando em 312 ele marchou em Roma para lutar contra seu rival, o imperador Maxêncio, Nosso Senhor prometeu-lhe a vitória caso pusesse em seus estandartes militares o “labarum”, o X com o P sobreposto, as primeiras duas letras gregas da palavra Cristo. Constantino fez o que Nosso Senhor disse, e derrotou Maxêncio na batalha da Ponte Mílvia. Tendo assumido o firme controle de Roma, ele emitiu, no ano seguinte, o Édito de Milão.

Durante os 250 anos anteriores, adoradores de Cristo sofreram dez perseguições sanguinárias de imperadores romanos, de Nero (37-68) a Diocleciano (243-316). Os cristãos recusaram a religião pagã do Estado, e então o Estado baniu o cristianismo. Em 325, Constantino endossou a ortodoxia do Concílio dogmático de Nicéia. Em 380, o imperador Teodósio fez do cristianismo a religião oficial de Roma, e em 392 Teodósio proibiu o culto pagão.

Assim, Constantino começou aquela união entre Igreja (Católica) e Estado que foi a fundação da Cristandade, melhor conhecida hoje como “Civilização Ocidental”. Por mais que na prática possa ter havido ao longo das épocas o abuso dessa união, ela é em princípio imensamente frutuosa para a salvação das almas. É necessário apenas pensar em como algum município, mesmo hoje, iria se beneficiar com um padre são e um policial são complementando um ao outro. Por 1600 anos a Igreja Católica sustentou esse princípio de união entre Igreja e Estado, enquanto o liberalismo revolucionário tem constantemente procurado miná-lo pelos últimos 200 anos. Apenas com o Vaticano II a Igreja, por fim, cedeu, e passou a repudiar, em razão de seus ensinamentos sobre liberdade religiosa na Dignitatis Humanae, a doutrina do Estado Católico. Um líder dos neo-modernistas no Concílio, Padre Yves Congar regozijou-se pelo Concílio ter posto um fim à “Igreja constantiniana”.

Agora, é verdade que a ligação do clérigo com as autoridades mundanas irá trazer tentações do mundanismo com ela, mas qualquer Estado é obrigado a fazer cumprir as leis que correspondam a alguma visão religiosa ou anti-religiosa de Deus e do homem. Para ver o quão difícil é levar uma vida católica quando essa visão do Estado concorda com a anti-religião do humanismo secular, apenas olhe à sua volta. Foi a pressão por todos os lados do Estado moderno irreligioso sobre os bispos do Vaticano II que os fez querer mudar a Igreja Católica para se ajustar ao mundo moderno. A mesma pressão está agora sendo feita sobre a liderança da Fraternidade Sacerdotal São Pio X para que siga o caminho da revolução.

Constantino, ao contrário, vem contribuindo ao longo das épocas para a salvação de milhões de almas, um feito pelo qual ele certamente está no Céu. Imperador Constantino, rogai por nós.

Kyrie eleison
 

sexta-feira, agosto 30, 2013

quarta-feira, agosto 28, 2013

Padre Paulo Ricardo e o rito de Paulo VI.



Leiam aqui:

Padre Paulo Ricardo e o rito de Paulo VI. 

 

Como o retorno a Missa de Sempre poderia ser algo revolucionário, Padre? Como?

terça-feira, agosto 27, 2013

Festa da Santa Cruz - Mosteiro da Santa Cruz - Nova Friburgo


Dia 15 de Setembro – Mosteiro da Santa Cruz Nova Friburgo Brasil
 

Como chegar no mosteiro veja aqui:
http://www.beneditinos.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=6&Itemid=103

Palavras definitivas de São Pio X – para gravar no coração e agir conforme a elas




"Estão pois muito equivocados aqueles que crêem e esperam para a Igreja um estado permanente de perfeita paz, de prosperidade universal, e um reconhecimento prático e unânime de seu poder, sem contradição alguma; mas o erro pior e mais grave é o daqueles que se enganam pensando que eles conseguirão essa paz efêmera dissimulando os direitos e interesses da Igreja, sacrificando-os aos interesses privados, diminuindo-os injustamente, agradando o mundo ‘onde domina inteiramente o demônio ', sob o pretexto de simpatizar com os fautores da novidade e atraí-los para a Igreja, como se fosse possível a harmonia entre a luz e as trevas, entre Cristo e o Demônio. São estes, sonhos de enfermos, alucinações que sempre ocorreram e ocorrerão enquanto houver soldados covardes, que deponham suas armas na simples presença do inimigo, ou traidores, que pretendam a todo custo fazer as pazes com os adversários, ou seja, com o inimigo irreconciliável de Deus e dos homens". (São Pio X, Encíclica Rerum Communium).

segunda-feira, agosto 26, 2013

Desafio protestante feito ao Bruno Luís Santana


Leiam esse post de Bruno Luís Santana: Desafio protestante

Ao ser desafiado por um pobre protestante, o Bruno dá uma aula sobre Igreja. Muito bom mesmo, vale a pena ler!

Trechinhos:

"Se a religião católica fosse falsa, o demônio a deixaria em paz, bem conceituada aos olhos dos homens, sedutora em atrair muitos adeptos.
Mas se há homens empenhados em praticar satanismo em seu seio, é porque sabem que ela é verdadeira, e por isso a sabotam, exatamente para atingir a Deus." 

"VOU ME ESCANDALIZAR COM JOÃO PAULO II PARA QUE? Se já tenho espelho em casa, é motivo suficiente para viver com a cara “no chão”." 

Pois é, esses protestantes acham que por mostrarem escândalos de Papas e Bispos, nós católicos, deveríamos abandonar a Igreja. Não sabem que o ser humano é falho?

É o que eu sempre digo: se a Igreja Católica não fosse sustentada pelo Divino Espírito Santo, já teria deixado de existir há muito tempo, tamanha a quantidade de maus católicos dentro dela... Só não vê quem não quer! Somos pecadores, quando estamos de pé é pela graça de Deus, buscamos a salvação, a misericórdia Divina, não somos perfeitos.

FORA DA IGREJA NÀO HÁ SALVAÇÃO!

sábado, agosto 24, 2013

Comentários Eleison: Visão da Resistência

Comentários Eleison – por Dom Williamson
CCCXIX – (319) – (24 de agosto de 2013):
  
 
VISÃO DA RESISTÊNCIA



            Algumas almas católicas que hoje mantêm a fé católica estão temendo pela direção que vem sendo tomada pela liderança da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, e como elas apreciam o quanto vinham recebendo da Fraternidade nas últimas décadas, elas desesperadamente optaram por uma nova Fraternidade substituta. Elas temem que a diferente visão de uma rede de pequenos grupos de resistência seja o seu futuro, mas podem ser tranquilizadas ao saberem que foi essa a visão de um proeminente profeta e pioneiro do movimento Tradicional, o padre dominicano francês Roger-Thomas Calmel (1914-1975). Aqui está uma página, livremente traduzida e adaptada do francês, de sua “Breve Apologia para a Igreja de todos os Tempos (pp. 48-51): --
“Por mais loucamente que possa se portar a hierarquia católica, padres não podem tomar o lugar dos bispos, e nem podem os leigos tomar o lugar dos padres. Estamos nós então pensando em criar uma liga ou associação mundial de padres e leigos cristãos para entrar no diálogo com a hierarquia e forçá-la a restaurar a ordem católica? É uma grande e tocante ideia, mas ela é irreal. Isso porque nenhum grupo que queira ser um grupo da Igreja, mas sem ser uma diocese, ou uma arquidiocese e nem uma paróquia e nem uma ordem religiosa, se encontrará sob alguma das categorias sobre as quais e pelas quais a autoridade é exercida na Igreja. Irá ser um grupo artificial, um artefato desconhecido para qualquer dos grupos reais da Igreja que são estabelecidos e reconhecidos como tais.
Assim, como com qualquer agrupamento de homens, os problemas de liderança e autoridade irão surgir, e quanto maior o grupo, mais acentuados serão. Infalivelmente irá se cair nisto: por ser uma associação, o grupo deve resolver o problema da autoridade; por ser artificial (não ser nenhum tipo de grupo natural ou sobrenatural), ele não pode resolver o problema da autoridade. Surgirão rapidamente subgrupos rivais, a guerra será inevitável, e não haverá meios canônicos para terminá-la ou travá-la.
Estamos então condenados a não poder fazer nada no meio do caos, um caos frequentemente sacrílego? Eu não penso assim. Em primeiro lugar, a indefectibilidade da Igreja garante que até o fim do mundo haverá pessoal suficiente compondo uma genuína hierarquia a manter os sacramentos, especialmente a Eucaristia e as Sagradas Ordenações, e a pregar a única e imutável doutrina da Salvação. E em segundo lugar, quaisquer que sejam as falhas da real hierarquia, todos nós, padres e leigos, temos nossa pequena parcela de autoridade.
Portanto, que o padre apto a pregar vá aos limites de seu poder de pregar, absolva pecados e celebre a verdadeira Missa. Que a Irmã que educa vá aos limites de sua graça e poder para formar moças na fé, na boa moral, na pureza e na literatura. Que cada padre e leigo, cada pequeno grupo de leigos e padres, que tenha autoridade e poder sobre um pequeno forte da Igreja e da Cristandade, vá aos limites de suas possibilidades e poderes. Que os líderes e ocupantes de tais fortes se conheçam e mantenham contato uns com os outros. Que cada um dos fortes protegidos, defendidos, treinados e dirigidos em suas orações e cantos por uma autoridade real se torne, tanto quanto possível, uma fortaleza de santidade. É isso que irá garantir a continuação da verdadeira Igreja e irá preparar eficazmente sua renovação no bom tempo de Deus.
Então nós não precisamos ter medo, mas orar com toda confiança e exercer sem medo, na esfera que é nossa, de acordo com a Tradição, o poder que nós temos, preparando​ ​assim o feliz tempo em que Roma voltará a ser Roma e os bispos voltarão a ser bispos.”

 Kyrie eleison

 

sábado, agosto 17, 2013

Comentários Eleison: Condição Patológica

Comentários Eleison – por Dom Williamson
CCCXVIII – (318) – (17 de agosto de 2013):

CONDIÇÃO PATOLÓGICA

            Isabel, a Católica, a grande Rainha da Espanha, segundo um relato, encomendou certa vez uma pintura que mostrava um padre no altar, uma mulher dando à luz e um criminoso sendo enforcado. Em outras palavras, que cada um faça o que tem que fazer, e não outra coisa. Mas esses “Comentários” sugeriram semana passada que hoje as pessoas não estão sendo o que elas são: professores frequentemente não ensinam, médicos frequentemente não curam, policiais frequentemente não protegem, e – o pior de tudo, eu poderia ter acrescentado – padres frequentemente não estão sendo homens de Deus. Uma palavra moderna usada por um amigo italiano para descrever esse desajuste à realidade tão propagado hoje em dia é: “patológico”.  

            Agora, “patológico” é uma palavra pertencente a um jargão de psiquiatras que é propriamente conhecido como “psychobabble”, que se refere a palavras que se disfarçam de novinhas em folha, com muitas sílabas, mas que na verdade representam simplesmente as boas e velhas misérias da natureza humana decaída. Ora, os psiquiatras, eles mesmos irreligiosos, não podem resolver problemas de irreligiosidade, embora ao menos eles estejam, por assim dizer, tentando. Assim, a novidade do “psychobabble” serve pelo menos para sugerir que há algo sem precedentes nas misérias que têm se acumulado nos seres humanos desde os séculos passados até então, culminando na apostasia. Meu amigo escreve:--

            “A patologia pode significar uma doença ocasional ou congênita e, por extensão, um modo de ser anormal ou distorcido que, seja inato ou adquirido, se torna parte de uma constituição de um indivíduo. O mesmo conceito pode ser aplicado por extensão a um grupo de indivíduos ou uma sociedade. Desse modo, pode-se falar da patológica, ou seja, da doente, anormal, condição do mundo moderno. E independente de ser adquirida ou inata, não é vista como ela é pela pessoa ou pessoas relacionadas. Mais ainda, como elas a vêem como normal, a usam como um escudo, e mesmo se gabam dela. A anormalidade se torna normal e vice versa; esse é o drama do mundo moderno e do homem moderno.”

            Então nós devemos encontrar o padre negligenciando o altar, a mulher não dando à luz e os criminosos não sendo enforcados. Mas esse é exatamente o mundo em torno de nós – o “psychobabble” corresponde aos fatos! Assim, aqui está o que o mesmo amigo disse sobre como os católicos devem reagir à essa condição patológica do mundo moderno:

            “Os católicos precisam entender que nós estamos vivendo em uma situação sem precedentes em que todo o senso da realidade objetiva vem sendo continuamente perdido. Isso significa para a Igreja que os pontos de referência ainda válidos há 50 anos não mais se aplicam. Soluções diferentes são buscadas não só para que se tenha em conta a possibilidade de a desordem aumentar ainda mais, mas também para se permanecer elástico o suficiente a fim de se adaptar à situação que constantemente piora. Se então a doutrina é fundamental e decisiva, os católicos e os futuros sacerdotes devem ser ensinados doutrinariamente como esse fim dos tempos é único. Os Evangelhos falam-nos de sua vinda no futuro, mas eles estão conosco aqui e agora, e estão sujeitos a causar somente o pior, até o momento em que Deus disser que é suficiente.”

            Em resumo, séculos de apostasia crescente têm acumulado na raça humana uma recusa da realidade que pode ser chamada de “patológica”, e que está causando desconhecidos níveis de angústia nas pessoas, angústia não aliviada por um nível de prosperidade material igualmente sem precedentes. A Igreja Católica combateu essa apostasia, mas quando no Vaticano II ela desistiu do combate, a fantasia patológica tomou conta do mundo, e deu uma guinada em direção ao Anti-Cristo. O Arcebispo Lefebvre criou uma fortaleza de sanidade dentro da Igreja em ruínas, mas agora a mesma patologia está a caminho de tomar conta de sua Fraternidade.

            Professores, ensinem! Médicos, curem! Mulheres, dêem à luz! Padres, estudem tudo o que o Arcebispo disse e fez. E Rainha Isabel, por favor, rogai por nós.

Kyrie eleison


segunda-feira, agosto 12, 2013

Comentários Eleison - Suplemento: Apologia Pro Nuci


Comentários Eleison - por Dom Williamson
Suplemento: Apologia Pro Nuci - 07 de agosto de 2013

APOLOGIA PRO NUCI


Prefácio do autor --
Pobrezinho de mim! Em espanhol me acabou de aparecer
De um colega, uma lista de inúmeras razões pelas quais
A um louco bispo Inglês deve-se temer
Como um inimigo da Fé. "Oh, caro!", eu digo, e mais.
Pois se eu não responder, então, é ele quem me diz,
Isso prova a minha culpa. E ainda que adiante a tenha anulado ou piorado,
Deixem-me, assim, defender este britânico, mas em versos que fiz,
Versos esticomíticos, de modo pouco sério e despreocupado.
___________________________

O SILÊNCIO
A Resistência começou bem antes do ano passado.
É verdade, e quem abriu o caminho é por mim apreciado.
Por anos, você não falou: o mal estava lá.
A gente sempre espera que, o ápice, o mal nunca atingirá.
O Motu Proprio - truque Romano, você elogiou!
É verdade. Para ver o bem, este Bispo tanto se apressou.
Você nada falou quando o grupo de bons colegas foi expelido.
Sua causa, mas não suas pessoas, eu havia defendido
Você falou sobre os Seis Milhões – o que tinha em mente?
O mal de uma religião substituta, obviamente.
Você acha que pode atrair direitistas? Sem esperança!
Na salvação deles há em você desesperança?
_________________________

O PASSADO
Você nos diz muito pouco sobre seu passado.
Em pessoas e personalidades você deveria por último estar interessado.
A Winchester College ao mau Império servira.
O seu ensino, em outra parte você mostra que admira.
Um verdadeiro ninho de espiões era a sua universidade.
Que a espionagem teria algum interesse para mim, isso é mera falsidade
Seu guru, Malcolm Muggeridge, era um agente infiltrado.
Ele morreu católico. À verdade ele havia principalmente visado.
Fabianos são lobos disfarçados em peles de cordeiro, imbuídos de maldade.
Ele não era Fabiano, e reconheceu a verdade.
A nova religião foi tudo o que ele conheceu.
Profundamente ele pensou e rezou. Um coração verdadeiro era o seu.
____________________________

NA SSPX
Você é um agente da nova religião!
Se o Arcebispo Lefebvre é minha estrela-guia, não.
Schmidberger e você – Duas pinças de um caranguejo, eu diria.
Vá dizer isso a ele! "Tagarela idiota!”, é o que lhe responderia.
Você fala tão duro, mas apenas para o estilo Trad manter.
Bem, a julgar pelos frutos, um tanto estranho isso parece ser.
Sua excentricidade é apenas um modo mascarado de se portar.
Para envenenar os católicos? A eles você precisa perguntar.
Subversão britânica - essa é a chave para que, você, qualquer um possa entender.
Subverter o Diabo é o que pretendo fazer.
Como Reitor do Seminário, bons homens você expulsou.
Poucos eu para sempre afugentei. A maioria por sair optou.
Espionagem e utilização de terror marcaram sua direção.
Seminaristas inteligentes me achavam um bobão.
Você ajudou a expulsar os Nove, homens com bondade e sinceridade.
Mas que à linha do Arcebispo não estavam em conformidade.
______________________

O BRASÃO DE ARMAS
Seu brasão de armas - uma rosa sobre uma cruz!
Estou perdido! Então eu sou membro da Rosacruz?
Não, não! A imagem de Nosso Senhor pela rosa é apagada!
Céus! E o quê são o leão a espada?
De Veneza e de usurários venezianos, são representação.
E o Cardeal Sarto, você acha que nasceu em que região?
De qualquer forma, a rosa do M I 5 está em seu escudo imprimida.
E então para a Inteligência Britânica eu dedico a minha vida?
____________________

O ENSINO
Do papa você nega a infalibilidade.
Para ele trabalhar assim fora da Tradição, não há possibilidade.
Sua "re-incomunhão", você saudou como se legítima fosse.
Com pessoas doces pode ser preciso ser doce.
Você diz que o Papa Bento não sabia o que fazia.
Um mundo inteiro em erro em muito nos influencia.
Você diz que um Papa pode reger duas igrejas. Como isso seria?
Como, ao mesmo tempo, uma maçã e sua podridão uma mão seguraria.
Você gosta do trabalho insano de Maria Valtorta.
Essa acusação é uma de que não me esquivo, o que não me importa.
Todos os tipos de aparições fazem você se entusiasmar.
São Paulo disse: “Peneire, e mantenha o que é bom”. Que novidade há?
Os novos ritos de Ordens Sacras você defende.
Dizer que no limite da invalidade eles estão escritos, é o que se pretende.
Schmidberger e você a mente do Arcebispo quiseram distorcer.
A teologia católica não permite que a cegueira alguém venha a ter.
_____________________

A CONCLUSÃO
Você não é amigo dos católicos da América Latina.
Cinco anos eu passei na Argentina.
À Resistência Católica você só causou prejuízo.
Deixe o tempo julgar. Será meu o seu juízo.
A Resistência, para um imenso beco sem saída você está liderando.
Eu não a estou liderando, apesar de muitos por isso estarem pleiteando.
O Apocalipse é um de seus temas constantes.
Deverá nos dar uma pausa esses tempos terrificantes.
Você é britânico! Inglês! O que mais se precisa afirmar?
Mate-me com um tiro quando o meu país eu deixar de amar!
_________________________

ENVOI
Seu insulto, querido Padre, eu não levo a mal.
Oro para que nos encontremos na bem-aventurança eternal.
Mas enquanto minha raiva você não tenha provocado,
Deus julga cada palavra -- Tenha cuidado.
RNW, Londres, 7 de agosto de 2013.