segunda-feira, fevereiro 11, 2019

Comentários Eleison: Emoções Desenfreadas

Comentários Eleison – por Dom Williamson
Número DCIV (604) (9 de fevereiro de 2019)



EMOÇÕES DESENFREADAS

Para lutar contra Deus, os homens sufocam sua razão.
Mas, a todo momento, ela continua a ensinar-lhes.

Em outro artigo interessante do boletim regular da TFP americana (Tradition, Family, Property [Tradição, Família e Propriedade], de 4 de janeiro), John Horvat observa e critica um fenômeno generalizado da sociedade moderna: as emoções que saem do controle e dominam a vida das pessoas. Novamente (cf. estes “Comentários”, especificamente o 590 de 3 de novembro de 2018), de uma perspectiva católica, a TFP internacional pode estar aberta, como organização, a críticas mais ou menos severas (especialmente por contornar a verdadeira Igreja), mas seu boletim americano tem muitos artigos reflexivos, porém acessíveis, para os católicos dos dias de hoje, que vivem em um mundo sem Deus. How Wisdom helps People Destroy the Dictatorship of the Emojis [Como a sabedoria ajuda as pessoas a destruirem a ditadura dos emojis], de John Horvat, é um desses artigos.

Um “emoji” é uma daquelas pequenas imagens digitais, ou ícones, usadas ​​para expressar uma ideia ou uma emoção, com destaque para os pequenos rostos sorridentes ou carrancudos disponíveis gratuitamente em computadores, e que se pode facilmente inserir em um texto para expressar qualquer uma de uma variedade de emoções. Horvat usa os emojis como exemplo concreto da frequência com que as emoções figuram na sociedade atual. Ele argumenta que as emoções não são más em si mesmas, mas que atualmente estão desempenhando um papel exagerado na vida diária, com resultados desastrosos para toda a sociedade. Quando as pessoas não querem encarar a realidade de um mundo que inclui dificuldades e sofrimento, então os sentimentos prevalecem sobre os fatos, diz Horvat, e, em vez de pensarem, elas se emocionam, de modo que, por exemplo, as emoções cruas alimentam a política da ira que está sacudindo o mundo. Donde dói ter de pensar para entender por que os problemas do mundo são como são, mas, ao contrário, as emoções me fazem sentir bem e, por isso, prefiro me emocionar. Mas as emoções têm uma compreensão necessariamente incompleta da realidade. Eis por que muitas boas esposas têm instintos e intuições valiosas, mas elas reconhecem que estas precisam estar subordinadas ao raciocínio normalmente superior de seus maridos (não, porém, à tirania deles). E é por isso que nossa política emotiva de hoje é tão louca. E por que a Neoigreja do Vaticano II e seus sacerdotes conciliares são tão efeminados.

Então, por que o raciocínio é superior à emoção? Porque o raciocínio pertence à parte superior do homem, à sua mente e à sua vontade, enquanto as emoções humanas pertencem às suas partes superiores e inferiores, às suas paixões e à sua vontade. Certamente Nosso Senhor e Nossa Senhora tinham emoções. Nosso Senhor chorou sobre a sepultura de Lázaro (João XI, 35). Nossa Senhora sofreu intensamente quando se perdeu de seu filho de doze anos de idade (Lc. II, 48). Mas assim como por sua razão ela submeteu sua dor maternal ao Seu mistério (Lucas II, 50), Ele submeteu vinte e um anos depois Sua agonia humana no Jardim do Getsêmani à vontade de Seu Pai celestial (Mt. XXVI, 39). Pois enquanto todos os animais têm apetite ou paixões sensoriais, respondendo a estímulos sensoriais que lhes são externos, somente o animal racional, o homem, tem também a faculdade superior da vontade que responde à informação intelectual que alimenta sua mente. Essa dimensão intelectual ou racional do homem está totalmente ausente em todos os animais não racionais ou brutos.

Ora, ninguém em seu juízo perfeito acusa qualquer animal não racional de cometer pecado. Na pior das hipóteses, ele apenas segue seus instintos. Isso se deve a que o bem e o mal são percebidos apenas pela mente do homem, e executados como tais por sua vontade. Isso porque somente tendo mente e vontade o homem tem uma consciência consciente do pecado (Jo I, 9), que o torna capaz de pecar. É por isso que a vontade do homem deve seguir sua razão superior e controlar suas emoções inferiores, sem esmagá-las com muita força, nem deixando-as ir completamente, mas aproveitando-as de acordo com a razão, com o que sua razão natural (Jo I, 9) lhe diz que está bem e não mal.

Segue-se que, se os homens quiserem pecar, começarão entorpecendo ou obscurecendo sua consciência, e podem acabar negando que têm razão, e afirmando que os animais são tão racionais quanto eles. Em qualquer lugar no meio deixarão suas emoções soltas para que não tenham mais que pensar, mas sejam livres para mergulhar em suas paixões. Horvat não vai tão fundo, mas na verdade esse desencadeamento moderno da emoção faz parte da guerra total do homem moderno contra Deus. Deus só tem de sair do seu próprio universo para que o homem possa ocupar o seu lugar e fazer com ele o que queira. Deus Amado, tende piedade de nós!

Kyrie eleison.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Antes de fazer seu comentário: ele deve ser relacionado ao post, e feito respeitosamente. Reservo-me o direito de não publicar comentários que julgue desnecessários ou desrespeitosos. Os comentários não expressam a minha opinião e são de total responsabilidade de seus autores.