segunda-feira, dezembro 04, 2017

Comentarios Eleison: Liberalismo = Religião

 Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DXLII (542) (2 de dezembro de 2017)

  
Liberalismo = Religião


"Deus ou Mamon – faça a sua escolha", Nosso Senhor alertou.
O Vaticano agora está doente, pois pelo segundo optou.


O liberalismo não é somente um pecado grave que vai de encontro à honra de Nosso Senhor Jesus Cristo, o liberalismo é também uma religião. Estamos morrendo de liberalismo e de suas consequências. Por dois séculos ele se espalhou por toda parte, pelas nossas escolas, pelas nossas sociedades. É um veneno que destrói os mandamentos de Deus e a tudo o que constitui a beleza e a grandeza de uma civilização cristã. Disse Leão XIII, em sua encíclica Humanum Genus, sobre os maçons: "Devemos rasgar a máscara deles e mostrar como são, para que nós os evitemos e aos seus erros". Creio que o liberalismo, que é um dos frutos da Maçonaria, também precisa ser desmascarado, até que se compreenda completamente o seu perigo.

O liberalismo tem sua deusa: a liberdade. Na época da Revolução Francesa, os liberais adoravam a deusa da Razão na Catedral de Notre Dame em Paris, isto é, a liberdade, a liberdade do homem, essa liberdade que tem a sua estátua na entrada do porto de Nova York, que eles celebraram de uma forma incrível há pouco tempo. O homem está livre, finalmente libertado de toda lei, mas principalmente da lei de Deus. A liberdade é a deusa da religião do liberalismo.

O liberalismo tem seu sacerdócio, na pessoa dos maçons, um sacerdócio secreto, organizado e extremamente eficiente. Existem milhares e milhares de maçons. A seita exclusivamente judaica B'nai B'rith sozinha, com seu acesso muito frequente aos clérigos em Roma, e que esteve presente no encontro em Assis, tem quinhentos mil membros em todo o mundo. O Grande Oriente também está espalhado.

O liberalismo tem seus dogmas: eles são a Declaração dos Direitos Humanos. Como os Papas ensinaram, esses direitos do liberalismo são instrumentos inventados pela Maçonaria para usar contra Deus, para libertar o homem de Deus. Daqui em diante, o homem é livre para pecar, desobedecer a Deus... a liberdade de imprensa... é apenas um dos tantos presumidos Direitos Humanos que foram condenados pelos Papas por um século e meio.

O liberalismo tem sua moral, que é simplesmente a imoralidade: nenhum freio para a liberdade. Durante vinte anos, os liberais conseguiram introduzir na legislação de quase todos os Estados todos os princípios que vão contra a moral católica, como o aborto, a união livre, etc. – viver em pecado é algo favorecido pelos sistemas fiscais.

O liberalismo tem sua política: nomeadamente, a democracia, a democracia dos números. São as pessoas que supostamente governam. Mas, na verdade, a "democracia" é sobre como subjugá-las melhor, como dominá-las, como despojá-las em benefício de um Estado onipotente, de um socialismo totalitário que gradualmente destrói o direito de propriedade, que faz o cidadão trabalhar durante um terço do ano para o Estado. Os cidadãos tornam-se escravos do Estado totalitário. Esta é a política do liberalismo, à qual chamam liberdade.

O liberalismo tem sua educação: a educação deve ser ateísta, laica e universal para todo o mundo. Na França, não foram os bispos que defenderam a liberdade de uma educação não governamental, mas as famílias. Se não houvesse dois milhões de pessoas que se deslocassem para Paris para derrotar a lei socialista sobre educação, haveria na França hoje apenas educação governamental, e a educação privada teria desaparecido.

O liberalismo tem sua economia, dirigida pelos grupos financeiros internacionais. Na medida em que os Estados aplicam uma moral liberal, uma economia liberal, uma educação liberal, leis liberais, seus governos são apoiados pelo Fundo Monetário Internacional, mesmo que tenham dívidas enormes. Por outro lado, os Estados que resistem ao liberalismo são financeiramente prejudicados e arruinados economicamente, sempre que possível. O próprio Vaticano foi arruinado pela Finança Internacional. Maçons infiltraram as finanças pontifícias e transferiram a fortuna do Vaticano para o Canadá, onde desapareceu. Imediatamente, os maçons e a Finança Internacional intervieram com a oferta de qualquer apoio financeiro que fosse necessário. Isso explica as pressões que são exercidas em Roma na nomeação de bispos ou cardeais, e em qualquer coisa que o Papa faça. Ele está praticamente a serviço do liberalismo maçônico. Nós temos que dizer as coisas como são.

Tudo isto foi dito por Dom Lefebvre (está aqui resumido) em Barcelona no ano de 1986. Seria necessário hoje mudar uma única palavra?


Kyrie eleison.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.